F-1: Favorito ao título, Vettel faz pole e vê Alonso largar apenas em 9º no GP do Texas; Massa é o 6º

Sebastian Vettel pode ser o campeão do Mundial de Pilotos no GP do Texas no próximo domingo. Líder do ranking e 10 pontos à frente do segundo colocado Fernando Alonso, Vettel conquistou mais uma vantagem neste sábado, a pole posion para a corrida de domingo. Além de largar na pole, o alemão vê seu adversário direto largar apenas na nona colocação.

Vettel conquistou a posição com o tempo de 1min35s558. Com 1m35s766, Leiws Hamilton largará na segunda colocação, seguido de Mark Webber, em terceiro. Os brasileiros Felipe Massa e Bruno Senna largarão em 6º e em 11º, respectivamente.

O alemão foi absoluto nos treinos do desconhecido circuito de Austin. Com o melhor tempo nos dois treinos livres da última sexta-feira, Vettel também teve o melhor desempenho nas três sessões deste sábado. Com os tempos de 1m36s558 na primeira, 1m35s796 na segunda e 1m35s657 na terceira.

Se manter o bom desempenho e contar com resultado ruim do segundo colocado Fernando Alonso no ranking do Mundial de Pilotos, Vettel já pode ser campeão neste domingo. Com 255 pontos, ele está 10 pontos à frente de Alonso e pode conquistar o título em três possibilidades: se vencer, com Alonso, no máximo, chegando em quinto; se cruzar em segundo, com o espanhol se classificando abaixo do nono lugar; ou se chegar em terceiro, com o ferrarista fora da zona de pontuação.

Fonte: UOL

Crato (CE): Artistas fazem homenagem ao centenário do Rei do Baião

Neste sábado (17), a RFFSA, no Crato, recebe vários nomes da cultura regional em um tributo a Luiz Gonzaga. O show “Crato: Terra paixão do Rei do Baião” acontece em homenagem ao centenário do pernambucano, considerado um ícone da música nordestina. A programação é gratuita e tem início às 20h.

A iniciativa, realizada pela Associação Cultural Hugo Pinheiro com o apoio cultural do Sesc, reúne grandes nomes do autêntico forró-pé-de-serra, como os artistas: Marivalda e Grupo Kariri, Messias Holanda, Pedro Bandeira, Zé de Manu, Joquinha Gonzaga, Adelson Viana e convidados.

Durante o evento será lançado o DVD “Marivalda e convidados”, em comemoração aos 50 anos de carreira da cantora cearense e ao centenário do Rei do Baião. No show, os cantores reverenciarão o mestre e a sua importância para a música brasileira.

Sobre os artistas
Marivalda Kariri começou a cantar ainda criança. Em 1957 o cantor e compositor Jackson do Pandeiro, ao vê-la cantar na festa de coroação de nossa senhora, em Recife, a convidou para lhe acompanhar. Juntos, cantaram “o canto da ema”, (de João do Vale, Alventino Calvanti e Araes Viana) e “Moxotó”, (de Rosil Cavalcante e José Gomes). No final, Jackson falou: você nasceu artista, vá brigar pelo seu espaço.

De lá pra cá são mais de meio século de carreira, com disco e shows em várias partes do país, além de parcerias com nome de peso, entre eles o próprio Luiz Gonzaga, que ela conheceu durante turnê pela Amazônia, em 1976. Hoje, com 70 anos, Marivalda Kariri continua sendo uma das grandes vozes do Ceará e uma das poucas representantes femininas do forró-pé-de-serra no Brasil. Orgulho de nós cearenses, em comemoração aos seus 50 anos de carreira, propomos ao fundo estadual da cultura a realização deste projeto como forma de prestigiar essa grande dama do forró cearense, Marivalda Kariri, e suas cinco décadas dedicadas à musicalidade nordestina. Marivalda se apresenta acompanhada pelo Grupo Kariri, uma formação de autêntica música regional, conformada pelos mestres Zeca Costa (voz e triângulo), China (voz e zambumba) e o sanfoneiro Valmir.  O Grupo Kariri acompanha Marivalda há mais de 30 anos.

Messias Holanda, o mais simpático dos cantores de raiz, é célebre pelo refrão “Eu quero me trepar no pé de coco”, da canção “Pra tirar coco”. Messias já virou um personagem da cultura típica do Ceará. Tendo sido amigo do Gonzagão, atualmente é bem querido pelo cenário forrozeiro, e também por artistas e fãs de outros estilos musicais. Nascido em Fortaleza e começado sua carreira nos shows de calouros, Holanda entoa a canção típica de raiz nordestina, com toques de humor e seu inigualável carisma. O cantor já acumula mais de 100 composições em sua carreira, e inclusive “fez um monte de roqueiros dançar” num festival de rock em 2006. Messias Holanda é atualmente Presidente de Honra da Associação Cearense do Forró.

O nome artístico de Joquinha Gonzaga foi dado pelo seu tio Gonzagão, que o presenteou com uma sanfona de oito baixos quando ele tinha apenas 12 anos. Joquinha começou sua escola tocando em festas e forrós no Rio de Janeiro e, posteriormente, viajando por todo o Nordeste acompanhando o Rei Do Baião como sanfoneiro. Em 1986 Joquinha Gonzaga gravou o seu primeiro disco e, em seguida, a convite de seu tio Gonzagão, viajou numa turnê pela Europa. A sua maior alegria foi quando o Rei declarou em público que Joquinha seria o seguidor cultural da Família Gonzaga. Com mais de 4 décadas de trajetória, Joquinha Gonzaga sempre defende a verdadeira música Nordestina e a cultura do seu Tio Gonzagão, tocando sanfona e decantando as coisas do Sertão.

Poeta, repentista e cantor, Pedro Bandeira é considerado um dos ícones culturais da região do Cariri e ainda do Nordeste. Nascido na Paraíba e juazeirense por adoção, Pedro percorreu o Brasil cantando as vivências do sertão nordestino, a devoção religiosa e o amor da cidade que o adotou. Bandeira já cantou para seu povo por mais de 60 anos, havendo recitado para o Pelé, para o papa João Paulo II e para importantes figuras brasileiras. A sua arte já foi citada por gênios como Carlos Drummond de Andrade.

Mestre da sanfona e grande executante dos ritmos nordestinos, Zé de Manu descobriu cedo a vocação para a música. A sua principal referência era o próprio Rei do Baião, Luiz Gonzaga. As primeiras músicas que
aprendeu eram de Gonzagão: “Asa Branca” e “Assum Preto” eram as favoritas. Na sua cidade de Cedro, participou do conjunto Tabajaras, com um repertório que incluía fox, jazz e músicas de orquestra. Zé de Manu preferiu permanecer na sua cidade e trabalhar em forrós da região. Ele tocou com Luiz Gonzaga e por sete anos participou das festas no Parque Asa Branca, em Exu. Hoje, Zé de Manu é tido como um dos maiores instrumentistas nordestinos, sendo ele um artista que sabe conjugar o ritmo popular com o virtuosismo.

Adelson Viana nasceu em Fortaleza com o nome Adelson Góis da Silva, melhor conhecido como Adelson Viana. É também exímio ao piano, nos teclados eletrônicos, na escaleta acústica e no violão. Um músico versátil e completo, se desempenha como arranjador e produtor desde 1996, gravando de 10 a 15 discos por ano. Atualmente, Adelson é o maestro e diretor musical dos grupos do cantor Raimundo Fágner, com quem se apresenta constantemente pelo Brasil. Viana é admirado pela magnífica sensibilidade e técnicas que dele brotam quando executa um instrumento.

Serviço
“Crato: Terra paixão do Rei do Baião”
Local: Centro Cultural do Araripe – Largo da RFFSA
Data: 17/11
Horário: 20h
Informações: (85) 9702.3911/ 9164.4381

Jota Lopes

Fonte: Rádio Cetama

PT se cala sobre reaver verba desviada por Maluf

A decisão contra Paulo Maluf (PP-SP) em Jersey ocorre no momento em que o deputado federal negocia com o prefeito eleito pelo PT, Fernando Haddad, cargos na Prefeitura de São Paulo.

Segundo sentença divulgada ontem, a Corte Real de Jersey, paraíso fiscal britânico, condenou empresas de Maluf e de seus familiares a devolver US$ 22 milhões (R$ 45,8 milhões) aos cofres da administração da cidade.

Logo após ser eleito no segundo turno a prefeito de São Paulo, com com apoio do PP de Maluf, Haddad, disse à Folha que vai cobrar na Justiça a repatriação de verbas que teriam sido desviadas do município para contas no paraíso fiscal da ilha de Jersey.

Haddad disse não conhecer o processo contra Maluf, mas que se a Justiça decidir pelo cobrança do dinheiro, "o resgate é imperioso".

"O prefeito não tem o direito de decidir dar ou não seguimento a essa iniciativa. É um dever, não um direito. Não há o que se fazer", disse o petista.

Após a decisão da corte de Jersey, petistas não quiseram falar publicamente sobre o assunto. Nos bastidores, disseram que o melhor é tratar o caso como "de Estado", evitando politização. O processo de tentativa de repatriação do dinheiro começou durante a gestão da petista Marta Suplicy (2001-2004).

Aliados de Haddad dizem que seria "injustificável" mudar de posição agora, e que os trâmites serão cumpridos normalmente pela procuradoria municipal.

Condenação
A Corte Real da ilha de Jersey, paraíso fiscal britânico, tornou pública ontem a sentença em que determina que as duas empresas atribuídas à família Maluf devolvam US$ 22 milhões (R$ 45,8 milhões) à Prefeitura de São Paulo.

Segundo a prefeitura, esse valor foi desviado pelo deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), que foi prefeito de 1993 a 1996. Ainda cabe recurso da decisão.

De acordo com a sentença, o "município foi vítima de uma fraude, que teve Paulo Maluf como um de seus participantes".

A assessoria de imprensa de Paulo Maluf (PP) afirmou, em nota, que o processo na ilha de Jersey deixa claro que o ex-prefeito não é réu na ação.

O texto afirma que Maluf não tem conta no paraíso fiscal e que os recursos desviados não se referem ao período em que ele foi prefeito.

Apesar de negar relação da ação com o ex-prefeito, a nota da assessoria afirma que o processo é ilegal pois, entre outros argumentos, deveria ocorrer no Brasil, e que ainda cabe recurso da decisão.

Fonte: Folha.com

Barbalha (CE): Dois jovens morreram em acidente na madrugada deste sábado

O capotamento de um veículo Corsa por volta das 05h30min deste sábado deixou o saldo de duas pessoas mortas e outras duas feridas. O acidente aconteceu na Avenida Adão Apolinário, imediações do canal (Bairro Alto da Alegria) em Barbalha. O motorista do veículo, Jorge Luiz Martins Souza, de 21 anos, que residia na Rua P9 daquele bairro, morreu no local.

Um de seus companheiros de viagem Uanderson Medeiros da Silva, de 29 anos, também morador do bairro, foi socorrido em estado grave para o Hospital São Vicente de Paulo, mas faleceu momentos após dar entrada. No Corsa de cor vermelha e placa KIE-9100, inscrição do Pernambuco, estavam ainda José Luiz de Souza, de 21, e Ivan da Silva Santos, de 19 anos, residente na Rua José de Noca daquele bairro sofreram escoriações leves.

Provavelmente, Jorge Luiz desenvolvia uma velocidade incompatível com o trecho quando perdeu o equilíbrio e capotou. Ele era funcionário da fábrica de cimento de Barbalha, estava dirigindo há poucas semanas e não era habilitado. Há informações que o mesmo estava bebendo com os amigos desde a sexta-feira. Inclusive, a polícia encontrou garrafas de bebidas dentro do carro.

Demontier Tenório

Foto: Padim / Ag. Miséria

Fonte: Miséria

Esporte: Icasa perde para o Paysandu e precisa vencer em casa

Reagindo no segundo tempo após sofrer três gols ainda na etapa inicial, o Icasa saiu comemorando a derrota por 3 a 2 para o Paysandu, ontem à noite, no primeiro jogo das semifinais da Série C, em Paragominas, no interior paraense.

Com o resultado, o Verdão do Cariri precisará apenas de uma vitória simples em Juazeiro na próxima quinta-feira, 22, por 1 a 0 ou 2 a 1 para chegar à decisão da Série C. Se devolver o placar de ontem, forçará uma disputa de pênaltis.

Já com o objetivo principal conquistado - acesso à Série B -, Paysandu e Icasa entraram em campo sem a tensão da fase anterior. Com ambos sem receber salários, o jogo começou morno e parecia que teria poucas emoções. Mas o time da casa mostrou um pouco mais de vontade do que um desligado Icasa, construindo uma goleada no primeiro tempo.

Aos quatro minutos, Alex Gaibú ganhou dividida pela direita, contou com escorregão do zagueiro André Turatto e só escolheu o canto para fazer 1 a 0, sem chance para o goleiro Mauro.

Após sofrer o gol, o Icasa até tentou sair para o jogo, mas os jogadores perdiam todas as divididas para os adversários, parando sempre na marcação. Assim, o Papão respondia com os contra-ataques.

E foi assim que o Icasa sofreu o segundo gol. Em mais uma falha da defesa, aos 14 minutos, Carlinhos perdeu a dividida para Alex Gaibú, o deixando livre para marcar o segundo no jogo.

Encurralado em campo, o Verdão só assustou em cobrança de falta de Índio, que o goleiro João Ricardo encaixou.

Mas o Paysandu seguia melhor. Mesmo sem imprimir um ritmo forte, o time da casa criava boas chances. De tanto insistir, aos 33, o Papão chegou ao terceiro gol, em cobrança de falta de muito longe do atacante Kiros.

No último lance do primeiro tempo, aos 43, o Icasa quase surpreendeu, em chute de longe de Índio, que o goleiro tirou para escanteio.

Pedido é ordem
Ao fim do primeiro tempo, o técnico do Icasa, Francisco Diá, declarou que o time buscaria diminuir o placar e manter as chances para o jogo de volta em Juazeiro. "Erros na marcação e individuais custaram dois gols. Precisamos de gols no segundo tempo para levar a decisão para Juazeiro", analisou.

E o Icasa seguiu à risca o pedido de seu treinador. Logo no início da etapa final, aos dois minutos, Da Silva cruzou na área e o volante Leandrinho mandou para o próprio gol, diminuindo o placar para 3 a 1.

Depois de tomar uma bola na trave de Kiros, o Verdão marcou o segundo, em finalização precisa de Niel.

O jogo ficou mais movimentado com os gols icasianos, mas foi o Papão que chegou mais perto do quarto gol, duas vezes com Yago Pikachu: na primeira, aos 19, Mauro pegou. E na segunda, aos 22, o Verdão foi salvo pela trave. No fim, comemorou o placar que o deixa mais vivo do que nunca para chegar à decisão.

Ficha técnica

Paysandu 3

João Ricardo; Yago Pikachu, Thiago, Sanches e Rodrigo Fernandes; Ricardo Capanema, Leandrinho, Alex Gaibú (Harison) e Thyago Potiguar; Kiros (Lineker) e Rafael Oliveira (Helinton)

Técnico: Lecheva

Icasa 2

Mauro; Índio, André Turatto e Gilberto; Thiago Baiano, Da Silva, Elanardo, Eder (Jefferson) e Carlinhos; Niel e Canga (Rafinha)

Técnico: Francisco Diá

Série C do Brasileiro 2012

Estádio: Arena Verde, em Paragominas (PA)

Data: 16 de novembro de 2012

Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)

Assistentes: Carlos Emanuel Manzolillo (TO) e Evandro Gomes Ferreira (GO)

Gols: Alex Gaibú (4/1ºT e 14/1ºT), Kiros (33/1ºT), Leandrinho (Contra, 2/2ºT) e Niel (16/2ºT)

Cartões Amarelos: Kiros, Leandrinho e Yago Pikachu (PAY); Elanardo (ICA)

VLADIMIR MARQUES
REPÓRTER 

Fonte: Diário do Nordeste

Dirceu e mais três réus do mensalão pedem que Supremo devolva passaportes

Quatro réus condenados no julgamento do mensalão, entre eles o ex-ministro José Dirceu, entraram com um recurso no STF (Supremo Tribunal Federal) questionando a decisão do relator do caso, Joaquim Barbosa, de reter os passaportes e pedem a devolução dos documentos.

Com isso, o caso deve ser decidido pelo plenário do Supremo. Barbosa determinou a entrega dos passaportes aos 25 condenados para evitar que fugas para o exterior.

Além da defesa de Dirceu, a medida de Barbosa foi atacada pelos advogados do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, do deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e o ex-vice-presidente do Banco Rural José Roberto Salgado. Eles argumentam que a medida não deveria ter sido tomada individualmente por Barbosa.

No pedido, a defesa de Delúbio afirma que ele entregou o passaporte, "mas com ela não pode se conformar".

O documento, assinado pelos advogados Celso Sanchez Vilardi e Arthur Sodré Prado, diz que a retenção dos passaportes só caberia se houvessem fatos concretos.

"Para a decretação da medida cautelar de proibição de ausentar-se do país, com a consequente retenção do passaporte do ora agravante (Delúbio), na avançada fase em que se encontra o processo, seria imprescindível que estivesse baseada em dados concretos, ou seja, deveria estar baseada em atitudes do agravante, indicando que irá se furtar à aplicação da lei penal, tendo em vista que a instrução já está encerrada", afirma o texto.

O advogado de João Paulo, Alberto Zacharias Toron sustenta que a determinação "jamais poderia ter sido realizada monocraticamente. Deveria, até mesmo por respeito aos demais ministros, ter sido respeitado o princípio da colegialidade". É razoável que o peticionário comunique ao Supremo qualquer viagem que faça. Mas não há, repita-se, qualquer necessidade de se acautelar seu passaporte", completou.

A defesa do empresário Marcos Valério, operador do mensalão, entregou na quarta-feira o segundo passaporte dele ao Supremo. Em 2005, Valério já havia deixado outro passaporte na Corte.

Entre os condenados, o deputado Pedro Henry (PP-MT) repassou o passaporte ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-SP), alegando que é um documento diplomático. A Câmara ainda analisa que medida será tomada.

O ex-deputado Bispo Rodrigues enviou uma manifestação explicando que não está com seu passaporte porque a Polícia Federal apreendeu o documento em uma operação em 2006.

Embate
Além de reter passaportes, Barbosa ainda determinou que os condenados também fossem incluídos na lista de "procurados e impedidos" da Polícia Federal nos postos de fronteira, já que só podem sair do país com autorização do Supremo.

A decisão de reter os passaportes gerou uma troca de alfinetadas entre Barbosa e o ex-ministro José Dirceu.

No despacho, o relator defendeu o julgamento e disse que alguns réus "deram impressão de serem pessoas fora do alcance da lei, a ponto de, em atitude de manifesta afronta a este Supremo Tribunal Federal, qualificar como política, a árdua e séria, imparcial e transparente atividade jurisdicional a que vem se dedicando esta Corte".

Dirceu classificou a medida como "puro populismo jurídico" e violação dos direitos dos réus. O petista fez em seu blog duras críticas a Barbosa. "A decisão do relator (...) é puro populismo jurídico e uma séria violação aos direitos dos réus ainda não condenados, uma vez que o julgamento não acabou e a sentença não transitou em julgado", escreveu Dirceu, que chamou a medida de "exagerada".

Fonte: Folha.com

Ter um irmão mais novo pode fazer mal ao coração

Parece que os irmãos mais velhos ganharam apoio da ciência, já que de acordo com um estudo, a “vinda de um irmãozinho pode causar o aumento da pressão sanguínea nos filhos mais velhos, aumentando consideravelmente o risco de problemas cardíacos”.

O estudo foi realizado com cerca de 200 famílias que fazem parte de comunidades agrícolas da Bolívia, no período de junho a setembro de 2007. Foram coletados dados socieconômicos e demográficos e verificada a pressão sanguínea dos outros filhos quando um novo irmãozinho chegava.

Percebeu-se que quando vinha “um irmãozinho, a pressão sanguínea dos demais irmãos aumentava entre 3% e 5,9%”. Quando vinha uma menina, “a pressão subia 3,8% em média”.

Segundo especialistas, o motivo para este resultado é o “ciúme e a posse”, já que os irmãos mais velhos tendem a considerar o “caçula uma ameaça”, pois tem que dividir toda a “atenção dos pais”, além de todos os brinquedos, é claro.

Mas calma, o problema com o ciúme logo desaparece, quando as crianças crescem tudo volta ao normal, na maioria dos casos.

Fonte: Superinteressante

Barbalha (CE): Três mulheres e dois homens são presos sob acusação de tráfico de drogas

O comandante da 2ª Companhia do 2º Batalhão de Polícia Militar tendo a frente o Capitão L Rodrigues, com apoio do POG, FTA e Ronda do Quarteirão, apreenderam na noite dessa quinta-feira (15) dois homens e três mulheres, segundo ele comercializando crack e maconha.

A prisão se deu na Rua Ribamar Carneiro, bairro Prourbe na cidade de Barbalha. Helena Pereira Nascimento, 57 anos, segundo L Rodrigues, é considerada como a `vovó do tráfico´, presa pela segunda vez pelo mesmo crime. Na residência de Helena, foram presos: Jeferson Davi Pereira da Silva, 23 anos, Gilvan Pereira Cordeiro, 31 anos, Roselania Silvestre Dos Santos, 26 anos e Luciene Bezerra Dos Santos, 26 anos.

A polícia apreendeu 16 dólares de maconha, 5 pedras de crack, bastante sacos plásticos para acondicionar a droga, duas facas peixeira e a quantia de 92 reais em espécie, em cédulas de dois, cinco, dez e moedas, configurando segunda a polícia dinheiro da venda da droga.

Dona Helena nega que estaria comercializando a droga fala: “Eles estavam apenas fumando lá em casa, e a culpa disso é de Elias o homem que vivo com ele que usa, esse dinheiro é do meu aposento para pagar o aluguel”, disse.

“Não vamos dar tréguas a traficantes e bandidos na Barbalha estou avisando” ressalta o Capitão L Rodrigues que por onde passa dá seu recado com apoio de seus superiores e apoio de seus comandados.

Foto: Normando Sóracles / Ag. Miséria

Fonte: Miséria

Notas rebatem PT e defendem STF

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgaram notas ontem defendendo a atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do mensalão e rebatendo nota divulgada pelo PT, que acusa a Corte de ter agido politicamente até agora.

As duas associações afirmam que a análise do caso é técnica e que tem a participação de ministros que foram indicados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela presidente Dilma Rousseff, o que "comprova independência desses ministros em relação a quem os nomeou".

Para a Ajufe, o julgamento é pautado por "respeito aos princípios constitucionais garantidores de um processo penal justo, especialmente o contraditório e a ampla defesa", afirma o texto. "Trata-se de julgamento técnico, tendo todos os votos sido devidamente fundamentados em seus aspectos fáticos e jurídicos, como determina a Constituição Federal", completa.

Na avaliação da Ajufe, "a irresignação quanto às penas que vêm sendo aplicadas é perfeitamente compreensível dentro do contexto e, por essa razão, a crítica do PT deve ser recebida como expressão de inconformismo, no exercício da liberdade de expressão".

A Anamatra afirma que o resultado do julgamento é "técnico" e que os todos os ministros deram provas "de honradez e correção" durante o julgamento. A associação diz ainda que o enfrentamento aos crimes do mensalão, como peculato e lavagem, "é uma conquista para sociedade e uma perda importante para essas organizações que pilham o patrimônio público e desfiguram os hábitos da moralidade pública e privada".

"Espera a Anamatra que os bons ventos do julgamento se espraiem sobre outras ações, e com rapidez, não importando a filiação partidária dos réus. E que os erros de poucos não desviem os rumos positivos do Brasil. As pessoas passam, mas as instituições permanecem".

Marcos Valério
A defesa do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, operador do mensalão, entregou pela segunda vez o passaporte dele ao STF. O documento foi repassado no dia 14, um dia após o prazo final dado pelo relator do caso, Joaquim Barbosa, aos 25 condenados.

A entrega do passaporte foi fixada pelo relator para evitar fugas ao exterior. Em 2005, Valério já havia deixado outro passaporte no Supremo. A retenção ainda será decidida pelo plenário do STF. Advogados do deputado João Paulo Cunha (PT-SP) entraram com recurso questionando a medida.

Fonte: Diário do Nordeste

Juazeiro do Norte (CE): Prefeitura não paga e empresa suspende coleta de lixo

A cidade de Juazeiro do Norte está há uma semana sem serviços de coleta de lixo devido à falta de repasse de verba à empresa responsável.

Sem o serviço, as ruas de Juazeiro do Norte estão tomadas por lixo, e os moradores reclamam da situação. "Isso pode causar problema de saúde, junta ratos e baratas. É um descaso", diz o servidor Araújo Cícero.

A prefeitura de Juazeiro do Norte afirmou que o repasse foi feito nesta sexta-feira (16), e o serviço deve reiniciar ainda nesta tarde nos principais bairros da cidade.

Fonte: G1

17 de novembro

1717 - Início da construção do convento de Mafra.
1903 - Os governos brasileiro e boliviano assinam o Tratado de Petrópolis, garantindo ao Brasil a posse do estado do Acre.
1913 - O Canal do Panamá é aberto no istmo do Panamá, ligando os oceanos Atlântico e Pacífico.
1989 – Guerra Fria: começa a Revolução de Veludo na Tchecoslováquia, após violenta repressão policial a uma manifestação estudantil, em Praga.

Nasceram neste dia…
1755 - Luís XVIII de França (m. 1824).
1896 - Lev Vygotsky, psicólogo bielorrusso (m. 1934).
1910 - Rachel de Queiroz (foto), escritora brasileira e primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras (m. 2003).

Morreram neste dia…
1558 - Maria I, Rainha de Inglaterra (n. 1516).
1917 - Auguste Rodin, escultor francês (n. 1840).
1959 - Heitor Villa-Lobos, maestro e compositor brasileiro (n. 1887).

Fonte: Wikipédia

TIM terá de comunicar usuário sobre fim da promoção

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) oficializou nesta sexta-feira (16) a suspensão das vendas da nova promoção da TIM que oferece chamadas locais ilimitadas a R$ 0,50 por dia. A empresa será obrigada a enviar mensagens aos usuários para informar sobre a suspensão da promoção. Também será obrigada a fazer comunicação do fim da oferta nos mesmos veículos e formatos em que divulgou a promoção.

Segundo o despacho publicado pela agência no "Diário Oficial", a promoção traz potencial de instabilidade na rede e prejuízo à qualidade do serviço prestado ao consumidor.

A TIM informou, por nota, que "foram transmitidas para a agência todos os detalhes técnicos e mercadológicos da iniciativa, que é limitada em 19 cidades para oportuna análise conforme regulamentação em vigor". No entanto, segundo o presidente da Anatel, João Rezende, a TIM não apresentou à agência quais seriam os impactos da ação no serviço.

Suspensão
A reportagem apurou que outro motivo que levou à suspensão foi o temor de que mais operadoras seguissem a promoção, causando uma sobrecarga no sistema e novas quedas no serviço de telefonia do país, o que traria desgaste à Anatel.

Na promoção suspensa, chamada de "Infinity Day", a primeira chamada local entre celulares da TIM custaria R$ 0,50 e as demais seriam gratuitas e ilimitadas. A promoção da operadora foi oferecida em algumas cidades do país. No plano Infinity, a operadora cobrava R$ 0,25 por ligação.

De acordo com a Anatel, os valores previstos na promoção serão praticados até o dia 18, para evitar "lesão a direitos dos usuários".

Fonte: Diário do Nordeste

O retrocesso da inteligência humana

Há quem diga que a cada dia que passa as pessoas se tornam mais estúpidas, ainda que seja difícil de se comparar o nível de inteligência de agora com o de gerações passadas, surge uma nova teoria que afirma que nós, humanos, estamos ficando mais "burros" gradativamente.

Segundo o estudo do Dr. Gerald Crabtree, da Universidade Stanford (EUA), além da perda das nossas capacidades intelectuais, perdemos também capacidades emocionais, tudo porque a nossa inteligência "superior" se deu a partir do processo de uma enorme pressão evolutiva, e para tal, a demanda de um grande número de genes se fazia necessária.

Esta inextricável rede de genes seria a grande responsável pela nossa vantagem racional em relação a outras espécies, contudo, ela é suscetível de mutações, que sem uma constante pressão evolutiva tende a se degradar.

Ainda segundo o estudo, a maturação de nossas capacidades cognitivas se deu em uma época em que o ser humano, dotado de um organismo relativamente frágil se comparado a outros seres vivos, foi "obrigado" a desenvolver um diferencial que lhe garantisse a sobrevivência, por isso uma imensa pressão agindo sobre os genes necessários para o desenvolvimento intelectual levou a um pico da inteligência humana.

Entretanto, a partir do momento em que o ser humano começou a construir cidades e viver em sociedade, também passou a sofrer menos influência da Seleção Natural e teoricamente deste momento em diante, a inteligência humana provavelmente começou lentamente perder terreno.

Pressupõe-se que necessitamos cerca de 2.000 a 5.000 genes pra mantermos nossa alta capacidade intelectual e baseado no número de incidência em que mutações prejudiciais surgem no genoma humano, Crabtree estima que dentro de 3.000 anos (cerca de 120 gerações) todas as pessoas já terão por pelo menos uma mutação prejudicial à nossa estabilidade intelectual ou emocional, pois a combinação de uma menor pressão seletiva e um grande número de genes facilmente afetados por mutações acaba por "corroer" nossas capacidades intelectuais e emocionais.

Todavia, ele mesmo argumenta que considerando o ritmo acelerado e constante no avanço de nossas tecnologias, poderemos ter futuramente métodos de prevenção e solução pra o problema:

"Acho que chegaremos a compreender cada uma das milhões de mutações humanas que possam comprometer nossa função intelectual, e como cada uma delas interage com umas as outras e com demais processos, bem como suas influências ambientais. Então, seremos capazes de corrigir qualquer mutação no nosso organismo, em qualquer estágio de desenvolvimento. O processo brutal da seleção natural será desnecessário."

Fonte: Hypescience

Barbalha (CE): Vereadores novatos criam Frente Parlamentar

Cinco vereadores eleitos, pela primeira vez em Barbalha, vão formar a “Frente Parlamentar Jovem Barbalhense”. A frente será composta pelos vereadores eleitos Vevé Siqueira (PP), Aurino Préu (PP), Rosário Amorim (PTN), Moacir (PTN) e Cícera Show (PRB).

Segundo Vevé Siqueira, um dos articuladores da frente, o objetivo é o de renovar o legislativo da cidade, já que, “os seus componentes são vereadores novatos que tem o objetivo de honrar cada voto que lhes foi confiado”.

Para Veré Siqueira, existe também a possibilidade desse bloco de vereadores, vale salientar, aliados ao prefeito José Leite, forme uma chapa para concorrer a eleição para presidência da Câmara Municipal.

Novatos, mas organizados
Os novos vereadores estão dando uma demonstração de boa articulação no que diz respeito ao poder de negociação na Câmara. No legislativo, seja ele qual for, quem decide é a maioria. E, quanto mais articulado o grupo, maior poder de barganha ele tem.

Vale salientar, que a Câmara de Barbalha terá 15 vereadores. Portanto, cinco vereadores organizados e, possivelmente, votando em grupo, já representam um 1/3 da casa. Ou seja, o bastante para, no mínimo, entrar no debate das decisões.

Agora, como toda ação tem uma reação, é provável que a organização, assumida, possa gerar um desconforto, tanto na oposição, quanto na própria base do prefeito. Pela oposição, eles podem ser encarados como uma estratégia para dividir a discussão política da Câmara. E dentro da base do prefeito, eles podem ser vistos como um grupo dentro de outro grupo. Ou seja, um início ou uma ameaça de divisão.

Certo mesmo é que nenhum deles pertence nem ao PT, nem ao PMDB; partidos líderes da aliança que reelegeu Zé Leite. E isso, pode, dependendo da participação desses partidos no governo, tornar o grupo, alvo de constantes negociações, ou seja, um grupo independente.

Madson Vagner

Foto: Ag. Miséria

Fonte: Miséria

Dr. Alban - Sing Hallelujah


10 motivos que fazem os humanos serem tão especiais

10 - Vida após a reprodução
A grande maioria dos animais se reproduzem o máximo possível e depois morrem, ao contrário das mulheres, que mesmo após sua fertilidade ter um fim, continuam sua vida normalmente. Acredita-se que isso ocorre pois a sabedoria das avós pode ajudar muito o desenvolvimentos dos membros mais novos.

9 - Infância alongada
Os seres humanos são os primatas que ficam mais tempo sobre os cuidados da mãe. Mas isso vai ao contrário do que seria o normal da evolução, pois o mais interessante para a mãe natureza é o crescimento rápido para que se possa ter mais crianças o quanto antes. A explicação para essa diferenciação evolutiva deve-se ao fato de nosso cérebro ser mais capaz e levar mais tempo para absorver a enorme quantidade de informação que necessitamos para termos uma boa vida.

8 - Rubor
Nós somos a única espécie que fica com a cara vermelha, mesmo Darwin não conseguiu descobrir por que isso acontece e declarou: "é a mais peculiar e mais humana de todas as expressões". Acredita-se que isso seja uma defesa natural contra desonestidade, mas atualmente nem isso anda ajudando.

7 - Fogo
Quase ninguém deve ter parado para pensar nisso, por ser algo tão comum e corriqueiro, mas nós somos a única espécie que tem o controle sobre o fogo, isso nos dá uma vantagem enorme sobre os outros seres. Com a utilização do fogo nos aquecemos no frio, temos luz no escuro e podemos cozinhar os alimentos. Os cientista acreditam que a habilidade de cozinhar é uma das grandes fatores que nos fizeram evoluir de maneira a nos tornamos mais eficientes.

6 - Roupas
Nós poderíamos ser chamados de "macacos pelados", mas graças nossa capacidade criamos as roupas que é outro fator único de nossa espécie, a não ser quando nós mesmo colocamos roupas em animais.

5 - Discurso
Graças a uma evolução que ocorreu a 350 mil anos atrás, quando nossa laringe foi mais para baixo e diminui de tamanho, nós conseguimos adquirir o dom da fala. De forma que somos os únicos que conseguimos articular palavras.

4 - Mãos
O que seria dos humanos sem sua enorme capacidade de usar as mão nas mais diversas tarefas, com precisão enorme? Provavelmente ainda estaríamos na idade das cavernas. Graças a habilidade incrível das mãos, nós conseguimos evoluir e chegar até onde chegamos.

3 - Poucos pelos
Se nos compararmos com nossos parentes primatas, nós praticamente nem temos pelos. O surpreendente é que nossa pele tem tantos folículos pilosos quanto os outros primatas, algumas vezes até mais que eles, contudo nossos pelos são tão pequenos e curtos que mal pode-se vê-los.

2 - Postura ereta
Nós somos os únicos primatas que conseguimos efetivamente ficar na posição vertical, que possibilita nos deslocarmos e termos a mãos livres para usar as ferramentas. Mas essa evolução cobrou seu preço, pois devido ao formato de nossa bacia (que ajuda no equilíbrio) e a cabeça "grande" o parto humano é muito arriscado pelo padrões da natureza. Há um século atrás o parto era umas das maiores causas de morte entre as mulheres.

1 - Cérebros extraordinários
Sem dúvida esse é o grande trunfo e a grande diferença, que nós faz especiais em relação aos outros seres vivos. Mesmo os nossos cérebros não sendo os maiores em tamanho nem em relação ao tamanho do corpo, eles são os mais bem dotados e desenvolvidos da natureza, capazes de gerar seres como: Einstein, Mozart, Da Vinci e tantos outros.

Ceará perde R$ 220 mi de receita do Fundeb em 2012

O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) deverá crescer, este ano, 1,6%. Isso significa um percentual 5% inferior da meta estabelecida para os municípios brasileiros. No Ceará, esse baixo desempenho representa numa queda de receitas superior a R$ 220 milhões, penalizando ainda mais as Prefeituras que tiveram diminuídos os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

O consultor da Associação dos Prefeitos do Estado do Ceará (Aprece) e economista Irineu Carvalho disse que essa fonte de recursos para os municípios é mais uma que impacta na crise financeira, atingindo particularmente o Ceará, Estado fortemente castigado pela seca e com sérias demandas de caixa para pagamento de despesas, obedecendo à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

No Ceará, são 74 municípios que tiveram receitas do Fundeb inferior ao ano passado. Para Irineu, essa situação não poderia ser pior para os gestores no final do mandato, uma vez que se depararam com um reajuste de 22% no piso salarial do magistério e, para os profissionais com contratos temporários, com aumento de 14%, de acordo com o salário mínimo.

Financiamentos
O Fundeb é formado, na quase totalidade, por recursos provenientes dos impostos e transferências dos estados, Distrito Federal e municípios.

Atende toda a educação básica, da creche ao ensino médio, financiando todas as etapas da educação básica e proporciona a reserva de recursos para os programas direcionados a jovens e adultos, especialmente na valorização do magistério, transporte e merenda escolar.

Tendo como parâmetros de 2012 os índices do FPM (de 2,5%,) ICMS (de 11%), foram 74 os municípios que tiveram crescimento negativo, 97 com crescimento entre zero e 5,5% e apenas 14 acima de 5,5%.

Os 10 municípios que tiveram as receitas negativas do Fundeb neste ano foram Deputado Irapuan Pinheiro (-7,22%), Baixio (-6,52%), Tamboril (-5,85%), Abaiara (-5,42%), Caririaçu (-5,31%), Ererê (-4,78%), Moraújo (-4,65%), Aracoiaba (-4,43%), Barro (-4,17%) e Ibicuitinga (-3,62%),

"Este é mais um problema sério para os municípios, que estão em dificuldades de fechar as contas este ano", disse Irineu.

Problema imediato
Essa dificuldade de fechar as contas de 2012 diante da queda dos repasses federais fez com que cerca de 60 municípios, segundo a Aprece, parassem suas atividades administrativas na segunda e terça-feira passadas, mas retornando ontem após o anúncio de uma ajuda emergencial. Sobre essa paralisação, houve quem afirmasse não ter feito parte dos protestos, apesar da lista apresentada pela Aprece. Esse foi o caso de Barroquinha. O prefeito Ademar Veras disse que a inclusão do seu município não aconteceu, uma vez que necessitava formalizar o ato por um decreto. A assessoria de imprensa da Aprece foi contactada para falar sobre a lista, mas não se pronunciou sobre o assunto.

Entre as medidas anunciadas em Brasília pelo Governo Federal na reunião ocorrida entre representantes da Confederação Nacional dos Municípios, estão o pagamento, até hoje, do Fundo de Exportações (FEX) devido aos municípios em valor aproximado de R$ 1,9 bilhão e a edição de uma Medida Provisória permitindo que os municípios parcelem suas dívidas previdenciárias e possam receber repasses do governo de auxilio à estiagem.

Além disso, o governo também deve liberar até o final de 2012 mais de R$ 1,5 bilhão em Restos a Pagar (RAP). Já com relação ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que foi a principal pauta colocada pelos prefeitos, o governo se comprometeu a agir como em 2009, onde garantiu o FPM nominal, quando também houve uma redução acentuada no repasse dos recursos.

Para Irineu, essas medidas são bem vindas, porque aliviam o caixa das prefeituras brasileiras. No entanto, salienta que ainda assim fica muito abaixo das perdas do ICMS para as cidades, estimadas em torno de R$ 7 bilhões. "Se levarmos em conta R$ 1,8 bilhão que será distribuído com todos os municípios, é preciso lembrar que somente com o FPM no Ceará a queda nesses repasses foi de R$ 370 milhões", disse o economista. Somando com as perdas do Fundeb, o total negativo do Ceará atinge cerca de R$ 510 milhões.

Cidades com repasses negativos
A estratégia do Fundeb é distribuir os recursos pelo País, levando em consideração o desenvolvimento social e econômico das regiões.

Os 74 municípios que apresentaram receita negativa este ano são: Deputado Irapuan Pinheiro, Baixio. Tamboril, Abaiara, Caririaçu, Ererê, Moraújo, Aracoiaba, Barro, Ibicuitinga, Palhano, Viçosa do Ceará, Fortaleza, Banabuiú, Choró, Massapê, Mulungu, Trairi, Ibaretama, Pires Ferreira, Saboeiro, Coreaú, Nova Russas, Graça, Pacoti, Acarape, Granjeiro, Hidrolândia, Poranga, Cariré, Campos Sales, Barroquinha, Farias Brito, Irauçuba, Acopiara, Cariús, Cascavel, Meruoca, Ipueiras, Chaval, Potiretama, Aratuba, Ipaporanga, Juazeiro do Norte, Jucás, Orós, Santana do Acaraú, Bela Cruz, Apuiarés, Umirim, Paramoti, Itaiçaba, Independência, Itapajé, Cruz, Milagres, Palmácia, Senador Sá, Jaguaribe, Novo Oriente, Antonina do Norte, Maracanaú, Santa Quitéria, Tabuleiro do Norte, Tarrafas e Guaiúba.

Mais informações
Aprece
Avenida Oliveira Paiva, Nº 2621
Seis Bocas
Fortaleza - CE
Telefone: (85) 4006-4000

MARCUS PEIXOTO
REPÓRTER

Fonte: Diário do Nordeste

Medo da morte torna ateus inconscientemente mais receptivos à religião

De acordo com uma pesquisa realizada na Universidade de Otago, quando pessoas não religiosas refletem sobre sua própria morte, conscientemente ficam mais céticas, mas inconscientemente, tornam-se mais receptivas às crenças. Já no caso dos religiosos, conscientemente ou não, suas crenças tendem a ficar mais fortes.

"Esses resultados se encaixam na teoria de que o medo da morte leva as pessoas a defenderem suas próprias visões do mundo, religiosas ou não", disse Jamin Halberstadt, um dos responsáveis pelo estudo.

"Entretanto, quando estudamos os efeitos inconscientes, um resultado diferente emergiu. Enquanto os religiosos se mostraram mais 'crentes', os ateus ficaram menos 'confiantes'", afirma.

A fim de estudar o inconsciente dos participantes, os pesquisadores utilizaram algumas técnicas, dentre elas a velocidade com que negavam ou afirmavam a existência de Deus e/ou outras entidades religiosas. Depois de pensar sobre sua morte, os ateus demoraram mais antes de defender suas convicções.

"Isso pode ajudar a explicar porque a religião é uma característica tão persistente em nossa sociedade. O medo da morte é uma experiência humana universal, e as crenças religiosas parecem ter um importante papel psicológico nesse ponto. E como mostramos, as crenças operam tanto conscientemente quando inconscientemente, permitindo que mesmo os ateus tomem vantagem delas", concluiu Halberstadt.

E você acha que o medo da morte pode realmente interferir na crença ou não de uma pessoa?

Fonte: Hypescience

Crato (CE): Primeiros secretários já foram anunciados

O prefeito eleito do Crato, Ronaldo Gomes de Matos (PMDB), já começou a anunciar, mesmo de maneira informal, o primeiro escalão de seu governo.

O anúncio, entretanto, não abrange todas as secretarias. Pastas como Saúde, Ação Social, Cultura, Administração e a Sociedade Anônima de Água e Esgoto do Crato (Saaec) os nomes ainda não estão escolhidos.

Mas, quanto a essas pastas surgem apenas especulações. Uma das maiores dúvidas é com relação à Saaec autarquia municipal responsável pelos serviços de água e esgoto, que já viveu momentos críticos, mas hoje é superavitária.

A novidade do atual primeiro escalão para o próximo é que a Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude será dividida em três: uma para Cultura, outra para outra para Esporte e Juventude.

Além disso, o atual secretário da Infraestrutura do Município, José Muniz, continua no cargo após 1º de janeiro.

Ronaldo não informou quando irá indicar o resto dos nomes, mas se estima que até o final deste mês a equipe estará completa.

Tarso Araújo

Fonte: O Povo

Plantão Infotech: Pessoas que usam redes sociais tem mais chances de serem promovidas

Pelo menos isto é o que sugere uma pesquisa realizada pelo Google, segundo um levantamento, os usuários de redes sociais costumam ser bem sucedidos e satisfeitos no ambiente de trabalho, 86% dos entrevistados revelaram fazer uso de alguma rede como o Facebook, além de terem sido promovidos recentemente.

E não é só isso, ainda de acordo com a pesquisa, este tipo de profissional costuma ser mais otimista em âmbito profissional, já que destes, 72% acreditam que serão promovidos contra 39% dos não usuários que pensam da mesma maneira e 38% dos entrevistados que acessam redes sociais para o trabalho se dizem muito satisfeitos com o emprego, contra 18% dos que não utilizam.

Cerca de 60% das pessoas entrevistadas que gostam do seu emprego, afirmam que se utilizam das redes sociais como o Twitter e o Facebook no local de trabalho, dos que não tem acesso, apenas 42% deram a mesma resposta.

Isso nos faz acreditar que as empresas que possibilitam aos seus funcionários o acesso a internet, estão contribuindo para o seu próprio desenvolvimento, afinal quem não gosta de ver um funcionário otimista e motivado, além é claro de estar em vantagem em relação às concorrentes.

Fonte: Exame

Estudo aponta razão pelo qual os homens adormecem após o sexo

Não é novidade que, após o sexo, alguns homens acabam dormindo, enquanto suas parceiras ficam olhando para a parede. Mas agora parece que a ciência encontrou uma boa "desculpa".

O estudo verificou que, logo após o orgasmo, "o córtex cerebral se desliga imediatamente, o que causa uma invasão de substâncias químicas de indução do sono, como a serotonina".

Uma pesquisa realizada em 2005, concluiu também que "a corrida de sangue depois do clímax esgota a energia dos músculos, produtora de glicogênio. Como os homens geralmente têm maior densidade de massa muscular do que mulheres, ficam mais cansados após sexo".

"Os seres humanos são os únicos animais em que o sono e o sexo estão ligados e, por isso, há razões científicas do motivo pelo qual os homens se sentem cansados após o sexo", disse o Dr. Neil Stanley, um dos responsáveis pelo estudo e diretor da University of Surrey.

Fonte: Minilua

Caetano, Gilberto Gil e Ivete levam Grammy de melhor disco de MPB

O disco "Especial Ivete, Gil e Caetano" conquistou nesta quinta-feira (15) o prêmio de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira na 13ª edição do prêmio Grammy Latino. A cerimônia de entrega dos prêmios ocorre em Las Vegas, nos Estados Unidos.

O álbum aparece como candidato em cinco categorias, entre elas as de Melhor do Ano e Melhor Gravação - neste caso, com a canção "Atrás da Porta", interpretada por Ivete Sangalo.

"Músicas para Churrasco Vol.1", de Seu Jorge, obteve o Grammy Latino de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo.

"Celebracão & Sacrifício", de Beto Lee, venceu na categoria de Melhor Álbum de Rock, enquanto "Iluminado", de Dominguinhos, foi escolhido o Melhor Álbum de Música de Raiz.

O prêmio de música sertaneja foi para "Chitãozinho & Xororó 40 anos - Sinfônico". Houve empate na categoria de Melhor Álbum de Samba/Pagode - "Nosso samba tá na rua", de Beth Carvalho, e "Só danço samba ao vivo", de Emílio Santiago, dividiram o prêmio. O disco "Aline Barros e Cia 3 - Aline Barros" levou o Grammy de Melhor Álbum de Música Cristã.

Homenagem
Mais cedo, Caetano recebeu o prêmio de Personalidade do Ano 2012. Quem entregou a ele o fonógrafo dourado referente à homenagem foi a atriz Sonia Braga.

"Quero agradecer à Academia Latina de Gravação por tudo isso", disse ele, que teve algumas de suas canções interpretadas no palco.

A cantora mexicana Natalia Lafourcade e Alexandre Pires iniciaram a cerimônia com "Livros" e "Não enche". Na sequência, apresentaram-se Nelly Furtado ("Leãozinho"), Juanes ("Sampa"), Alejandro Sanz ("Força estranha"), Maria Gadú e Seu Jorge ("De noite na cama" e "Beleza pura").

Fonte: G1

Crato (CE): Acontece a 4ª edição da Guerrilha do Ato Dramático

Está sendo realizado até o próximo dia 25, a quarta edição da "Guerrilha do Ato Dramático Caririense". Ao todo, são mais de 20 grupos de teatro que estão se apresentando no Crato. Os espetáculos acontecem nas ruas, teatros, praças públicas ou em qualquer outro espaço que comporte os espectadores e os artistas. Este ano, a "Guerrilha" teve início no último dia 3.

Para os organizadores, o evento já está consolidado como sendo um das principais oportunidades para exibição dos trabalhos, como um mutirão de grupos regionais de dança, teatro e circo.

Fusão
Durante o período acontece uma fusão entre as companhias recém-criadas e as veteranas. Em cena, os artistas renovam o gosto pelas artes cênicas e oferecem à plateia uma diversidade de estéticas.

Este ano, a "Guerrilha" inaugurou concretamente o processo de intercâmbio com outras regiões do País. Dois dos espetáculos vieram de Fortaleza e de Serra Talhada, no interior de Pernambuco. Neste sentido, está sendo celebrado um ambiente de diálogo entre as experiências artísticas e o fortalecimento da circulação das apresentações, além do escoamento das produções. Devido ao grande número de inscrições para participar do movimento, foi necessária a criação de uma curadoria especial, que selecionou 23 das mais de 40 performances.

Estima-se que aproximadamente seis mil pessoas confiram as exibições. Nesta edição, os espetáculos que tiveram grande sucesso de público nos anos anteriores conseguiram garantir espaço, a exemplo da peça "Esperando comadre Diana", "A comedia da Maldição", "Caboré", "A donzela e o cangaceiro" e "As irmãs castanholas".

Perfil
O perfil do público que confere as peças é formado, geralmente, por estudantes, profissionais de artes cênicas, turistas e comunidade regional.

O movimento contempla os gêneros do drama, comédia, tragicomédia, dança e circo. Entretanto, a preferência dos espectadores é pelos gêneros da comédia e infantil.

A "Guerrilha" tem o diferencial de não ser apenas um evento limitado ao começo, meio e fim. Contudo, prima-se na sequência das produções das companhias regionais, que ao longo do ano realizam pesquisas e elaboram novas encenações.

Durante "A Guerrilha", os artistas trabalham em sistema de cooperativismo, onde cada companhia entra com sua obra como capital, fazendo jus a participação na renda da bilheteria.

Formato
Esse formato foi criado em função da ausência de patrocínios para os cachês. Atualmente, a principal dificuldade dos grupos culturais do Cariri ainda é a limitação de recursos para a elaboração das produções.

Devido ao processo eleitoral, que foi concluído recentemente e seguindo às reivindicações a nível nacional, os artistas que participam do ato estão defendendo a bandeira de criação de fundos municipais para a cultura, com destinação de 2% da arrecadação dos municípios e acesso democratizado pelas políticas de editais.

De acordo com o dramaturgo Cacá Araújo, "A Guerrilha" favorece o surgimento de atores locais, como ele próprio, Emanoel Nogueira e Joylson Kandhare, contribui para a educação e desenvolvimento cultural da população, gera novas demandas e por isso deve ser valorizado.

Segundo ele, os custos das produções são altos e em nenhuma ocasião a arrecadação da bilheteria supre os valores e com relação aos cachês pagos por instituições como o Centro Cultural Banco do Nordeste(CCBNB), Sesc e Dragão do Mar são ínfimos, segundo os organizadores.

Uma nova mudança na oferta do espetáculo surgiu a partir da insatisfação e cobrança do público quanto ao pequeno número de apresentações de artes visuais que aconteciam na região. Além disso, havia a recusa das participações de alguns grupos em grandes eventos da área que eram realizados. Assim, em sinal de protesto, ainda em 2009, os artistas reuniram-se para criar um movimento alternativo de afirmação que contemplasse o anseio popular por outras iniciativas artísticas.

"A Guerrilha do Ato Dramático Caririense", que é uma realização da Sociedade Cariri das Artes e Companhia de Teatro Brincante, em parceria com a Sociedade de Cultura Artística do Crato, tomou proporções maiores e hoje envolve mais de 300 atores, encenadores, produtores, dramaturgos e pesquisadores. A expectativa dos envolvidos é pela conquista de uma maior identificação do grande público e da afirmação da identidade cultural caririense.

Mais informações
Teatro Rachel de Queiroz
Rua Dom Quintino
Centro
Crato - CE
Telefone: (88) 3523.2168

YACANÃ NEPONUCENA
COLABORADORA 

Fonte: Diário do Nordeste

Conheça o pai da 'invenção' mais letal da história

Ele parece pequeno e inofensivo - branco e com apenas oito centímetros de tamanho. Mas o cigarro é visto como um dos grandes males da saúde pública e repudiado como poucos produtos.

Mas quem o inventou e como essa pessoa pode ser responsabilizada pelas inúmeras mortes provocadas pelo cigarro?

O cirurgião americano Alton Ochsner lembra que, quando ainda era estudante de medicina em 1919, sua turma foi chamada para assistir a uma autópsia de uma vítima de câncer de pulmão. Na época, a doença era tão rara que os estudantes acharam que não teriam outra chance de testemunhar algo parecido.

Quase um século depois, estima-se que 1,1 milhão de pessoas morram por ano da doença. Cerca de 85% dos casos são relacionados a apenas um fator: tabaco.

"O cigarro é o artefato mais mortal da história da civilização humana", diz Robert Proctor, da Universidade de Stanford. "Ele matou cerca de 100 milhões de pessoas no século 20."

Fenômeno
Jordan Goodman, autor do livro "Tabaco na História" disse que, como historiador, ele teve o cuidado de não apontar o dedo a nenhum indivíduo, "mas na história do tabaco eu me sinto confiante em dizer que James Buchanan Duke - conhecido como Buck Duke - foi responsável pelo fenômeno do século 20 conhecido como cigarro".

Em 1880, aos 24 anos, Duke entrou em um nicho da indústria do tabaco - os cigarros já enrolados. Uma equipe pequena de Durham, no Estado da Carolina do Norte, enrolava a mão os cigarros Duke of Durham.

Dois anos depois, Duke percebeu uma chance de ganhar dinheiro. Ele começou a trabalhar com um jovem mecânico chamado James Bonsack, que disse que poderia construir uma máquina para fabricar cigarros.

Duke estava convencido que as pessoas estariam dispostas a fumar os cigarros perfeitamente simétricos produzidos pela máquina. O equipamento revolucionou a indústria do tabaco.

"Trata-se, essencialmente, de um cigarro de tamanho enorme, cortado em comprimentos apropriados, por lâminas rotativas", diz Robert Proctor.

Mas, como as pontas ficavam abertas, o tabaco precisava ser umedecido, para ficar rígido, e não cair do cigarro. Isso era feito com ajuda de aditivos químicos, como glicerina, açúcar e melaço.

Mas esse não era o único desafio. Antigamente, as funcionárias enrolavam cerca de 200 cigarros por turno. A nova máquina produzia 120 mil cigarros por dia - um quinto do consumo de todos os Estados Unidos, na época.

"O problema é que ele era capaz de produzir muito mais cigarros do que conseguia vender", diz Goodman. "Ele precisava entender como conquistar esse mercado."

Marketing e publicidade
A resposta estava na publicidade e no marketing. Duke patrocinou corridas, distribuiu cigarros gratuitamente em concursos de beleza e colocou anúncios nas revistas da época.

Ele também percebeu que a inclusão de figurinhas colecionáveis nas carteiras de cigarro era tão importante quanto trabalhar na qualidade do produto. Em 1889, ele gastou US$ 800 mil em marketing (ou US$ 25 milhões, em valores de hoje em dia).

Bonsack ficou com a patente da máquina, mas, em gratidão ao apoio de Duke, deu 30% de desconto no seu aluguel ao industrial.

A vantagem competitiva - aliada à promoção vigorosa - foi fundamental para o sucesso de Duke. Como suspeitava, as pessoas gostavam dos cigarros feitos pela máquina. Eles tinham aparência mais moderna e higiênica. Uma das campanhas enfatizava o fato de que cigarros manuais eram feitos com contato da mão e da saliva de outras pessoas.

Mas, apesar de o número de fumantes ter quadruplicado nos 15 anos até 1900, o mercado ainda era um nicho, já que a maioria das pessoas mascava tabaco ou fumava usando cachimbos ou charutos.

Duke - que também era fumante - viu o potencial competitivo dos cigarros em relação aos demais produtos. Uma das vantagens era a facilidade para acendê-los, ao contrário dos cachimbos.

"O cigarro, realmente, era usado de forma diferente", diz Proctor. "E uma das grandes ironias é que os cigarros eram considerados mais seguros do que os charutos porque eram vistos como apenas 'pequenos charutinhos'."

Mas um elo direto com câncer de pulmão não foi encontrado até 1957 na Grã-Bretanha e 1964 nos Estados Unidos.

Os cigarros chegaram a ser promovidos como benéficos à saúde. Eles eram listados nas enciclopédias farmacêuticas até 1906 e indicados por médicos para casos de tosse, resfriado e tuberculose - uma doença que é agravada pelo fumo.

Moralidade
No começo dos anos 1900, houve um movimento antitabagismo, mas ele estava mais relacionado à moralidade do que à saúde.

O crescimento no número de crianças e mulheres fumantes era parte de um debate sobre o declínio moral da sociedade. Os cigarros foram proibidos em 16 Estados americanos entre 1890 e 1927.

A atenção de Duke voltou-se para o exterior. Em 1902, ele formou a empresa britânica British American Tobacco. As embalagens e o marketing foram ajustados para mercados consumidores diferentes, mas o produto era basicamente o mesmo.

"Para ele, todos os cigarros eram iguais. Toda a globalização que hoje nos é familiar, com marcas como McDonalds e Starbucks - tudo isso foi antecipado por Duke e seus cigarros."

A indústria do cigarro continua em expansão até hoje. Apesar de ela estar em queda em determinados países desenvolvidos, no mundo emergente, a demanda por cigarros cresce 3,4% por ano. Em números globais, a indústria ainda está crescendo.

A Organização Mundial da Saúde alerta que, caso não sejam adotadas medidas preventivas, 100 milhões de pessoas morrerão de doenças relacionadas ao tabaco nos próximos 30 anos - um número superior à soma de vítimas da Aids, tuberculose, acidentes de carros e suicídios.

Mas Buck Duke pode ser responsabilizado por isso? Afinal de contas, ninguém é obrigado a fumar.

Em um ensaio recente para a revista Tobacco Control, Robert Proctor argumenta que todos na indústria tabagista têm sua parcela de culpa.

"Nós temos que perceber que anúncios podem ser cancerígenos, junto com as lojas de conveniência e até farmácias que vendem cigarros. Os executivos que trabalham na indústria tabagista causam câncer, assim como os artistas que desenham as carteiras e as empresas de relações públicas e marketing que lidam com essas contas", diz Proctor.

Buck Duke morreu em 1925, antes da era dos grandes processos e da responsabilização do tabaco por doenças como câncer de pulmão.

"Eu não o culparia pelo [crescimento do] consumo de cigarros", diz Bob Durden, que é biógrafo do industrial. Ele aponta que Duke também foi responsável por ações positivas, como doações de mais de US$ 100 milhões para o Trinity College, na Carolina do Norte, que foi rebatizado de Duke University, em sua homenagem.

"Ele foi tanto um herói quanto um vilão ", diz Goodman. "Buck Duke é um herói em termos de sua compreensão do mercado e da psicologia humana, da formação de preço, da publicidade. Nesse sentido, ele não é vilão. Mas ele fez o mundo fumar cigarros. E os cigarros são o grande problema do século 20."

Fonte: UOL

O “mensalão” tucano - Por: Mino Carta

A mídia nativa entende que o processo do “mensalão” petista provou finalmente que a Justiça brasileira tarda, mas não falha. Tarda, sim, e a tal ponto que conseguiu antecipar o julgamento de José Dirceu e companhia a um escândalo bem anterior e de complexidade e gravidade bastante maiores. Falemos então daquilo que poderíamos definir genericamente como “mensalão” tucano. Trata-se de um compromisso de CartaCapital insistir para que, se for verdadeira a inauguração de um tempo novo e justo, também o pássaro incapaz de voar compareça ao banco dos réus.

A privataria. Não adianta denunciar os graúdos: a mídia nativa cuida de acobertá-los

Réu mais esperto, matreiro, duradouro. A tigrada atuou impune por uma temporada apinhada de oportunidades excelentes. Quem quiser puxar pela memória em uma sociedade deliberadamente desmemoriada, pode desatar o entrecho a partir do propósito exposto por Serjão Motta de assegurar o poder ao tucanato por 20 anos. Pelo menos. Cabem com folga no enredo desde a compra dos votos para a reeleição de Fernando Henrique Cardoso, até a fase das grandes privatizações na segunda metade da década de 90, bem como a fraude do Banestado, desenrolada entre 1996 e 2002.

Um best seller intitulado A Privataria Tucana expõe em detalhes, e com provas irrefutáveis, o processo criminoso da desestatização da telefonia e da energia elétrica. Letra morta o livro, publicado em 2011, e sem resultado a denúncia, feita muito antes, por CartaCapital, edição de 25 de novembro de 1998. Tivemos acesso então a grampos executados no BNDES, e logo nas capas estampávamos as frases de alguns envolvidos no episódio. Um exemplo apenas. Dizia Luiz Carlos Mendonça de Barros, presidente do banco, para André Lara Rezende: “Temos de fazer os italianos na marra, que estão com o Opportunity. Fala pro Pio (Borges) que vamos fechar daquele jeito que só nós sabemos fazer”.

Afirmavam os protagonistas do episódio que, caso fosse preciso para alcançar o resultado desejado, valeria usar “a bomba atômica”, ou seja, FHC, transformado em arma letal. Veja e Época foram o antídoto à nossa capa, divulgaram uma versão, editada no Planalto e bondosamente fornecida pelo ministro José Serra e pelo secretário da Presidência Eduardo Jorge. O arco-da-velha ficou rubro de vergonha, aposentadas as demais cores das quais costuma se servir.

Ah, o Opportunity de Daniel Dantas, sempre ele, onipresente, generoso na disposição de financiar a todos, sem contar a de enganar os tais italianos. Como não observar o perene envolvimento desse monumental vilão tão premiado por inúmeros privilégios? Várias perguntas temperam o guisado. Por que nunca foi aberto pelo mesmo Supremo que agora louvamos o disco rígido do Opportunity sequestrado pela PF por ocasião da Operação Chacal? Por que adernou miseravelmente a Operação Satiagraha? E por que Romeu Tuma Jr. saiu da Secretaria do Ministério da Justiça na gestão de  Tarso Genro? Tuma saberia demais? Nunca esquecerei uma frase que ouvi de Paulo Lacerda, quando diretor da PF, fim de 2005: “Se abrirem o disco rígido do Opportunity, a República acaba”. Qual República? A do Brasil, da nação brasileira? Ou de uma minoria dita impropriamente elite?

Daniel Dantas é poliédrico, polivalente, universal. E eis que está por trás de Marcos Valério, personagem central de dois “mensalões”. Nesta edição, Leandro Fortes tece a reportagem de capa em torno de Valério, figura que nem Hollywood conseguiria excogitar para um policial noir. Sua característica principal é a de se prestar a qualquer jogo desde que garanta retorno condizente. Vocação de sicário qualificado, servo de amos eventualmente díspares, Arlequim feroz pronto à pirueta mais sinistra. Não se surpreendam os leitores se a mídia nativa ainda lhe proporcionar um papel a favor da intriga falaciosa, da armação funesta, para o mal do País.

Pois é, hora do dilema. Ou há uma mudança positiva em andamento ou tudo não passa de palavras, palavras, palavras. Ao vento. É hora da Justiça? Prove-se, de direito e de fato. E me permito perguntar, in extremis: como vai acabar a CPI do Cachoeira? E qual será o destino de quem se mancomunou com o contraventor a fim de executar tarefas pretensamente jornalísticas, como a Veja e seu diretor da sucursal de Brasília, Policarpo Jr., uma revista e um profissional que desonram o jornalismo.

Mino Carta

Fonte: Carta Capital

ShareThis