Lula faz duras críticas a Dilma e a sua gestão: ‘ela está no volume morto’

Como se estivesse em um confessionário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu o coração a um seleto grupo de padres e dirigentes de entidades religiosas no auditório de seu instituto, anteontem, em São Paulo. Em tom de desabafo, criticou duramente a presidente Dilma Rousseff e creditou ao governo dela, sobretudo no segundo mandato, a crise vivida pelos petistas. Para Lula, a taxa de aprovação da companheira está no “volume morto”, numa referência à situação hídrica paulista, e, com o silêncio do Planalto, o “governo parece um governo de mudos”. O ex-presidente admitiu ainda que é “um sacrifício” convencer sua sucessora a viajar pelo país e defender sua gestão.

— Dilma está no volume morto, o PT está abaixo do volume morto, e eu estou no volume morto. Todos estão numa situação muito ruim. E olha que o PT ainda é o melhor partido. Estamos perdendo para nós mesmos — disse Lula.

Para ilustrar a profundidade do poço em que se meteu o PT, Lula citou uma pesquisa interna do partido, que revela que a crise se instalou no coração da legenda, o ABC Paulista. Muito rouco, o ex-presidente dizia coisas como “o momento não está bom” e “o momento é difícil”.

— Acabamos de fazer uma pesquisa em Santo André e São Bernardo, e a nossa rejeição chega a 75%. Entreguei a pesquisa para Dilma, em que nós só temos 7% de bom e ótimo — disse Lula aos religiosos.

Ele afirmou ter dito à presidente: “Isso não é para você desanimar, não. Isso é para você saber que a gente tem de mudar, que a gente pode se recuperar. E entre o PT, entre eu e você, quem tem mais capacidade de se recuperar é o governo, porque tem iniciativa, tem recurso, tem uma máquina poderosa para poder falar, executar, inaugurar”.

Na mesa, os mais de 30 participantes do encontro, entre eles o bispo dom Pedro Luiz Stringhini, não deram trégua ao ex-presidente. Sobraram críticas para o PT, o governo, o próprio Lula e seu pupilo, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. Os religiosos defenderam que o partido volte à antiga liturgia e se aproxime mais dos trabalhadores.

Lula concordou com a tese, dizendo que os petistas trocaram a discussão da política pela do mandato.

A reunião faz parte da estratégia do partido de tentar se reaproximar de sua base social. O interlocutor da ala religiosa é o ex-ministro Gilberto Carvalho, mencionado diversas vezes por Lula, em seu discurso de mais de 50 minutos, para exemplificar como o governo Dilma perdeu o contato com os movimentos sociais. Lula cobrou da presidente, e tem feito isso em outras reuniões reservadas, uma agenda positiva e mais exposição pública. Para o petista, Dilma deixou o governo mais distante dos mais pobres.

— Na falta de dinheiro, tem de entrar a política. Nesses últimos cinco anos, fizemos muito menos atividade política com o povo do que fizemos no outro período — disse ele, citando as conferências nacionais com grupos sociais:

— Isso acabou, Gilberto!

Lula reclamou que Dilma tem dificuldade de ouvir até mesmo os conselhos dados por ele:

— Gilberto sabe do sacrifício que é a gente pedir para a companheira Dilma viajar e falar. Porque na hora que a gente abraça, pega na mão, é outra coisa. Política é isso, o olhar no olho, o passar a mão na cabeça, o beijo.

Nesse ponto da conversa, o ex-presidente fez questão de ressaltar: falar com a população não é “agendar para falar na televisão”.

Durante a reunião, Gilberto Carvalho, que saiu do núcleo central do governo Dilma depois de muitas críticas à atuação da equipe da presidente, concordava com Lula, completava frases e assentia com a cabeça enquanto o ex-presidente subia o tom:

— Aquele gabinete (presidencial) é uma desgraça. Não entra ninguém para dar notícia boa. Os caras só entram para pedir alguma coisa. E como a maioria que vai lá é gente grã-fina... Só entrou hanseniano porque eu tava no governo, só entrou catador de papel porque eu tava no governo — disse Lula, que completou:

— Essa coisa se perdeu.

Lula revelou o quem tem conversado com Dilma nos encontros privados. Os dois têm feito reuniões em São Paulo, e a presidente só as informa na agenda oficial depois que são realizadas. Ele disse que fala para a presidente que a hora é de “ ir para a rua, viajar por esse país, botar o pé na estrada”. Diz ainda que os petistas não podem temer as vaias. Uma das armas para recuperar a combalida gestão, segundo ele, é investir na execução do Plano Nacional de Educação. O problema seria, de acordo com ele mesmo, que o próprio PT desconhece o conteúdo do plano.

“Os ministros têm de falar”
O petista, que não falou com os padres sobre uma possível candidatura à Presidência em 2018, mas não esconde que pode concorrer ao terceiro mandato, disparou fortemente contra os ministros, sobretudo os do PT.

— Os ministros têm de falar. Parece um governo de mudos. Os ministros que viajam são os que não são do PT. Kassab já visitou 23 estados, não sei quem já visitou 40 estados —exagerou.

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, preside o PSD e quer recriar o Partido Liberal. Foi citado mais uma vez, para criticar o desânimo dos líderes petistas:

— Aí não dá. Kassab já tá criando outro partido e a gente não tá defendendo nem o da gente!

Lula disse que também tem chamado a atenção do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, dizendo que ele deveria fazer mais discursos públicos.

— Pelo amor de Deus, Aloizio, você é um tremendo orador — disse ele, que emendou, arrancando risos dos religiosos: — É certo que é pouco simpático.

O ex-presidente ressaltou ainda que “inaugura-se (obra do) Minha Casa Minha Vida todos os dias”, mas que os políticos locais não destacam o papel do governo nas obras.

Para criticar o empenho de Dilma na aprovação do ajuste fiscal, Lula afirmou:

— Falar é uma arma sagrada. Estamos há seis meses discutindo ajuste. Ajuste não é programa de governo. Em vez de falar de ajuste... Depois de ajuste vem o quê? — criticou Lula, apontando que é preciso “fazer as pessoas acreditarem que o que vem pela frente é muito bom”. Segundo o petista, “agora parece que acabou o (assunto) do ajuste”.

A vaca tossiu
Lula disse que o governo não dá boas notícias ao país.

— Nós tivemos as eleições no dia 26 de outubro. De lá pra cá, Gilberto, nós temos que dizer para vocês, porque vocês são companheiros, depois de nossa vitória, qual é a noticia boa que nós demos para este país? Essa pergunta eu fiz para a companheira Dilma no dia 16 de março, na casa dela.

Segundo Lula, nesse encontro estavam os ministros Mercadante, Jacques Wagner (Defesa) e Miguel Rossetto (Secretaria Geral da Presidência), além de Rui Falcão, presidente nacional do PT.

—Eu fiz essa pergunta para Dilma: “Companheira, você lembra qual foi a última notícia boa que demos ao Brasil?” E ela não lembrava. Como nenhum ministro lembrava. Como eu tinha estado com seis senadores, e eles não lembravam. Como eu tinha estado com 16 deputados federais, e eles não lembravam. Como eu estive com a CUT, e ninguém lembrava.

Para os religiosos — que foram recebidos no Instituto Lula com café, refrigerantes, sanduíches e docinhos como brigadeiro e olho de sogra — Lula continuou a “confissão”, elencando as más notícias dadas pelo governo:

— Primeiro: inflação. Segundo: aumento da conta de água, que dobrou. Terceiro: aumento da conta de luz, que para algumas pessoas triplicou. Quarto: aumento da gasolina, do diesel, aumento do dólar, aumento das denúncias de corrupção da Lava-Jato, aquela confusão desgraçada que nós fizemos com o Fies (Financiamento Estudantil), que era uma coisa tranquila e que foram mexer e virou uma desgraceira que não tem precedente. E o anúncio do que ia mexer na pensão, na aposentadoria dos trabalhadores.

Nesse momento, Lula resgatou as promessas não cumpridas por Dilma durante a última campanha eleitoral.

— Tem uma frase da companheira Dilma que é sagrada: “Eu não mexo no direito dos trabalhadores nem que a vaca tussa”. E mexeu. Tem outra frase, Gilberto, que é marcante, que é a frase que diz o seguinte: “Eu não vou fazer ajuste, ajuste é coisa de tucano”. E fez. E os tucanos sabiamente colocaram Dilma falando isso (no programa de TV do partido) e dizendo que ela mente. Era uma coisa muito forte. E fiquei muito preocupado.

O ex-presidente ainda disse aos religiosos — entre eles o padre Julio Lancelotti, dirigentes de pastorais católicas e um pastor evangélico — não acreditar na existência do mensalão.

— Não acredito que tenha havido mensalão. Não acredito. Pode ter havido qualquer outra coisa, mas eu duvido que tenha havido compra de voto — disse ele, mencionando que o ex-deputado Luizinho, do PT de Santo André, não poderia ter voto comprado no mensalão porque era, na época do escândalo, em 2005, líder do governo.

Lula repetiu a crítica que tem feito desde o início do ano nas reuniões do partido: a de que os petistas saíram derrotados do caso do mensalão porque trataram do caso “juridicamente”, quando a discussão, segundo ele, é política. Os petistas têm se desdobrado para defender, desta vez, o ex-tesoureiro João Vaccari Neto, acusado de integrar o esquema descoberto pela Operação Lava-Jato, numa mudança em relação à postura adotada sobre o ex-tesoureiro Delúbio Soares.

Durante as investigações do mensalão, a direção do PT expulsou Delúbio, que só voltou a ser defendido pelos principais nomes da legenda quando começou o julgamento no Supremo.

— Nós começamos a quebrar a cara ao tratar do mensalão juridicamente. Então, cada um contratou um advogado. Advogado muito sabido, esperto, famoso, desfilando por aí, falando que a gente ia ganhar na Justiça. E a imprensa condenando. Todo dia tinha uma sentença. Quando chegou o dia do julgamento, o pessoal já estava condenado — disse Lula.

Para ele, o atual momento vivido pelo PT é ainda mais dramático. Ele diz que há um “mau humor na sociedade”. E que até o ministro do STF Ricardo Lewandowski, “que votou contra (o mensalão)”, sofreu ofensas.

Hoje, segundo Lula, quem é hostilizado na rua são os próprios petistas.

— Jamais vi o ódio que está na sociedade. Família brigando dentro de família, companheiro do PT que não pode entrar em restaurante...

Fonte: O Globo

Curta nossa página no Facebook



Aves migratórias enfrentam diversas ameaças no CE

As alterações registradas nos últimos três anos no calendário de chuvas no Estado podem estar ocasionando modificações no processo migratório de aves que comumente são observadas em algumas regiões do Ceará neste período do ano. Entre as espécies que ainda não obtiveram registro de aparecimento em bando, até o momento, ou que foram vistas em pequenos grupos, estão as andorinhas e as avoantes. Ambas as espécies são vistas por especialistas como fundamentais no processo de equilíbrio ambiental, tendo em vista os serviços que prestam no sentido de impedir, principalmente, a proliferação de pragas e insetos.

Estiagem
Diferentemente das mudanças de locais para descanso e procriação, que acontecem, na maioria dos casos, quando há falta de alimento pela estiagem em áreas que já vinham sendo ocupadas por grupos ou bando de aves, em períodos anuais específicos, a migração é um fenômeno regular, caracterizada pelo deslocamento cíclico das espécies, onde, após registros de chuvas ou de períodos de seca, grupos de animais se dirigem para determinadas regiões ou locais em busca de condições satisfatórias para sobrevivência.

Devido às questões climáticas e ambientais nas diferentes regiões que compõem o Ceará, é possível observar grupos distintos de aves migratórias em áreas variadas do Estado. No entanto, desde o ano passado, há registros realizados por biólogos, observadores de pássaros e ornitólogos, apontando para o desaparecimento de algumas espécies nas regiões por onde passavam no período de migração ou, então, a diminuição considerável no número de indivíduos que formam os bandos destes animais. Um exemplo dessa situação é a redução no número de bandos de andorinhas azuis vistos no Ceará. A espécie é proveniente da América do Norte e utiliza regiões do País como área de descanso durante a viagem que realiza em busca da Argentina, dentre elas o Ceará.

No Cariri, o último registro da presença desta espécie de ave aconteceu no mês de abril deste ano. "Não havia notícias do surgimento de bandos de andorinhas azuis no Ceará desde o ano de 2013. Aqui no Cariri, inclusive, as andorinhas de outras espécies também não chegaram, ainda. O único registro que a região possui é em torno de um grupo de andorinhas de bando observado em fevereiro deste ano", observou o biólogo Jefferson Bob, especialista na observação de pássaros.

Segundo ele, era comum a presença de considerável número de bandos de andorinhas na região neste período do ano. No último triênio, no entanto, houve o desaparecimento da espécie na região. "A presença das andorinhas foram diminuindo consideravelmente, ano após ano, até chegar nesse momento, onde não há registro abundante dessa espécie nos municípios do Cariri", explicou.

Redução
O biólogo aponta, ainda, para um retardo no aparecimento de bandos de avoantes, cujo número também vem sendo reduzido nos últimos anos. "A permanência das avoantes no ano passado aqui no Cariri foi bem maior que em anos anteriores. Até o fim de junho de 2014 havia muitos indivíduos da espécie sobrevoando a região. Estas aves predominam, na fase migratória, nas áreas mais próximas à Chapada do Araripe. Porém, até o momento, não há registro de movimentação da espécie na região", frisou.

O ornitólogo Webber Girão, criador do projeto Soldadinho-do-Araripe, explicou, no entanto, que há diferenças importantes em relação ao processo migratório de cada espécie que precisam ser melhor observadas. Conforme ele, embora as condições climáticas desfavoráveis possam ser prejudiciais à manutenção das espécies em áreas que vinham sendo utilizadas por elas na fase migratória, diversos outros fatores também poderiam contribuir.

"As avoantes, por exemplo, têm um ciclo de migração que modifica o destino. Pode acontecer dessa espécie de ave não ser vista em determinada região, por conta da estiagem, ou de qualquer outro fator, pelo fato de ela ter se deslocado para outra local. O ciclo migratório, no entanto, não deixou de ser realizado. A diferença é que o destino sofreu uma mudança ocasionada pelo clima ou outra intempérie. Às vezes, há afirmações de que as migrações não estão acontecendo porque não se sabe, na verdade, para qual destino as aves estão se deslocando", observou o pesquisador.

Combate às pragas
Webber destacou a importância de ambas as espécies para o equilíbrio ambiental: "No caso das andorinhas, em geral, elas são todas insetívoras, ou seja, se alimentam de insetos que normalmente desequilibram o meio ambiente por meio, principalmente, das monoculturas que nós adotamos. Se não houvesse a chegada das andorinhas, algumas espécies de insetos iriam proliferar, como as saúvas, por exemplo.

Já no caso das avoantes, existe um componente histórico. O Ceará atravessou secas terríveis e, inclusive, o momento da chegada das avoantes muitas vezes coincidiu com o fim da estação seca. Em momentos de secas graves a chegada das avoantes era considerada como um mandado de deus. Boa parte dos cearenses devem a vida dos seus ancestrais ao socorro d essa ave".

Ameaças
Entretanto, ele observou que o comércio ilegal da ave para alimentação humana tem ocasionado prejuízos incalculáveis à espécie. "Infelizmente o comércio que existe hoje ignora que não há mais necessidade do consumo dessa ave. As pessoas insistem em degustar a ave com cachaça porque aprenderam que era bom, sem saber que essa ação está prejudicando em demasia a espécie", ressaltou.

O ornitólogo demonstrou, ainda, preocupação em relação ao uso de agrotóxicos em lavouras, responsáveis, segundo ele, por considerável redução no número de andorinhas. "No momento em que a gente usa o veneno de maneira indiscriminada, como normalmente acontece no Brasil, sobretudo aqui no Nordeste, esse veneno se acumula nos insetos que as aves consomem. O diazinon, por exemplo, utilizado na floricultura, para combate à formiga, é especialmente nocivo para aves", explicou.

ROBERTO CRISPIM
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



6 mitos sobre as melhores maneiras de carregar o celular


Todo dono de celular já ouviu recomendações como "não deixe seu aparelho carregando a noite inteira", "não use seu telefone enquanto ele estiver carregando" ou "só carregue o celular quando acabar a bateria".

Mas, nos últimos anos, as baterias dos celulares evoluíram consideravelmente e alguns truques já são obsoletos.

A maioria das baterias de smartphones, como os da Samsung ou da Apple, é de íon de lítio. Elas carregam mais rápido, pesam menos e têm uma vida útil mais longa.

Então, quais recomendações são verdadeiras e quais não passam de mitos?

A BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, fez uma pesquisa para desmascarar algumas dessas lendas. Confira.

1) É melhor esperar a bateria acabar para recarregar o celular

Falso. Carregar o celular frequentemente não prejudica as baterias.

A Apple diz: "Recarregue a sua bateria de íon de lítio a qualquer hora. Não há necessidade de usar 100% dela antes de recarregá-la."

Há quase um consenso entre especialistas em tecnologia que a carga ideal para uma bateria de íon de lítio varia entre 20% a 80% de sua capacidade. Segundo eles, mantê-la dentro desses parâmetros é ideal para aumentar a vida da bateria.

Em outras palavras: não é recomendável manter seu celular 100% carregado ou deixá-lo chegar a zero.

Os especialistas também sugerem desligar ou reiniciar o aparelho pelo menos uma vez por semana para maximizar o potencial da bateria.

2) É errado deixar o telefone recarregando durante a noite toda

Falso. Os smartphones de hoje são suficientemente inteligentes para saber quando a bateria é recarregada por completo e deve parar de carregar, enquanto o aparelho ainda estiver conectado à fonte de energia.

3) Carregadores "não oficiais" são ruins e podem danificar a bateria

Os carregadores originais, da mesma marca do celular, são os mais adequados para recarregar o telefone.

Mas muitas das vezes eles são caros e os usuários acabam recorrendo a alternativas.

Carregadores menos conhecidos e de marcas mais baratas também funcionam.

O problema, na verdade, está nos carregadores "piratas", de fornecedores desconhecidos, que não foram projetados especificamente para o telefone que o usuário quer recarregar.

Alguns nem sequer carregam os dispositivos de maneira adequada ou demoram muito tempo para fazê-lo.

Portanto, a dica é sempre suspeitar de carregadores ilegítimos e extremamente baratos.

4) É errado usar o telefone enquanto ele estiver recarregando

Em geral, não há nenhum problema em usar o telefone enquanto ele estiver recarregando.

Histórias assustadores vêm alimentando esse mito: em julho de 2013, a chinesa Ma Ailun, de 23 anos, foi eletrocutada ao responder a uma ligação em seu iPhone 5 enquanto o telefone estava recarregando.

Casos semelhantes foram amplamente divulgados pela imprensa internacional.

Na maioria dos incidentes, a culpa recaiu no uso de carregadores não originais e de má qualidade.

Se o usuário utiliza um carregador de qualidade, não deve ter nenhum problema de segurança.

A Apple recomenda "deixar o telefone recarregar por pelo menos 10 minutos antes de utilizá-lo", quando a bateria de um iPhone está praticamente vazia e ao recarregá-lo aparece uma tela preta.

"Então você pode usar o telefone enquanto ele ainda estiver recarregando", diz a empresa.

Por outro lado, usá-lo enquanto estiver recarregando não tem nenhum efeito negativo sobre o processo.

Pense que mesmo quando você não está ativamente usando o telefone durante o carregamento, o aparelho está trabalhando: ele pode estar conectado a uma rede sem fio e receber informações.

5) O telefone carrega mais rápido no modo avião?

Sim, mas a diferença é pequena. Se você colocar um celular para carregar no modo avião o processo será um pouco mais rápido do que o normal.

Isso porque o modo avião desativa as opções de acesso à rede 3G e ao Wi-Fi, e assim o telefone utiliza menos bateria durante o carregamento.

A desvantagem desse truque é que, enquanto o aparelho estiver no modo avião, não pode receber ligações ou acessar a internet.

A reportagem da BBC Mundo colocou o mito à prova e comprovou que carregar 10% do celular com o modo avião ativado é 1 minuto mais rápido do que pelo método tradicional.

6) Recarregar o celular no computador é mais demorado?

A velocidade com que um celular é carregado depende da potência elétrica dos acessórios usados nesse processo.

No caso da Apple e dos iPhones, por exemplo, essa potência varia de acordo com as especificações técnicas dos cabos e carregadores.

A energia eléctrica ou potência define a velocidade à qual a energia é transferida, de modo que a potência mais, antes de recarregar a bateria.

A potência elétrica define a velocidade que a energia é transferida. Dessa forma, quanto maior for a potência, mais rápido a bateria será carregada.

Por exemplo, um carregador de iPhone tem 5 watts de potência enquanto que um cabo de USB ligado ao computador tem 2,5.

Nesse caso, usar o carregador é mais rápido.

Fonte: UOL (Com BBC Brasil)

Curta nossa página no Facebook



Farias Brito (CE): Clima de insegurança ronda a cidade

Até mesmo os segmentos religiosos se ressentem da
situação: o padre Adalmiran Vasconcelos é de
opinião que os moradores de Farias Brito
estão correndo risco de vida 
O clima de insegurança publica que se instalou nesta cidade, na região do Cariri, está deixando a população apreensiva. Nos últimos meses, a cidade vem sendo alvo de uma onda de furtos, roubos, assaltos a estabelecimentos comerciais, escolas, churrascarias, estupros e até tiros em plena via pública. Além disso, o consumo de drogas cresceu consideravelmente.

O presidente da Câmara Municipal de Farias Brito, Chico da Betânia, afirmou que as ações criminosas acontecem até mesmo à luz do dia. O clima de intranquilidade preocupa os moradores e despertou a atenção da Câmara dos Vereadores.

"Nós precisamos de um contingente policial maior. Temos uma população de 20 mil habitantes, em uma área territorial com mais de 20 quilômetros quadrados. Dispomos apenas de dez policiais que se revezam em três turnos para cobrir todo o Município. O Programa Pró-Cidadania foi desativado, deixando, assim, a população menos assistida", declarou Chico.

A comerciante Antônia Ferreira Nogueira, proprietária de uma churrascaria na cidade, disse que está sem condições de trabalhar. "Recentemente, fomos assaltados à luz do dia. Os bandidos levaram R$ 1.960, meu talão de cheques, cartões de créditos, e, de forma audaciosa, anunciaram que voltariam para assaltar novamente".

Segundo Antônia, os distritos de Quincuncá e Cariutaba são dois dos mais afetados. "Os bandidos estão fazendo arrastões, roubando motos e residências, aterrorizando aquelas duas comunidades". Outro comerciante, Pedro Simon, também disse ter sido vítima de assalto. "Os assaltantes levaram R$ 8.000 em mercadoria. Precisamos que as autoridades tomem providências. Estamos indefesos. Nossos filhos universitários que vêm do Crato à noite, estão assustados. Os pais estão indo encontrar os filhos no ônibus, com medo deles retornarem sozinhos do ponto de ônibus até suas casas".

O vigário da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, padre Adalmiran Vasconcelos, entende que as pessoas podem estar correndo risco de vida. "A população do nosso município não tem mais um minuto de tranquilidade. A rotina das pessoas foi totalmente alterada. Até no horário de almoço, as residências são invadidas". O promotor de Justiça Cleiton Bantim da Cruz afirmou que o Ministério Publico do Ceará (MPCE) tem acompanhado de perto o problema.

"A população tem que estar ciente que aumentar o número de policiais militares é uma medida salutar. Porém, não suficiente. Temos que aumentar o contingente de policiais civis para se que possa investigar mais os delitos", afirmou.

Condenação
"A comarca de Farias Brito não tem um juiz titular desde janeiro deste ano. A PM está fazendo as prisões e a Justiça tem que soltar porque não há um juiz para julgar. Tem ações que não competem ao MP. A solução é a realização de uma audiência pública para tentar sensibilizar o secretário de Segurança Pública e cobrar a melhoria da PM e da Policia Civil", disse o promotor.

AMAURY ALENCAR
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



Coreia do Norte diz ter cura de Aids, Ebola, Mers e Sars

A Coreia do Norte afirma ter conseguido algo que os principais nomes da ciência mundial não chegaram nem perto de fazer nas últimas décadas.

O regime de Kim Jong-un anunciou nesta sexta-feira (19) ter descoberto uma droga que pode prevenir e curar doenças como Aids, Ebola, Mers e Sars.

Porém, o governo da norte-coreano preferiu não mostrar nenhuma prova científica ou estudo que comprove a eficácia do medicamento.

Segundo a agência notícias oficial do país, os cientistas locais desenvolveram a droga, chamada de Kumdang-2, a partir da planta medicinal ginseng obtida de fertilizantes misturados com elementos de "terra rara" (óxidos que tem esse nome por serem de difícil separação).

"Infecções de vírus malignos como Sars, Ebola e Mers são doenças relacionadas ao sistema imunológico, então podem ser facilmente tratadas por uma injeção do Kumdang-2", afirma a Korean Central News Agency.

O anúncio da Coreia do Norte acontece ao mesmo tempo em que sua vizinha e rival Coreia do Sul luta contra uma epidemia do coronavírus Mers, que já matou 20 pessoas e infectou mais de 160 pacientes no último mês.

Fonte: Exame.com

Curta nossa página no Facebook



Ceará recebe R$ 164 mi para ações contra a seca

O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi,
esteve em solenidade no Palácio da Abolição com o
governador Camilo Santana. Conforme Occhi, as águas
da transposição do Rio São Francisco chegarão
ao Ceará em 2016 
O Estado do Ceará assegurou R$ 164 milhões, junto ao Governo Federal, para serem utilizados em ações de convivência com a seca. Deste total, R$ 94 milhões serão utilizados na implantação de sistemas de abastecimento de água para comunidades rurais situadas ao longo do Eixo Norte do Canal de Integração do Rio São Francisco, que passará por terras cearenses. Conforme o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, a transposição das águas do rio chegará ao Ceará em 2016. Com o investimento, 30.500 pessoas de 64 localidades serão beneficiadas.

Os R$ 70 milhões restantes serão empregados na construção de adutoras (R$ 49 milhões) e no reforço da Operação Carro-Pipa (R$ 21 milhões). Os investimentos foram anunciados ontem, em solenidade no Palácio da Abolição.

O Ceará tem 95 municípios em situação de emergência reconhecida pelo Governo Federal em decorrência da seca. Apesar disso, conforme o secretário das Cidades, Ivo Gomes, não há perspectiva de racionamento.

Em relação à transposição do Rio São Francisco, as obras estão com 75,6% de execução. Desde dezembro do ano passado, os trabalhos têm avançado cerca de 1% ao mês. Conforme o ministro Gilberto Occhi, já em agosto próximo a água começará a ser deslocada pelo canal, alcançando municípios do Estado de Pernambuco. "Nós queremos que a obra acabe. Essa é uma prioridade", frisa o ministro. Ao todo, 9.800 operários atuam nos trabalhos da transposição.

"Temos absoluta certeza de que, se depender do Governo Federal, essa obra será concluída até o fim do ano que vem, ou início de 2017. Mas, certamente, a água chegará ao Ceará em 2016. É emergencial que chegue ao Estado para abastecer ao menos os dois principais reservatórios, Orós e Castanhão", defende Occhi.

Na visão do governador Camilo Santana, o Açude Castanhão tem sido fundamental para o provimento hídrico da Região Metropolitana de Fortaleza, tendo potencial para atender a área, com segurança, até o próximo ano. "Mas, como o reservatório hoje só está com 19% da capacidade, pode-se comprometer o abastecimento para a Região caso as águas do São Francisco não cheguem em 2016", alerta.

As 64 comunidades rurais que serão contempladas com os sistemas de distribuição hídrica ficam situadas nos municípios de Mauriti (37), Jati (12), Brejo Santo (10), Penaforte (4) e Barro (1), todos na região Sul do Ceará. As populações ficam localizadas a até cinco quilômetros das margens do canal de integração. As obras serão executadas pela Secretaria das Cidades do Estado, em parceria com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece).

No sentido de minimizar os efeitos da seca, Camilo Santana entende que é preciso reforçar ações como o reúso de água no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP) e a reutilização do esgoto de Fortaleza para finalidades industriais. "É preciso conviver com essa realidade do semiárido. É um fenômeno natural, que sempre vamos ter, por isso é importante termos tecnologia e ações para conviver com isso", defende o governador.

Investimento
Dentro do pacote anunciado ontem, as adutoras contarão com investimento significativo, de R$ 49 milhões. Os encanamentos serão do tipo de engate rápido, a fim de que a instalação leve menos tempo. Serão atendidos os municípios de Quixeramobim, Independência, Ibicuitinga e Arneiroz. A ação beneficiará cerca de 103 mil pessoas.

"Queremos que essas adutoras estejam prontas em, no máximo, quatro meses", projeta Camilo Santana. Para que haja aceleração da execução, o Governo do Estado fará um leilão reverso, que é uma espécie de dispensa de licitação, no qual as empresas são convidadas e aquela que der o menor lance realizará a obra. A ideia é que em meados de julho os trabalhos sejam iniciados, conforme o governador.

Outra medida emergencial para atenuar os efeitos da seca é o reforço da Operação Carro-Pipa, que contará com investimento de R$ 21 milhões. A intenção é atender às sedes de 67 municípios que se encontram em situação de emergência.

No Ceará, atualmente, 891 mil pessoas são atendidas por esta iniciativa, com o uso de 1.283 carros.

BRUNO MOTA
REPÓRTER

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



Lula critica 'inércia' do governo e diz que será próximo alvo do juiz Moro


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse a aliados que a prisão dos presidentes da Odebrecht e da Andrade Guiterrez é uma demonstração de que ele será o próximo alvo da operação Lava Jato. Lula também reclamou nesta sexta-feira (19) do que chamou de inércia da presidente Dilma Rousseff para contenção dos danos causados pela investigação.

Ainda segundo seus interlocutores, Lula se queixa da atuação do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que teria convencido Dilma a minimizar o impacto político da operação.

Nas conversas, ele se mostra preocupado pelo fato de não ter foro privilegiado, podendo ser chamado a depor a qualquer momento. Por isso, expressa insatisfação que o caso ainda esteja sob condução do juiz Sérgio Moro.

Para petistas, os desdobramentos podem afetar o caixa do partido e por em xeque a prestação de contas da campanha da presidente. A detenção de Marcelo Odebrecht e Otávio Azevedo colocou a cúpula do PT em "estado de alerta" e preocupa o Palácio do Planalto pelos efeitos negativos na economia.

Para assessores do ministro Joaquim Levy (Fazenda), o "ritmo da economia, que já está fraco, ficará mais lento".

No entanto, a estratégia adotada pelo partido e pelo governo foi a de afirmar que, dada influência das duas empreiteiras, a investigação atingirá as demais siglas, incluindo o PSDB.

Nessa linha, um ministro citou o nome da operação "Erga Omnes" (expressão em latim que significa "para todos") para afirmar que não só o PT será afetado.

Durante a campanha presidencial de 2014, segundo esses interlocutores do governo, ambos executivos fizeram chegar reservadamente ao Planalto a sua intenção de votar na oposição.

Nesta sexta, Lula manteve sua agenda: um almoço com o ministro da Educação, Renato Janine, e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, além do secretário municipal de Educação, Gabriel Chalita. Segundo participantes, ele exibia bom humor.

Apesar do argumento de que outros partidos serão afetados, a tensão é maior entre petistas. Desde o fim de 2014, a informação, que circulava no meio empresarial e político, era de que Marcelo Odebrecht não "cairia sozinho" caso fosse preso.

A empresa sempre negou ameaças. Entre executivos e políticos, contudo, as supostas ameaças eram vistas como um recado ao PT dada a proximidade entre a Odebrecht e Lula –a empresa patrocinou viagens do ex-presidente ao exterior, para tentar fomentar negócios na África e América Latina.

Um dos presos é Alexandrino Alencar, diretor da Odebrecht que acompanhava Lula nessas viagens patrocinadas pela empreiteira. Integrantes dizem que "querem pegar Lula". Lula também se encontrou com executivos da Odebrecht no exterior.

Fonte: Folha.com

Curta nossa página no Facebook



Crato (CE): Polícia prende três suspeitos de matar borracheiro no “Beco do Cachimbo”

Anderson José Almeida Cordeiro, conhecido por “Negão”, de 23 anos; Cleutom Soares da Silva, 25;
e José Ferreira do Nascimento, o “Dudé”.
Três homens foram presos durante a operação “Cheiro do Queijo” por Policiais Civis da Delegacia Regional do Crato. A operação foi fruto de investigações que começaram em 12 de abril deste ano quando o borracheiro Damon Félix Pereira, de 25 anos, foi assassinado.

Segundo o que os investigadores descobriram, a vítima saiu em duas motos na companhia de Anderson José Almeida Cordeiro, conhecido por “Negão”, de 23 anos; Cleutom Soares da Silva, 25; e José Ferreira do Nascimento, o “Dudé”; e foram até o Bar Paraná, no Bairro Gizélia Pinheiro (Batateiras).

O que Damon não sabia é que os três homens que tinha como seus amigos pouco mais tarde o matariam. De acordo com o que apurou a polícia, ele foi atraído até o Beco do Cachimbo, na Rua Sagrada Família, Centro de Crato, e lá foi morto a tiros.

Ele foi atingido por cinco disparos, sendo um no pescoço, outro no antebraço esquerdo, um no abdômen, um no maxilar e outro nas costas e ainda chegou a ser socorrido por uma ambulância do SAMU, porém já chegou sem vida ao Hospital São Francisco. Segundo populares, ele ainda gritava pedindo para não morrer.

De posse dessas informações, investigadores da DRPC do Crato saíram em diligências às oito horas desta quinta-feira e prenderam os três suspeitos. Na casa de Cleutom os agentes ainda encontraram um estojo para pistola. A arma utilizada no crime não foi localizada.

Diante dos fatos, as investigações se aprofundaram, tendo hoje os suspeitos sido presos e apresentados a autoridade policial, na residência de Cleutom, ainda foi encontrado um coldre.

Robson Roque

Fonte: Miséria

Curta nossa página no Facebook



Ricardo Boechat se irrita com Silas Malafaia e desabafa: 'vai procurar uma rola'; ouça o áudio


O jornalista Ricardo Boechat e o pastor Silas Malafaia perderam a linha nesta sexta-feira (19).

A briga entre os dois começou porque Boechat comentava a agressão sofrida por uma menina de 11 anos devido a intolerância religiosa em seu programa na rádio BandNews FM. A criança foi apedrejada na cabeça porque é praticante do candomblé.

Malafaia, incomodado, publicou em seu Twitter um desafio para o jornalista: "Avisa ao jornalista Boechat, que está falando asneira, dizendo que pastores incitam os fiéis a praticarem a intolerância. Verdadeiro idiota. Desafio Boechat para um debate ao vivo. Falar asneira no programa de rádio sozinho, é mole, deixa de ser falastrão. Não incite o ódio", escreveu o religioso.

Ao vivo, Boechat leu o tuíte e já respondeu botando a boca no trombone.

"Ô Malafaia, vai procurar uma rola, vai. Não me enche o saco. Você é um idiota, um paspalhão. Um pilantra. Tomador de grana de fiel, explorador da fé alheia. E agora vai querer me processar. Você gosta muito de palanque, não vou te dar palanque porque você é um otário. Não vou fazer debate nenhum com você porque não quero te dar essa confiança. O que eu falei e repito é que num âmbito de igrejas neopentecostais estão acontecendo atos de incitação à tolerância religiosa, mais do que em outros ambientes. Em nenhum momento, pode pegar minhas falas que estão gravadas, eu disse algo que generalizasse as coisas. Até porque, diferente de você, não sou um idiota", começou Boechat.

"Você é um homofóbico, uma figura execrável, horrorosa, que toma dinheiro das pessoas. Você é rico porque toma dinheiro das pessoas pregando salvação depois da morte. Meu salário, meus patrimônios, vêm do meu suor, não do suor alheio. Você é um charlatão, cara. Que usa o nome de Deus e de Cristo para tomar dinheiro dos fiéis. Você é um tomador de grana. Você e muitos outros. Não medo de você não, seu otário! Vai procurar uma rola".

Depois, para mostrar que não está generalizando a questão, Boechat citou a história de um outro religioso, o padre João Melo, que demonstrou apoio à criança apedrejada e sua família.

Malafaia postou 34 tuítes sobre o assunto e publicou um vídeo de resposta no Youtube, em que ameaça Boechat de processo.

No Twitter, ele ameaçou contar tudo para o seu amigo João Saad, dono do grupo Bandeirantes de comunicação.

"O jornalista Boechat fez uma acusação leviana e séria, de maneira generalizada, dizendo que os pastores nos seus cultos ou na igreja incentivam a intolerância. Eu respondi através do meu Twitter que ele estava tremendamente equivocado e ainda desafiei ele para um debate. Ele, no programa que você vai ouvir daqui a pouco para ver a baixaria, o nível que é esse cidadão, perdeu a linha, me xingou, me difamou. Eu vou dar uma oportunidade a ele na Justiça de provar, diante do juiz, o que ele falou de mim na rádio", começa Malafaia, inflamado.

"Ele, como é um cara parcial, fala de intolerância, eu não vi ele falar sobre intolerância na Parada Gay de São Paulo contra os evangélicos, contra os cristãos. Ficou quietinho, não falou nada. Boechat, o povo vai saber quem é você. Não tenho medo de você, e tá desafiado".


Fonte: F5/Folha.com

Curta nossa página no Facebook



Promotor que investiga estupro coletivo no PI é contra reduzir maioridade penal


À frente do caso de estupro coletivo de Castelo do Piauí em que quatro menores e um adulto são apontados como suspeitos, o promotor de Justiça Cesário de Oliveira afirma que é contra a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Oliveira defende que a melhor forma de tornar efetiva a punição de menores infratores seria aumentar o tempo de internação com aplicação de medidas socioeducativas.

Nessa quarta-feira (17), a Comissão Especial da Câmara de Deputados aprovou por 21 votos a seis a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que prevê a redução da maioridade penal para crimes hediondos, homicídio doloso, roubo qualificado e lesão corporal grave seguida de morte. Agora a PEC segue para plenário para ser votada no próximo dia 30. O crime cometido em Castelo do Piauí e que teve repercussão nacional foi usado como exemplo nas discussões na Câmara dos Deputados.

Oliveira argumenta que o país não está preparado para reduzir a idade penal porque não possui sistema de ressocialização que corrija o menor infrator dentro do limite de três anos de internação, seguindo o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

"Os menores devem ser punidos com rigor, com [aplicação de] penas maiores e que, de acordo com o caso e com o comportamento, ocorressem as progressões durante o período de internação. Os menores só têm o limite de três anos e fica por ali mesmo. [São] internados sem ressocialização, porque esses centros não têm capacidade. Pode haver um ou outro que consiga se recuperar, mas a maioria vejo que sairá com doutorado para cometer mais crimes. O que se deve é aumentar o limite de pena, mas diminuir a idade penal, não", diz o promotor.

Para que haja aumento da pena, o promotor justifica que é preciso que os centros de recuperação de menores infratores passem por reformas nos regimes aplicados aos internos, com cursos profissionalizantes obrigatórios e medidas disciplinares rígidas para que eles se "alinhem e consigam conviver com a sociedade sem cometer mais atos infracionais".

"Se cada vez que acontecer um crime envolvendo menor formos pensar que a maioridade penal deve ser reduzida, reduziremos agora para 16 anos e, quando um menor de 15 anos cometer um crime, vamos levantar a questão para reduzir para 15. Depois aparece um de 14, um de 13, um de 12, e isso não pode porque o sistema atual não é eficaz.".

Usando como exemplo o caso do estupro coletivo de Castelo do Piauí, o promotor diz que os quatro menores suspeitos têm idades entre 13 e 17 anos e que, se aprovada a nova maioridade penal, um deles teria aplicação de medida socioeducativa diferente da dos demais. "Baseado no depoimento de um dos menores que contou todos os detalhes do ataque às garotas, todos eles estão no mesmo patamar. Agora, o menor de 16 como fica? Vamos pedir para reduzir a maioridade de novo tomando base esse crime? Não podemos diminuir a maioridade, mas sim aumentar o rigor no tempo de punição", diz.

Como é hoje
Atualmente, o limite para internação de menores infratores é de três anos, podendo ser estendido até o infrator atingir os 21 anos de idade. O aumento de pena até a idade-limite não é dado imediatamente no julgamento do infrator, depende de avaliações a cada seis meses feitas pelas equipes disciplinares dos centros de recuperação de menores em conjunto com a Justiça. Quando o infrator atinge os 21 anos, ele ganha a liberdade.

O crime de Castelo do Piauí
No dia 27 de maio, quatro garotas subiam o Morro do Garroto, ponto turístico de Castelo do Piauí, quando foram atacadas por quatro adolescentes e um adulto. As meninas foram dominadas, amarradas em árvores e espancadas, levando pontapés, pedradas e pauladas. Depois ficaram desacordadas, foram estupradas, arrastadas e jogadas de cima de um penhasco da altura de um prédio de três andares. As adolescentes ainda foram apedrejadas depois que foram arremessadas do morro.

Uma delas morreu no último dia 7, duas já deixaram o hospital e outra continua internada no HUT (Hospital de Urgência de Teresina).

O MPE (Ministério Público Estadual) denunciou os quatro menores à Justiça por atos infracionais análogos a feminicídio, tentativa de feminicídio, associação criminosa e estupro. Apesar da brutalidade dos crimes imputados aos menores, eles deverão ficar apenas três anos em regime de internato, conforme determina o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

O adulto Adão José de Sousa Silva, 40, poderá ser condenado a 151 anos e 10 meses de prisão, caso o juiz aplique a pena máxima dos crimes que ele foi denunciado. Sousa é acusado de porte ilegal de arma, estupro qualificado (contra menor de 18 anos), homicídio com cinco qualificadoras (motivo torpe, tortura acometida por meio cruel, impossibilidade de defesa das vitimas, ocultação do crime de estupro e feminicídio), tentativa de homicídio, corrupção de menores e associação criminosa com aumento de pena por envolvimento de menores.

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook



Cuidado! SMS ainda é usado para envio de SPAM e mensagens maliciosas

Quantas e quantas propostas tentadoras você já não deve ter recebido por SMS (Short Message Service), não é mesmo? Seja o sorteio de um carro zero, em um concurso que jamais saberá o resultado, mas que certamente terá que pagar para fazer parte dele, ou mesmo para participar de uma "suposta promoção" com bastante impacto na fatura do celular no final do mês. Graças a essa forma de comunicação, inclusive, essa repórter ganhou R$ 30 mil e uma casa na recarga premiada (só que, não!).

No Brasil, o mercado negro movimenta anualmente cerca de 5 bilhões de torpedos com conteúdos indesejados e/ou maliciosos, segundo o projeto "Combate ao SMS Pirata". "Estima-se que tenha o mesmo tamanho do legalizado", aponta Tiago Luz, diretor de negócios da Movile, empresa autorizada a atuar na área de SMS corporativo.

Apesar de o número parecer assustador, de todas as plataformas usadas por spammers e cibercriminosos, o SMS é o menos impactante, aponta o analista sênior de segurança da Kaspersky Lab Brasil, Fabio Assolini. "Isso porque é um meio caro que tem sido gradativamente substituído por canais gratuitos, tais como o e-mail e, mais recentemente, o WhatsApp", afirma. Em contrapartida, Luz aponta a taxa de abertura dos torpedos como grande atrativo. "Pesquisas apontam que apenas 22% dos e-mails promocionais são abertos. O índice sobe para 98% no SMS."

De qualquer forma, como cita Thiago Hyppolito, engenheiro de produtos da Intel Security, a "sensação de crescimento" --do envio de SPAM via SMS ganha mais força com o desuso da ferramenta. "Com a migração para aplicativos de comunicação instantânea, como o WhatsApp, o SMS acabou se tornando uma plataforma destinada quase que exclusivamente para propagandas. Antes, no entanto, essas mensagens se mesclavam às úteis. Por isso, a sensação de aumento", explicou.

SMS pode ser importuno e até danoso
Tudo bem que nem sempre as mensagens agregam riscos aos usuários. Algumas vezes são apenas propagandas inofensivas, mas importunas. Ser acordado por um torpedo em pleno domingo não é nada agradável. "Essa é uma das grandes diferenças do SMS pirata e do legal, que segue normas de condutas rígidas, que inclui tipo de conteúdo --vetando pornografia e propagandas enganosas-- e até horário de envio", explica Luz.

A identificação do SMS Pirata, segundo ele, também pode ser feita pelo remetente. "Os torpedos oficiais geralmente são enviados por números de 3 a 5 dígitos. Já os ilegais possuem os tradicionais 9 ou 8 dígitos, além do DDD", relata o diretor da Movile, que recomenda que os usuários denunciem os números dos remetentes (com o DDD) para 7726. O envio da mensagem é gratuito. "Feita a denúncia, o número será impedido de enviar SMS", conta ele.

A atenção deve ser redobrada às mensagens com conteúdos maliciosos. Há casos, segundo Marco DeMello, diretor-executivo da empresa brasileira de segurança digital PSafe, de torpedos enviados por presidiários com provedores piratas de SMS. "O valor pago pelo usuário para responder ou enviar SMS de participação em promoções falsas é revertido em crédito para celulares de bandidos ou desviado para uma conta bancária administrada pelos golpistas. Muitas mensagens ainda pedem informações pessoais, como seus dados e número do cartão de crédito, potencializando o dano causado."

"Antes de acreditar em qualquer coisa, pergunte-se sempre: conheço a procedência dessa mensagem? Se a resposta for não, o ideal é ignorar. E caso a oferta seja de uma empresa conhecida, vale fechar a mensagem e entrar no site oficial que possivelmente a promoção vai estar anunciada", afirma Hyppolito.

Há ainda aplicativos gratuitos para os mais diferentes sistemas operacionais que podem ajudar a bloquear o recebimento desses torpedos.  Um deles é o Mcaffe Mobile Securtity, que possibilita a indicação de números e até palavras-chave para a realização do filtro. O app está  disponível para Android (http://zip.net/bprr55) e iOS 9 (http://zip.net/byrrW6). Outra opção é PSafe Total, com função semelhante, mas disponível apenas para Android (http://zip.net/bwrq2C).

É possível se livrar do SMS das operadoras
Há uma norma da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) que permite que as operadoras enviem SMS promocionais com a devida permissão dos clientes. A autorização, geralmente, está embutida nas cláusulas do contrato assinada na aquisição da linha. Portanto, caso você adquira uma nova linha, é preciso ficar atento e ressaltar que não deseja receber ofertas.

Calma! Se você não teve esse cuidado, não significa estará fadado a receber esse tipo de mensagem para o resto da vida. Evitar receber SMS das operadoras é bem simples e rápido. Não se preocupe, não será preciso gastar horas em uma ligação para a central de atendimento. Basta responder a mensagem recebida com a palavra SAIR. Caso tenha excluído o SMS, envie SAIR para um dos seguintes números:
  • Claro: 888
  • Oi: 55555
  • TIM: 4112
  • VIVO: 457
Após o envio da mensagem, a operadora confirma o recebimento do pedido, que deve ser atendido dentro de 24 horas. Diante do descumprimento, a Fundação Procon-SP (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado de São Paulo) recomenda que o consumidor procure a empresa ou mesmo a Anatel, no telefone 1331. Caso, mesmo assim o problema persista, a entidade aconselha a abertura de uma reclamação junto a órgãos de defesa do consumidor.

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook



6 respostas para entender de vez o que mudou na previdência

A presidente Dilma Rousseff vetou ontem a mudança na previdência aprovada pelo Congresso e propôs uma outra mudança no lugar. A proposta da presidente foi publicada como Medida Provisória nesta quinta-feira e já está valendo. O texto cria alternativas para o famigerado fator previdenciário, e tem consequências diretas na aposentadoria dos brasileiros.

Veja a seguir seis respostas para entender de vez o que muda na sua aposentadoria:

1 - O que é o fator previdenciário?
O fator previdenciário foi criado no governo FHC para desestimular aposentadorias precoces e tenta mitigar um problema sério: o aumento nos gastos da Previdência Social. O dispositivo leva em conta a expectativa de vida do contribuinte, sua idade e tempo de serviço.

2 - Qual o problema com ele?
O fim do fator previdenciário é uma reivindicação história do movimento sindical. Isso porque esse dispositivo tem reflexo direto no valor do benefício pago a quem se aposenta por tempo de serviço, antes de completar a idade mínima de 65 anos para homens e 60 anos para mulheres. Isso prejudica quem começou a contribuir cedo com a previdência.

3 - Qual era a proposta do Congresso?
A proposta aprovada no Congresso modificava esse sistema e o substituía pelo sistema chamado de 85/95. Por esta fórmula, o trabalhador teria direito à aposentadoria integral, caso a soma de sua idade e seu tempo de contribuição fosse igual a 85 para as mulheres e 95 para os homens. Com isso, a conta ficaria mais justa para quem tem mais tempo de contribuição.

4 - Por que Dilma vetou esse projeto?
Dilma vetou o projeto porque o governo acredita que, do jeito que estava, a fórmula iria quebrar a Previdência Social no futuro, já que a expectativa de vida da população vem crescendo.

5 - O que a presidente propôs no lugar?
Dilma aproveitou a ideia proposta pelo Congresso, mas fez algumas alterações. A fórmula 85/95 passa a valer a partir de agora, mas a soma será elevada gradativamente até chegar a 90/100.

O primeiro aumento ocorrerá em 1º de janeiro de 2017. Nesta data a pessoa que quiser se aposentar e receber o benefício integral precisará atingir 86/96 na soma de tempo de contribuição e idade. A fórmula ganhará um ponto a mais, de dois em dois anos, até chegar a 90/100 em 2022.

6 - Como fica isso num exemplo prático?
Hoje, com a nova regra que já está valendo, um homem que queira receber aposentadoria integral deverá ter a soma de tempo de contribuição e idade igual a 95. Ele pode ter 65 anos de idade e 30 de contribuição, por exemplo. Em 2017, a soma precisará ser igual a 96. Ou seja, ele precisará ter 66 anos de idade, ou 31 anos de contribuição para fechar a conta.

Fonte: Exame.com

Curta nossa página no Facebook



Para dar um nó na cabeça: 5 mistérios ainda sem solução


Se hoje você tem acesso a todo tipo de informação com apenas alguns cliques, se pode ler sua revista favorita pelo celular, se morre de ansiedade na frente da TV antes do último episódio de Game of Thrones e se usa um aplicativo para pedir comida antes do tão esperado final de temporada, talvez você se assuste ao saber que, ainda que sejamos seres evoluídos, temos questões curiosas que ainda permanecem sem uma resposta. O All That is Interesting selecionou alguns dos problemas mais fascinantes ainda não resolvidos pelos homens. Confira:

1 – Por que as células se matam?
Talvez você não saiba, mas existe um evento bioquímico chamado “apoptose”, que é também conhecida como “morte celular programada” ou “suicídio celular”. O fato é que, por algum motivo ainda desconhecido, células têm essa capacidade de se autodestruir de uma maneira misteriosamente pré-programada.

Essa morte de nada tem a ver com a morte celular provocada por algum tipo de doença. Na verdade, pelo menos 50 bilhões de células em um corpo humano médio morrem por causa dessa autodestruição ao longo da vida. Não se sabe, no entanto, por que essa morte ocorre.

Quando esse suicídio celular acontece em escalas ainda maiores, a pessoa pode morrer também, principalmente em decorrência de atrofiamento muscular. Por outro lado, quando as células se matam menos do que deveriam, a superpopulação celular pode ocasionar alguns tipos de câncer. Seria, então, um mecanismo natural para nos fazer viver mais?

2 – A Teoria Computacional da Mente
Criada na década de 1960, a Teoria Computacional da Mente é autoexplicativa, e você pode começar a entender do que ela trata pela simples comparação de que o cérebro humano seria também um tipo de computador e a mente, o sistema operacional.

Da mesma forma que um computador funciona por meio de alguns comandos e de um sistema programado para mantê-lo ativo, o cérebro humano também tem esses receptores de informação. Assim como o cérebro, máquinas também precisam criar representações daquilo que não conseguem computar fisicamente – essa analogia é o fio da meada dessa teoria.

A questão aqui é: quando um computador apresenta alguma pane, é possível, na maioria dos casos, resolver o problema em uma assistência técnica, certo? Agora quando a mente humana apresenta algum problema como a depressão, a questão se torna extremamente delicada e particular. Não podemos reprogramar o cérebro humano. Será que essa humanização limita a comparação entre cérebro e computador?

3 – A consciência
Quem nunca teve uma dor de cabeça? A questão é que, ainda que essa experiência seja praticamente universal, nenhuma dor de cabeça é igual à outra. Ou talvez até seja, mas não costumamos conseguir expressar a questão da dor com exatidão. Isso tem a ver com o fato de que até mesmo nossa percepção de dor é subjetiva – por inúmeras razões, algumas pessoas são mais sensíveis à dor do que as outras.

Ainda que a Psicologia, a Filosofia, a Psiquiatria, a Neurociência e tantas outras áreas científicas estudem e problematizem a consciência, é extremamente complicado definir o que consciência é. Não há, nesse sentido, alguma teoria considerada absolutamente correta e coerente. E você? Será que consegue definir o lado mais abstrato da mente humana?

4 – A questão das cores
Voltando a falar sobre subjetividade, temos as cores. Será que o seu cérebro recebe as informações visuais da cor da mesma forma que o cérebro da pessoa que está sentada ao seu lado recebe? Já sabemos que, sim, as cores existem e dependem de frequências de luz, assim como sabemos também que pessoas com algum grau de daltonismo as enxergam de maneira diferente.

Ainda assim, talvez o amarelo que você vê seja diferente do amarelo que as outras pessoas enxergam. Imagine um grupo de pessoas reunidas olhando para o céu enquanto um piloto faz acrobacias aéreas. Todas as pessoas e o piloto devem saber que o céu que serve como plano de fundo para esse evento é azul, mas a verdade é que nunca saberemos se o azul enxergado por essa gente é o mesmo azul, com o mesmo tom. Já pensou quão bizarro é isso?

5 – O sobrenatural
Você já ouviu falar do Paranormal Challenge? Basicamente é um desafio promovido pela James Randi Educational Fundation, que desde o início de 1964 mantém a proposta em pé: aquele que conseguir provar cientificamente que tem algum tipo de habilidade paranormal leva para casa US$ 1 milhão.

Desde então, mais de mil pessoas de todo o mundo se inscreveram no desafio e nenhuma delas levou a bolada para casa. Por outro lado, muitos paranormais famosos mundialmente já se recusaram a participar do desafio – para se inscrever, o candidato deve ter alguma referência acadêmica e um certificado de que a saúde mental está em dia.

De acordo com Randi, pouquíssimos desses mais de mil participantes disseram ter falhado por falta de habilidade. A maioria das pessoas acredita que não conseguiu realizar o que gostaria por uma questão de nervosismo.

A questão é: não são as questões sobrenaturais que estão sendo contestadas, mas a dificuldade de provar que elas de fato acontecem, menos ainda no âmbito científico. Ao que tudo indica, questões espirituais e científicas nem sempre podem andar lado a lado.

Fonte: Mega Curioso

Curta nossa página no Facebook



Municípios cearenses não avançam na gestão de resíduos sólidos

A permanência dos lixões e a falta de coleta seletiva nos municípios cearenses seguem uma realidade nacional. Poucos avanços foram verificados no cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei de agosto de 2010. Até hoje, no Ceará, há apenas seis aterros sanitários, que beneficiam dez cidades e somente 21 municípios têm experiência com coleta seletiva.

Desde agosto do ano passado que está proibida a existência de lixões no nosso País. Em dezembro de 2014, o Congresso Nacional confirmou o veto da presidente Dilma Rousseff à proposta de prorrogação do prazo por quatro anos. Mantida a decisão, a Subcomissão Temporária de Resíduos Sólidos no Senado propôs prorrogar por mais dois anos, até 2016, o prazo para que os municípios acabem com as rampas de lixo. A proposta, entretanto, até o momento não foi aprovada.

Impasse
O impasse permanece. Até agora os lixões continuam ativos, não houve sanções às administrações, projeto de lei com nova data para o fim das rampas ainda não foi aprovado, as prefeituras alegam dificuldades e sequer implantaram programa de coletiva seletiva ou concluíram o Plano Municipal de Gerenciamento de Recursos Sólidos.

Dos 184 municípios do Ceará, menos de 30 conseguiram elaborar seus planos de gerenciamento. De 21 cidades que promovem alguma ação de coleta seletiva, apenas Crateús revelou avanço no programa. O titular da Secretario de Meio Ambiente do Ceará (Sema), Artur Bruno, afirmou que cabe aos municípios definir políticas de coleta, tratamento e destino do lixo, segundo a legislação federal. "Cabe ao governo do Estado a tarefa de apoiar, contribuir com as políticas municipais", frisou Bruno.

14 regiões
O secretário anunciou que, depois de dois anos, foi definido um plano que dividiu o Ceará em 14 regiões para a gestão dos recursos sólidos. O projeto será detalhado em agosto próximo para os prefeitos. O Ceará obteve R$ 2 milhões junto ao Banco Mundial (Bird) para apoiar iniciativa de programa de coleta seletiva em 81 municípios das bacias hidrográficas das regiões Metropolitanas, Acaraú e Salgado.

A verba será destinada para aquisição de balança eletrônica, prensa hidráulica, carrinhos de mão, equipamento de proteção individual, kit de computador, capacitação para os catadores, elaboração de planos, inclusive de comunicação e desativação dos lixões.

"Vamos apoiar com equipamentos, programa de coleta seletiva e incentivo às associações de catadores", disse Bruno. "Sabemos das dificuldades, mas os municípios já deveriam estar com ações de coleta seletiva, definindo consórcios regionais. Isso é o ideal", completou.

Melhor exemplo
O secretário Artur Bruno ressalta que, por enquanto, o melhor exemplo vem da cidade de Crateús, no Sertão dos Inhamuns, a 355 quilômetros de Fortaleza, que avança no programa de coleta seletiva. "Avalio que o atraso nessa política pública decorre da carência de recursos, de capacitação técnica e da falta de decisão política", avaliou.

No Ceará, atualmente, somente dez cidades são beneficiadas com seis aterros sanitários, instalados em Caucaia, Maracanaú, Aquiraz, Sobral, Mauriti e Brejo Santo, atendendo, além desses núcleos urbanos, Fortaleza, Maranguape, Eusébio e Meruoca. A implantação do aterro do Cariri, uma das regiões mais importantes do Interior, ainda permanece em situação de impasse.

Diagnóstico
A Sema está fazendo um trabalho de georreferenciamento dos lixões. A ideia é localizar e quantificar os existentes. Segundo dados da Sema, 21 municípios cearenses desenvolvem coleta seletiva: Barbalha, Barreira, Brejo Santo, Crateús, Crato, Cruz, Farias Brito, Fortaleza, General Sampaio, Hidrolândia, Independência, Itarema, Mauriti, Morada Nova, Morrinhos, Nova Olinda, Novo Oriente, Piquet Carneiro, Russas, Sobral e Tabuleiro do Norte.

O técnico da Secretaria de Meio Ambiente do município de Iguatu, arquiteto Paulo César Barreto, observa que o funcionamento do aterro sanitário depende da coleta seletiva. "Se não houver a separação do lixo orgânico do inorgânico, os aterros se transformam em lixões", disse. "O lixo é uma questão séria e só será resolvido com recursos, mobilização social, informação, educação, conhecimento técnico e decisão política", destacou.

Paulo César lamenta o atraso nas decisões administrativas. "O tempo está passando e não houve avanço, na maioria das cidades quase nada foi feito para se adequar à Política Nacional de Resíduos Sólidos", frisou. Iguatu é um dos municípios que ainda não elaborou o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. "Quase ninguém fez", afirma Barreto.

Há um consenso de que o prazo estabelecido na Lei de 2010 precisa ser prorrogado em decorrência da impossibilidade real de eliminação dos lixões. Os gestores municipais alegam falta de recursos e de equipe técnica. "Não adianta só prorrogar o prazo se não houver ação concreta", disse Barreto. "Corre-se o risco de precisar de outra prorrogação", destaca o técnico.

Mais informações
Secretaria do Meio Ambiente do Ceará (Sema)
Fone: (85) 3101-1235

Secretaria do Meio Ambiente de Iguatu
Fone: (88) 3566-7925

HONÓRIO BARBOSA
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



Fórmula de Dilma para aposentadoria é indecente, diz petista

Defensor da regra de aposentadorias aprovada pelo Congresso, o senador Paulo Paim (PT-RS) chamou nesta quinta-feira (18) de “indecente” a fórmula progressiva adotada pela presidente Dilma Rousseff para atenuar o veto ao fator 85/95. O petista promete trabalhar para derrubar a decisão da presidente e considera que a colega de partido errou.

Para evitar um colapso na Previdência Social, o governo editou uma medida provisória que estabelece a fórmula 85/95, mas apenas até 2017. Uma tabela progressiva eleva o fator para  90/100 em 2022.

Alternativa ao fator previdenciário, o cálculo 85/95 prevê que uma mulher pode se aposentar quando o tempo de contribuição e a idade somar 85, desde que tenha contribuído 30 anos. No caso dos homens, a soma deve ser de 95, com um mínimo de 35 anos de contribuição.

Para criar a progressão, o governo considerou a melhora da expectativa de vida com o passar dos anos. O senador Paulo Paim diz, no entanto, que a esperança de viver não aumenta nessa proporção a cada ano.

“Essa formula de progressão é indecente, não há nenhuma análise técnica de que a expectativa de vida aumenta um ano a cada ano”, disse.

O petista defende a derrubada do veto de Dilma ou o ajuste da proposta do governo para a aplicação da fórmula 85/95 para quem já está no sistema, e a 90/100 para quem entrar a partir da nova lei.

Paim também acredita que a medida é inconstitucional, já que criará virtualmente, a partir de 2022, uma idade mínima de 60 anos para mulheres aposentarem e de 65 anos para homens. O senador lembra que a Constituição já prevê a fórmula 85/95 para servidores públicos, o que poderia ferir o princípio da isonomia.

Segundo ele, Dilma deveria ter sancionado a proposta do Congresso e encaminhado um projeto com urgência constitucional, propondo uma nova fórmula. O Palácio do Planalto preferiu, no entanto, vetar a fórmula incluída na MP 664 e editou outra, a MP 676, com o regime progressivo. "Acho que ela errou na tática", disse Paim.

Em entrevista coletiva, o governo disse que a solução foi momentânea, preservando, no início, o que foi defendido pelos parlamentares. A gestão da presidente Dilma quer encontrar uma fórmula definitiva em um fórum com centrais sindicais, empresários e políticos. “Esta é uma solução momentânea. A solução definitiva deve ser debatida no fórum de Previdência Social”, disse o ministro Carlos Gabas.

Como ficou a fórmula do governo 

Hoje
Mulheres poderão optar pela nova fórmula quando o tempo de contribuição e a idade somarem 85, desde que tenham 30 anos de contribuição. No caso de homens, a soma tem que dar 95.

A partir de 1º de janeiro de 2017 - A soma para mulheres precisa dar 86 e 96 no caso de homens.
A partir de 1º de janeiro de 2019 - A fórmula passa para 87/97
A partir de 1º de janeiro de 2020 - A fórmula passa para 88/98
A partir de 1º de janeiro de 2021 - A fórmula passa para 89/99
A partir de 1º de janeiro de 2022 - A fórmula passa para 90/100

Fonte: Terra

Curta nossa página no Facebook



Addthis