Para sites e jornais estrangeiros, a nomeação de Moro soa como um "prêmio" por ter tirado Lula da disputa presidencial

A possibilidade de o juiz federal Sergio Moro assumir um cargo no governo de Jair Bolsonaro (PSL) já vinha rendendo manchetes na imprensa internacional desde os últimos dias. À confirmação nesta quinta-feira (1), seguiu-se uma avalanche de publicações, na maior parte em tom de estranheza: a nomeação soou como uma recompensa por ter tirado o ex-presidente Lula (PT) da disputa presidencial.

No Financial Times, do Reino Unido, o título do texto publicado na tarde desta quinta-feira diz: "Bolsonaro nomeia juiz que ajudou a prender Lula".

Recorte parecido foi visto no The Times, também britânico: "Bolsonaro promete emprego sênior para o juiz que prendeu o seu rival".

Em sua conta no Twitter, o autor do texto, Stephen Gibbs, escreveu: "No fim da nossa conversa com o juiz Moro, ele falou que não se candidataria para a presidência do Brasil, como muitos tinham-no encorajado a fazer, e que isso atrapalharia a lei. Contudo, ele acaba de aceitar um cargo no governo Bolsonaro como ministro da Justiça". 

Gibbs fez um documentário sobre a operação Lava Jato publicado em abril na CGTN, canal da China em inglês.

No francês Le Monde, um texto de antes da confirmação se perguntava: "Será que foi por ter emprisionado o líder da esquerda brasileira que o magistrado será recompensado por Jair Bolsonaro?"

O título do texto é "No Brasil, as ambiguidades do juiz anticorrupção Sergio Moro com a extrema direita".

Horas antes do anúncio, o analista de relações internacionais teuto-brasileiro Oliver Stuenkel repercutiu preocupação parecida:

    If star judge Moro, the leading figure in Brazil's historic corruption investigations, accepts Bolsonaro's invitation to come Minister of Justice, it'll no doubt strengthen those who depict entire Lava Jato operation as one-sided, negatively affecting its benign reputation

    abroad
    — Oliver Stuenkel (@OliverStuenkel) November 1, 2018

"Se o juiz estrela Moro, figura central nas investigações históricas de corrupção, aceitar o convite de Bolsonaro, isso vai sem dúvidas fortalecer aqueles que descrevem a Lava Jato como uma operação parcial, afetando a reputação positiva que tem no exterior", escreveu. O comentário foi republicado por jornalistas estrangeiros que cobrem o Brasil.

Editor da revista britânica The Economist, Michael Reid classificou a nomeação como "um grande erro"."Agora a prisão do Lula parece um ato político", declarou em seu Twitter.

Texto da agência notícias norte-americana AP, reproduzido por veículos como a rede de notícias pró-Trump Fox News, diz que "Moro condenou políticos de diversos espectros políticos. mas tomou decisões que muitos interpretam como enviesadas". 

"Para Moro pessoalmente, que agora vai se tornar um político parte de um governo, e para o futuro da Lava Jato, a decisão traz grandes riscos", diz.

Na agência de notícias econômicas Bloomberg, um texto anunciando a nomeação fala dos "benefícios para Bolsonaro, que são óbvios: escolher um herói da lei e ordem é uma aposta segura para aumentar o apoio da sua base conservadora".

Na Itália, onde a operação Lava Jato é frequentemente comparada com a operação Mãos Limpas, o site da cadeia de TVs e rádios RAI publicou um texto explicando o imbróglio brasileiro. "Desde que a Lava Jato começou em 2014, caíram políticos de todos os lados, mas Moro é acusado de ser particularmente impiedoso com a esquerda, especialmente com o ex-presidente Lula".

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis