Ao lado de Tico Santa Cruz, cratense "bate de frente" com Feliciano na Câmara

A cratense Marina Brito foi uma das líderes de um protesto na Comissão de Cultura da Câmara, que discutia o destino do Ministério da Cultura, na tarde da última terça-feira (24). Marina é natural do Distrito de Ponta da Serra, em Crato e, atualmente, reside em Fortaleza.

Os principais alvos de críticas do ato foram o deputado federal, Marco Feliciano (PSC) e o presidente interino, Michel Temer (PMDB). Feliciano foi hostilizado no momento em que entrou na sessão.

“Isso aqui não é cultura. Isso é baderna. Vocês querem falar comigo? Consigam primeiro os 400 mil votos que eu tive. Fui aqui ofendido, atentaram contra a minha honra. Por isso defendo uma CPI da Lei Rouanet”, declarou o parlamentar.

Após a declaração de Feliciano, Marina liderou um coro a favor da democracia e contra o novo governo. Na mesa, ela estava ao lado do cantor Tico Santa Cruz, além outros artistas e movimentos sociais.

“As políticas culturais brasileiras permaneciam em constante construção e elas foram usurpadas. Antes de tudo, não aceitamos governo golpistas, comandado por homens brancos, elitistas, fascistas, empresários e religiosos intolerantes com a diversidade”, criticou.

Rogério Brito

Fonte: Miséria

Curta nossa página no Facebook



Últimos dias para vacinação do rebanho contra a febre aftosa

Produtores rurais do Ceará e criadores de gado bovino e bubalino têm até o próximo dia 31 para adquirir a vacina contra a febre aftosa nas lojas credenciadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e cadastradas pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri).

A Campanha contra a febre aftosa teve início no último dia 02. Cada produtor deve adquirir a vacina, fazer a vacinação e declarar nos escritórios da Adagri, Ematerce ou Secretarias de Agricultura dos municípios, levando a nota da compra da vacina e a relação dos animais vacinados por faixa etária e sexo.

O presidente da Adagri, Augusto Júnior, alerta que o prazo está terminando. “A campanha vai até o dia 31 e não será prorrogada. Pedimos aos produtores cearenses que não deixem de vacinar seu rebanho, evitando a doença na propriedade e mantendo o estado do Ceará como zona livre de aftosa”, conclama.

O produtor que não realizar a vacinação no prazo determinado, terá que pagar uma multa de cerca de R$ 18,00 por cada animal não vacinado. “Nós não desejamos isso, os produtores são nossos parceiros, nossos amigos. Por isso, pedimos que todos colaborem”, acrescentou Júnior.

Para o coordenador estadual da vacinação, Joaquim Sampaio, a expectativa é que a imunização ultrapasse 95%. As vacinas estão disponíveis nas revendas de produtos veterinários e as declarações podem ser feitas nos escritórios da Adagri, Ematerce e Secretarias Municipais de Agricultura em diversas cidades do interior do Estado e em Fortaleza.

O presidente da Adagri, Augusto Júnior, lembra ainda que os produtores devem declarar o tamanho real do rebanho que possuem. “É importante também que nesse período os produtores declarem os animais que foram vendidos, os que nasceram e até os que já morreram, para atualizarem o cadastro”, orienta.

A vacinação é a garantia de que a febre aftosa não vai voltar ao Ceará e que os animais podem ser comercializados em todo o país, além da América Latina, Ásia e África. Atualmente o Ceará é zona livre de febre aftosa com vacinação.

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



Quem é você no WhatsApp? Veja se você se comporta assim em algum grupo

Quem está no WhatsApp, certamente participa de um grupo de família ou de amigos. Mas, independente da sua finalidade, há sempre umas figurinhas carimbadas, com personalidades sociais muito similares, que só mudam de nome e endereço. E que tal em vez de apontar o dedo para os outros, analisar qual dos perfis abaixo você mais se encaixa?

Despertador
Sempre tem aquele que acorda muito antes das galinhas que faz questão de mandar um "bom dia", mesmo sabendo que é o único acordado. Faz questão ainda de marcar as tardes com o "boa tarde" e as noites com o "boa noite". Seria o único com relógio em casa?

Torcedor
É aquele que só aparece quando o seu time ganhou ou para fazer piada dos adversários. O mesmo inclusive que parece tomar um chá de sumiço quando o seu clube perde e, principalmente, quando é eliminado do campeonato. Quanto senso esportivo!

Polêmico
Levantar polêmicas é sua principal característica. Não pode ver o grupo quietinho que já dispara "a arma". Adora discordar das pessoas, botar pilha nas discussões alheias e não se contenta com a calmaria. Cada barraco é um flash.

Certinho
Que "pra", que "bjs", que "sdd", que nada. Essa pessoa adora escrever tudo corretamente como manda a boa e velha Língua Portuguesa. Adora também usar palavras difíceis e nada usuais. Enriquece o vocabulário do WhastsApp, mas nem sempre é compreendido -- ou atendido pelo autocorretor.

Bilíngue
Este é aquele que adora inserir em suas frases expressões em outros idiomas. "No, thanks. Seria uma crise de identidade? Ou a necessidade de mostrar que sabe falar várias línguas?

Supersticioso
Adora espalhar aquelas correntes de internet por acreditar veementemente, por exemplo, que o "WhatsApp começará ser pago se você não compartilhar isso com tantas pessoas". Acredita em tudo que é espalhado na rede e faz questão de dar sequência aos boatos.

Otimista
Manda sempre uma mensagem motivacional para dar uma levantada no ânimo da galera e se dependesse dele, transformaria o grupo em um livro virtual de autoajuda, recheado de imagens de paisagens e animais fofos. Que lindo, não?

Exibicionista
Cada fala é uma selfie. Não perde a oportunidade de mandar uma foto sua para o grupo a espera de elogios, confetes e aplausos.

Baladeiro
É mais noturno e adora postar fotos de bebidas e mulheres/homens. Adoram contar vantagem e espalhar as suas aventuras. Algumas vezes (ou seria a maioria?) posta coisas sem sentido ou até nudes que o faz acordar com ressaca moral no dia seguinte.

Impróprio
Conteúdos pornográficos são com ele mesmo. A bibliografia é extensa e variada. Há sempre uma opção na manga para deixar os mais conservadores de boca aberta. Adoram chocar e causar, além de lotar a memória alheia.

Engraçadão
Piada sem graça é o seu maior forte. As risadas (kkks, hahahas e hehehes) só vem dele mesmo e, ainda assim, acredita ser o mais descolado e engraçado da turma. Será mesmo?

"Palmirinha"
Este adora comida, só pensa em comida e, se não bastasse, só posta comida. Cada garfada é um clique e uma foto no grupo. Sempre aparece nos momentos de maior fome da galera. Sacanagem, não?!

Mudo
Este parece um amigo fantasma. Nunca se manifesta, mas cuidado com ele. É um bom observador, acompanha cada passo do grupo

Carente
Não se sabe de onde tira tantas histórias para contar. Adora expor a própria vida e transforma o grupo do WhatsApp em seu diário digital. Não faz questão de esconder nem mesmo os detalhes mais picantes. Discrição... para que isso?

Perdido
Sempre chega ao fim do dia, sem a mínima vontade de ler o histórico das mensagens enviadas e, ainda assim, faz questão de estar a par de tudo que aconteceu. Vire e mexe manda piada repetida e dá respostas sem nexo ao que está sendo discutido.

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook



Nova Olinda (CE): Comitiva da Procuradoria-Geral de Justiça visita a Promotoria

O Procurador-Geral de Justiça do Ceará, Plácido Barroso Rios, a vice-procuradora-geral de Justiça e coordenadora da Procuradoria de Justiça dos Crimes contra a Administração Pública (PROCAP), Vanja Fontenele, a vice-corregedora-geral do MPCE, Suzanne Pompeu, e o coordenador do Núcleo de Segurança Institucional e Inteligência (NUSIT), Nelson Gesteira, estarão na próxima segunda-feira (30/05) em Nova Olinda prestando solidariedade ao promotor de Justiça titular da comarca, Daniel Ferreira de Lira, que sofreu ataque e ameaças no último dia 23.

A sede da Promotoria de Justiça, localizada no Fórum de Nova Olinda, foi alvo de arrombamento das portas, destruição de documentos e mensagens ameaçadoras ao promotor de Justiça. O promotor Daniel Lira vem combatendo à improbidade administrativa, obtendo como fruto dos trabalhos o afastamento do Prefeito local, Francisco Ronaldo Sampaio, e do chefe de gabinete do município pelo prazo de 120 dias, por suspeita de contratação da namorada do prefeito como funcionária "fantasma". Além dos crimes de improbidade, o promotor tem atuado no combate ao crime em geral, visto que a cidade é reconhecida pelos elevados índices de criminalidade relativas ao tráfico de drogas e armas.

Em Nova Olinda, a comitiva da Procuradoria-Geral de Justiça visitará o Fórum local e depois participará de um ato público no Centro de Eventos de Nova Olinda, às 11h30min, com a participação de representantes da Associação Cearense dos Magistrados (ACM) - desembargador Raimundo Nonato Silva Santos, juiz Mauro Feitosa e juiz Renato Esmeraldo, coordenador da ACM na Região do Cariri; e da Associação Cearense do Ministério Público (ACMP), Juliana Mota, representante dos promotores do Interior na ACMP. "Vamos aferir as consequências das ações danosas à Instituição, reforçando o trabalho do Ministério Público que vem sendo desenvolvido naquela comarca", afirma Plácido Rios.

Assessoria de Imprensa/MPCE

Curta nossa página no Facebook



Encontrada pela 1ª vez nos EUA bactéria multirresistente

Uma bactéria resistente a todo tipo de medicamento existente foi descoberta pela primeira vez nos Estados Unidos, gerando preocupação com o efeito cada vez menor dos antibióticos - informaram autoridades de Saúde americanas, nesta quinta-feira.

Uma cepa da bactéria E. coli resistente ao antibiótico de último recurso - a colistina - foi detectada em uma paciente com infecção urinária, de 49 anos, na Pensilvânia.

"É um velho antibiótico, mas era o único que restava para o que eu chamo de uma bactéria de pesadelo", afirmou o diretor dos Centros para o Controle e a Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, Thomas Frieden, referindo-se à família de bactérias conhecidas como Enterobactérias Resistentes a Carbapenemasas (ERC).

O gene mcr-1, que causa a resistência a antibióticos e foi descoberto recentemente, também foi encontrado na China e na Europa.

Sua aparição nos Estados Unidos pela primeira vez "anuncia a emergência de bactérias totalmente resistentes aos medicamentos", relata um informe sobre essa descoberta, publicado na revista Antimicrobial Agents and Chemotherapy, da Associação Americana de Microbiologia.

"Corremos o risco de nos encontrarmos em um mundo pós-antibióticos", comentou Frieden.

A colistina apareceu em 1959 para tratar de infecções causadas pelas bactérias E. coli, Salmonella e Acinetobacter. Elas podem causar pneumonias, ou graves infecções no sangue.

Nos anos 1980, deixou de ser usada para o tratamento de seres humanos, devido a sua alta toxicidade para os rins, mas é um remédio de uso corrente na pecuária - especialmente na China.

Voltou a ser usada, porém, como tratamento de último recurso em hospitais e clínicas, quando as bactérias começaram a desenvolver resistência a outros antibióticos mais modernos.

Fonte: Exame.com (Com AFP)

Curta nossa página no Facebook



Em novas gravações, Renan orienta defesa de Delcídio e chama Janot de “mau-caráter”

Gravação feita pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado mostra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), orientando, por meio de um intermediário chamado Wandemberg, o então senador Delcídio do Amaral (MS) a fazer sua defesa no Conselho de Ética. O áudio é de 24 de fevereiro, quando ainda não era público que Delcídio havia feito acordo de delação premiada. O novo teor foi divulgado pela repórter Camila Bomfim, no Jornal Hoje, da TV Globo.

O peemedebista diz, ainda, que é preciso que o presidente do Conselho de Ética, João Alberto Souza (PMDB-MA), peça diligências para não parecer que a investigação estava parada e sugere que o ex-petista escreva uma carta em tom humilde. “Fazer uma carta, submeter a várias pessoas, fazer uma coisa humilde… Que já pagou um preço pelo que fez, foi preso tantos dias… Família pagou… A mulher pagou…”

A relação entre Renan e Delcídio foi rompida após a divulgação do acordo de delação premiada, em que o ex-líder do governo aponta o peemedebista como um dos beneficiários do esquema de corrupção na Petrobras.

Em outra conversa, com o próprio Sérgio Machado, em 11 de março, Renan chama o procurador-geral da República, de “mau-caráter”, diz que ele faz tudo o que a força-tarefa da Lava Jato quer. “Mau-caráter! Mau-caráter! E faz tudo que essa força-tarefa (Lava Jato) quer.” Ainda segundo o senador, a força-tarefa e Janot se acham “os donos do mundo”.

Os dois ainda falam em  encontrar uma “fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla, para poder segurar esse pessoal”. Na sequência, Renan e Machado fazem críticas a vários políticos do PSDB e do DEM. Citam o senador Aécio Neves, presidente do PSDB; o líder do DEM na Câmara, deputado Pauderney Avelino (AM), e “Mendoncinha”, como é chamado o deputado licenciado Mendonça Filho (DEM-PE), atual ministro da Educação. Também são citados os senadores José Agripino (RN), presidente do DEM, Fernando Bezerra (PSB-PE) e José Serra (PSDB-SP), atual ministro das Relações Exteriores, além da presidente afastada Dilma Rousseff.

No diálogo, Renan concorda com Machado quando ele diz que Aécio é “vulnerável”, “vulnerabilíssimo”. Os dois também fazem menção de incluir José Agripino “na roda”. “Zé, nós combinamos de botá-lo na roda. Eu disse ao Aécio e ao Serra. Que no próximo encontro que a gente tiver tem que botar o Zé Agripino e o Fernando Bezerra. Eu acho”, diz Renan, sem especificar o que era tratado no encontro.

Em outro trecho, de 10 de março, Machado sugere que um grupo do PMDB se aproxime do relator da Lava Jato no Supremo, o ministro Teori Zavascki. Sarney cita o nome do ex-ministro do Supremo Tribunal de Justiça, Cesar Asfor Rocha, que, segundo o ex-presidente José Sarney, tem muita proximidade com Teori, e diz que vai conversar com ele sobre isso. Sarney, Renan e o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que deixou o Ministério da Previdência após 12 dias, foram alvo de gravações de Sérgio Machado. O ex-senador cearense utilizou as gravações para fazer acordo de delação premiada.

Veja a transcrição dos diálogos, segundo o Jornal Hoje:

Sobre Delcídio:

RENAN: O que que ele (Delcídio) tem que fazer… Fazer uma carta, submeter a várias pessoas, fazer uma coisa humilde… Que já pagou um preço pelo que fez, foi preso tantos dias… Família pagou… A mulher pagou…

WANDEMBERG: Ele (Delcídio) só vai entregar à comissão, fazer essa carta e vai embora.

RENAN: Conselho de ética. Falei agora com o João (João Alberto, presidente do Conselho de Ética). O João, ele fica lá ouvindo os caras… O Conselho de Ética não tem elementos para levar processo adiante. Também é ruim dizer que não vai levar o processo adiante. Então, o Conselho de Ética tem que requerer diligências requisição de peças e enquanto isso não chegar fica lá parado…

WANDEMBERG: (João Alberto) vai colocar em votação e vai ter uma derrota antecipada…

Sobre Janot, a força-tarefa da Lava Jato e políticos

SÉRGIO MACHADO: Agora esse Janot, Renan, é o maior mau caráter da face da terra.

RENAN: Mau caráter! Mau caráter! E faz tudo que essa força-tarefa (Lava jato) quer.

SÉRGIO MACHADO: É, ele não manda. E ele é mau caráter. E ele quer sair como herói. E tem que se encontrar uma fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla pra poder segurar esse pessoal (Lava Jato). Eles estão se achando o dono do mundo.

RENAN: Dono do mundo.

SÉRGIO MACHADO: E o PSDB pensava que não, mas o Aécio agora sabe. O Aécio, Renan, é o cara mais vulnerável do mundo.

RENAN: É…

SÉRGIO MACHADO: O Aécio é vulnerabilíssimo. Vulnerabilíssimo! Há muito tempo.

SÉRGIO MACHADO: Como que você tem cara de pau, Renan, aquele cara Pauderney que agora virou herói. Um cara mais corrupto que aquele não existe, Pauderney Avelino.

RENAN: Pauderney Avelino.

RENAN: Mendocinha.

SÉRGIO MACHADO: Mendocinha, todo mundo pô? Que *** é essa querer ser agora o dono da verdade?

SÉRGIO MACHADO: O Zé (Zé Agripino) é outro que pode ser parceiro, não é possível que ele vá fazer maluquice.

RENAN: O Zé, nós combinamos de botá-lo na roda. Eu disse ao Aécio e ao Serra. Que no próximo encontro que a gente tiver tem que botar o Zé Agripino e o Fernando Bezerra. Eu acho.

SÉRGIO MACHADO: O PSB virou uma oposição radical. O Zé não tem como não entrar na roda.

RENAN: O PSB quer o impeachment, mas o Fernando (Bezerra) é um cara bom.

SÉRGIO MACHADO: Porque também entende disso que a gente está falando.

RENAN: É.

SÉRGIO MACHADO: Porque tem que tomar cuidado porque esse *** desse Noblat [se referindo ao colunista Ricardo Noblat, do jornal "O Globo"] botou que essa coisa de tirar a Dilma é maneira de salvar os corruptos.

RENAN: Tirar a Dilma? Manter a Dilma?

SÉRGIO MACHADO: Tirar a Dilma. Que é um processo de salvação, de salvação.

RENAN: Que é a lógica que ela fez o tempo todo.

SÉRGIO MACHADO: É porque esse processo. Porque Renan vou dizer o seguinte: dos políticos do Congresso se “sobrar” cinco que não fez é muito. Governador nenhum. Não tem como, Renan.

RENAN: Não tem como sobreviver.

SÉRGIO MACHADO: Não tinha como sobreviver.

RENAN: Tem não.

SÉRGIO MACHADO: Não tem como sobreviver. Porque não é só, é a eleição e a manutenção toda do processo.

RENAN: É.

SÉRGIO MACHADO: O que eu quero conversar contigo… Ele não tem nada de você, nem de mim… O Janot é um **** da maior, da maior.

RENAN: Eu sei. Janot e aquele cara da… Força tarefa…

SÉRGIO MACHADO: Mas o Janot tem certeza que eu sou o caixa de vocês. Então o que ele quer fazer. Não encontrou nada e nem vai encontrar nada. Então quer me desvincular de você. (…) Ele acha que no Moro, o Moro vai me prender, e ai quebra a resistência e aí… Então a gente precisa ver, andei conversando com o presidente Sarney, como a gente encontra uma… Porque se me jogar lá embaixo eu estou ***.

RENAN: Isso não pode acontecer.

SÉRGIO MACHADO: Porque realmente se me jogarem para baixo, ai… Teori, ninguém consegue conversar.

Com Sarney sobre Teori

SARNEY: Você se dá com o Cesar. Cesar Rocha.

SÉRGIO MACHADO: Hum.

SARNEY: Cesar Rocha.

SÉRGIO MACHADO: Dou, mas o Cesar não tem acesso ao Teori, não. Tem?

SARNEY: Tem total acesso ao Teori. Muito, muito, muito, muito acesso, muito acesso. Eu preciso falar com Cesar. A única coisa com o Cesar, com o Teori é com o Cesar.

SARNEY: O Renan me fez uma lembrança que pode substituir o Cesar. O Ferrão é muito amigo do Teori.

RENAN: Tem que ser uma coisa confidencial.

SÉRGIO MACHADO: Só entre nós e o Ferrão.

SARNEY: Isso tem me preocupado muito porque eu sou o único que não tive num negócio desse, sou o único que não tive envolvido em nada. Vou me envolver num negócio desse.

SÉRGIO MACHADO: Claro que não, o que acontece é que a gente tem que encontrar, me ajudar a encontrar a solução.

SARNEY: Sem dúvida.

SÉRGIO MACHADO: No que depender de mim, nem se preocupe. Agora, eu preciso, se esse *** me botar preso 1 ano, 2 anos, onde é que vai parar?

SARNEY: Isso não vai acontecer. Nós não vamos deixar isso.

Fonte: Congresso em Foco

Curta nossa página no Facebook



Crato (CE): Sorteio eletrônico de mais 972 moradias do Programa ‘MCMV' é realizado

Mais de duas mil pessoas participaram, na noite desta quarta-feira (25), do sorteio de 982 moradias do Minha Casa, Minha Vida, do Conjunto Filemon Limaverde, em Crato. As casas devem estar sendo entregues aos moradores em agosto deste ano. O evento aconteceu no Ginásio Poliesportivo da Universidade Regional do Cariri (URCA), no Pimenta.

As vagas foram preenchidas mediante sorteio eletrônico, das 1.281 que atenderem aos critérios para a seleção. Aquelas que não estão entre as aptas a receber a moradia, passam a integrar um cadastro reserva, para os casos de desistência ou não estejam em todas as condições de cumprimento do contrato. São mais de R$ 100 milhões em investimentos do Governo Federal na cidade, para entrega do maior projeto habitacional já executado em Crato.

O sorteio eletrônico contou com a presença do prefeito do Município, Ronaldo Sampaio Gomes de Mattos, que desejou boa sorte aos presentes. Foram selecionados, inicialmente, 30 deficientes físicos e mais 30 idosos. Além dele, o evento contou com a Gerência Executiva de Habitação da CEF, o Secretário da Cidade, José Muniz, assistentes sociais que realizaram todo o processo de avaliação para a efetivação dos cadastros, entre outras autoridades.

O sonho de conseguir a casa própria causou ansiedade aos selecionados, que desde cedo começavam a chegar ao local do sorteio. As orientações foram repassadas pelos técnicos da CEF para anotarem, na medida que saísse no telão do sorteio, o lote e a quadra para localização das residências.

Crato tem redução no déficit habitacional de 30%
Com a conquista das novas moradias, o prefeito do Crato, que vem trabalhando há alguns anos pela efetivação do programa para a cidade, calcula uma redução no déficit habitacional de cerca de 30%. Conforme levantamento da Secretaria da Cidade, eram mais de 5 mil famílias sem a casa própria. Serão entregues nos próximos meses, pelo ‘Minha Casa, Minha Vida’, 1.578 unidades habitacionais, incluindo o conjunto Monsenhor Montenegro. As chaves de 596 casas estarão sendo entregues no próximo mês de junho, com data ainda a ser marcada.

O prefeito Ronaldo fez o anúncio da primeira pessoa beneficiada na noite de ontem, a aposentada Nadia Marques Santos. Ele destacou a grandiosidade do projeto para o Crato, e disse que essa conquista além de ser uma realização pessoal, é também, e principalmente, dos beneficiados, moradores de baixa renda que precisam desse apoio para ter a sua casa própria. Muitas pessoas se continham na hora do sorteio, e até choravam diante da conquista de uma vida, a exemplo da aposentada Maria Luiza Santos, da Vila Lobo. Aos 74 anos, conquista a sua primeira casa. “Estou muito feliz. Eu mereço”, completa.

O secretário da Cidade, José Muniz, lembra que os dois conjuntos foram iniciados na gestão do prefeito Ronaldo Gomes de Mattos. Ele destacou o esforço da administração na parceria com o Governo Federal para a efetivação da obra.

Assessoria de Imprensa/PMC

Curta nossa página no Facebook



Maior retrocesso da história, diz ex-ministro sobre medidas de Temer

O maior retrocesso da histórica recente do Brasil na saúde e na educação. Foi assim que o ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante qualificou as medidas econômicas e fiscais anunciadas nesta terça-feira (24) pelo presidente interino Michel Temer.

Mercadante foi ministro no governo da presidente afastada Dilma Rousseff e publicou um vídeo no perfil de Dilma no Facebook criticando as medidas do governo interino.

O ex-ministro afirma que o fim do valor mínimo de investimento em educação e saúde, como propõe a equipe de Temer, pode gerar perdas irreparáveis para as duas áreas, que ficariam muito precarizadas.

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook


Barbalha (CE): Programação da Festa de Santo Antônio inicia neste sábado (28)

Estará sendo concluída hoje em Barbalha a ornamentação da cidade para o início da Festa de Santo Antônio, que acontece no próximo domingo, com abertura oficial e cortejo do Pau da Bandeira e segue até 13 de junho. A expectativa de público para o evento é de mais de 300 mil pessoas, em virtude de, neste ano, a festa ser realizada com o reconhecimento de Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira, ocorrido após a votação do Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em setembro do ano passado.

Neste sábado, às 20h30, acontece a solenidade pública sobre o reconhecimento, além do lançamento da Escola de Artes e Saberes Contemporâneos de Barbalha. Na ocasião, será assinado o termo de comodato, por 10 anos, do Palácio 3 de Outubro, prédio tomado pelo Patrimônio Histórico do Estado do Ceará, onde estará funcionando a escola, que irá fortalecer ainda mais a cultura e a tradição local. A solenidade contará com a presença do governador do Estado, Camilo Santana, o prefeito local, José Leite, o secretário de Cultura, Antônio Luna, e representantes da Superintendência Estadual do Iphan.

Ainda no sábado, que acontece a Noite das Solteironas, com um casamento coletivo após a missa na Matriz de Santo Antônio, às 20 horas. Todo um esquema de segurança vem sendo fortalecido para a festa, com mais 200 homens da Polícia Militar e equipe contratada.

O Cortejo do Pau da Bandeira acontece no domingo, a partir do meio-dia, percorrendo 6km até a cidade. Este ano, haverá um cordão de isolamento, para proporcionar mais segurança aos carregadores e o público que acompanha o grupo. A previsão de chegada do Pau da Bandeira, uma rama branca de 25 metros e cerca de duas toneladas, será no final da tarde, quando será erguido o mastro da bandeira do Santo, que sinaliza o começo da festa, que acontece até o dia 13 de junho, Dia de Santo Antônio.

Cortejo dos Grupos de Tradição
O som dos pífanos e tambores começam logo cedo no domingo. Os grupos de tradição de reúnem em volta da igreja a partir das 6 horas para louvar o santo padroeiro, Antônio de Pádua. São mais de 60, que após a missa de abertura da festa, que acontece às 9 horas, saem em cotejo pelas ruas do Centro até o Largo do Rosário.  Além dos grupos tradicionais, seguem os parafolclóricos, com a participação de centena de brincantes.

Programação:

Sábado (28 /05)

20h00 - Missa na Matriz de Santo Antônio;

20h30 – Casamento coletivo na Matriz de Santo Antônio;

20h30 - Solenidade Pública do Reconhecimento pelo Iphan da Festa do Pau da Bandeira de Santo Antônio de Barbalha;

20h30 – Solenidade de lançamento da Escola de Artes e Saberes Contemporâneos de Barbalha, com Assinatura do Termo de Comodato;

10h00 - Noite das Solteironas – Shows dos cantores Leonardo de Luna e Ítalo Queiroz;

Domingo (29/05)

9h00– Missa de abertura da Festa de Santo Antônio, com a presença dos carregadores do Pau de Bandeira e grupos de tradição.

11h00 – Cortejo com os brincantes da Matriz ao Largo do Rosário;

12h00 – Saída do Pau da Bandeira do Sítio São Joaquim em direção à Matriz, num percurso de 6km.

Curta nossa página no Facebook



Alexandre Frota é recebido pelo ministro da Educação e causa revolta na web

Alexandre Frota participou, na tarde desta quarta (25), de uma reunião no Ministério da Educação, em Brasília, para discutir "algumas ideias para ajudar o país", declarou o ator em seu perfil no Instagram.

Frota publicou algumas imagens em que aparece ao lado do ministro da pasta, Mendonça Filho. "Agora no Ministério da Educação, onde o ministro nos recebeu para uma pauta colocada por nós", escreveu ele, que é membro do Revoltados Online, movimento a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

"Estive com o Ministro da Educação hoje e pude colocar algumas ideias para ajudar um país que eu amo", declarou Frota. Também esteve presente na reunião, que não constava na agenda oficial divulgada pelo MEC, Marcello Reis, fundador do coletivo. Horas após a publicação, o encontro foi confirmado pelo ministério.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o ator e membros do Revoltados Online afirmam que levaram a proposta de "tirar a doutrinação ideológica das escolas". O grupo não informou mais detalhes da proposta.

Em nota, o Ministério da Educação informa que o ministro Mendonça "tem como prática atender às solicitações de audiência, assim como dar retorno aos contatos recebidos". Segundo a pasta, o ator Alexandre Frota está em Brasília e ligou para fazer uma visita de cortesia. O ministro "o recebeu entre uma audiência e outra".

“Não discrimino ninguém, porque respeito a liberdade de cada pessoa fazer suas escolhas de vida. Conheci Frota no movimento pró-impeachment, assim como o pessoal do Revoltados Online. Não vejo problema em recebê-los para uma visita”, afirmou o ministro, em nota.

O nome do ator se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter, acompanhado de críticas ao encontro. Internautas ridicularizaram as supostas propostas que Frota teria apresentado para a educação, lembrando algumas frases célebres do ator.

Entre diversas piadas, o ator Zé de Abreu usou seu perfil na rede social para ironizar a reunião. "Chegamos à porno-educação", escreveu ele, que é declaradamente petista. Confira, abaixo, alguns comentários.

Após o encontro no MEC, Frota também chegou a anunciar, nas redes sociais, que seria recebido em uma agenda extraordinária no Ministério da Cultura. A pasta, no entanto, afirmou em nota que a "visita do ator Alexandre Frota não estava agendada e, portanto, não foi concretizada". "No momento, o ministro Marcelo Calero trabalha em agendas internas”, informou.

Fonte: F5/Folha.com

Curta nossa página no Facebook



Em conversa gravada, Renan defende mudar lei da delação premiada

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse em conversa gravada pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que apoia uma mudança na lei que trata da delação premiada de forma a impedir que um preso se torne delator -procedimento central utilizado pela Operação Lava Jato.

Renan sugeriu que, após enfrentar esse assunto, também poderia "negociar" com membros do STF (Supremo Tribunal Federal) "a transição" de Dilma Rousseff, presidente hoje afastada.

Machado e Renan são alvos da Lava Jato. Desde março, temendo ser preso, Machado gravou pelo menos duas conversas entre ambos. A reportagem obteve os áudios. Machado negocia um acordo de delação premiada.

Ele também gravou o senador Romero Jucá (PMDB-RR), empossado ministro do Planejamento no governo Michel Temer. A revelação das conversas pela Folha na segunda (23) levou à exoneração de Jucá.

Em um dos diálogos com Renan, Machado sugeriu "um pacto", que seria "passar uma borracha no Brasil". Renan responde: "antes de passar a borracha, precisa fazer três coisas, que alguns do Supremo [inaudível] fazer. Primeiro, não pode fazer delação premiada preso. Primeira coisa. Porque aí você regulamenta a delação".

A mudança defendida pelo peemedebista, se efetivada, poderia beneficiar Machado. Ele procurou Jucá, Renan e o ex-presidente José Sarney (PMDB) porque temia ser preso e virar réu colaborador.

"Ele está querendo me seduzir, porra. [...] Mandando recado", disse Machado a Renan em referência ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Renan, na conversa, também ataca decisão do STF tomada ano passado, de manter uma pessoa presa após a sua segunda condenação.

O presidente do Senado também fala em negociar a transição com membros do STF, embora o áudio não permita estabelecer com precisão o que ele pretende.

Machado, para quem os ministros "têm que estar juntos", quis saber por que Dilma não "negocia" com os membros do Supremo. Renan respondeu: "Porque todos estão putos com ela".

Para Renan, os políticos todos "estão com medo" da Lava Jato. "Aécio [Neves, presidente do PSDB] está com medo. [me procurou] 'Renan, queria que você visse para mim esse negócio do Delcídio, se tem mais alguma coisa'", contou Renan, em referência à delação de Delcídio do Amaral (ex-PT-MS), que fazia citação ao tucano.

Renan disse que uma delação da empreiteira Odebrecht "vai mostrar as contas", em provável referência à campanha eleitoral de Dilma. Machado respondeu que "não escapa ninguém de nenhum partido". "Do Congresso, se sobrar cinco ou seis, é muito. Governador, nenhum."

O peemedebista manifestou contrariedade ao saber, pelo senador Jader Barbalho (PMDB-PA), que o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), esteve com Michel Temer em março.

Em dois pontos das conversas, Renan e Machado falam sobre contatos do senador e de Dilma com a mídia, citando o diretor de Redação da Folha, Otavio Frias Filho, e o vice-presidente Institucional e Editorial do Grupo Globo, João Roberto Marinho. Renan diz que Frias reconheceu "exageros" na cobertura da Lava Jato e diz que Marinho afirmou a Dilma que havia um "efeito manada" contra seu governo.

Outro lado
Por meio de sua assessoria, o presidente do Senado informou que os "diálogos não revelam, não indicam, nem sugerem qualquer menção ou tentativa de interferir na Lava Jato ou soluções anômalas. E não seria o caso porque nada vai interferir nas investigações."

Segundo a assessoria, "todas as opiniões do senador foram publicamente noticiadas pelos veículos de comunicação, como as críticas ao ex-presidente da Câmara, a possibilidade de alterar a lei de delações para, por exemplo, agravar as penas de delações não confirmadas e as notícias sobre delações de empreiteiras foram fartamente veiculadas".

"Em relação ao senador Aécio Neves, o senador Renan Calheiros se desculpa porque se expressou inadequadamente. Ele se referia a um contato do senador mineiro que expressava indignação –e não medo– com a citação do ex-senador Delcídio do Amaral."

A nota diz ainda que "o senador Renan Calheiros tem por hábito receber todos aqueles que o procuram. Nas conversas que mantém habitualmente defende com frequência pontos de vista e impressões sobre o quadro. Todas os pontos de vista, evidentemente, dentro da Lei e da Constituição".

A assessoria do STF informou que o presidente do tribunal, Ricardo Lewandowski, "jamais manteve conversas sobre supostas 'transição' ou 'mudanças na legislação penal' com as pessoas citadas", isto é, Renan Calheiros e Sérgio Machado.

Segundo a nota, o STF "mantém relacionamento institucional com os demais Poderes" e o ministro Lewandowski "participou de diversos encontros, constantes de agenda pública, com integrantes do Poder Executivo para tratar do Orçamento do Judiciário e do reajuste dos salários de servidores e magistrados".

Também por meio de nota, a Executiva Nacional do PSDB informou que vai "acionar na Justiça" o ex-presidente da Transpetro. A sigla diz ser "inaceitável essa reiterada tentativa de acusar sem provas em busca de conseguir benefícios de uma delação premiada".

"Fica cada vez mais clara a tentativa deliberada e criminosa do senhor Sérgio Machado de envolver em suspeições o PSDB e o nome do senador Aécio Neves, em especial, sem apontar um único fato que as justifique. As gravações se limitam a reproduzir comentários feitos pelo próprio autor, com o objetivo específico de serem gravados e divulgados."

"Sobre a referência ao diálogo entre os senadores Aécio Neves e Renan Calheiros, o senador Aécio manifestou a ele o que já havia manifestado publicamente inúmeras vezes: a sua indignação com as falsas citações feitas ao seu nome."

Sérgio Machado não é localizado desde a semana passada.

Leia trechos dos diálogos

Primeira conversa:

SÉRGIO MACHADO - Agora, Renan, a situação tá grave.

RENAN CALHEIROS - Grave e vai complicar. Porque Andrade fazer [delação], Odebrecht, OAS. [falando a outra pessoa, pede para ser feito um telefonema a um jornalista]

MACHADO - Todos vão fazer.

RENAN - Todos vão fazer.

MACHADO - E essa é a preocupação. Porque é o seguinte, ela [Dilma] não se sustenta mais. Ela tem três saídas. A mais simples seria ela pedir licença...

RENAN - Eu tive essa conversa com ela.

MACHADO - Ela continuar presidente, o Michel assumiria e garantiria ela e o Lula, fazia um grande acordo. Ela tem três saídas: licença, renúncia ou impeachment. E vai ser rápido. A mais segura para ela é pedir licença e continuar presidente. Se ela continuar presidente, o Michel não é um sacana...

RENAN - A melhor solução para ela é um acordo que a turma topa. Não com ela. A negociação é botar, é fazer o parlamentarismo e fazer o plebiscito, se o Supremo permitir, daqui a três anos. Aí prepara a eleição, mantém a eleição, presidente com nova...

[atende um telefonema com um jornalista]

RENAN - A perspectiva é daquele nosso amigo.

MACHADO - Meu amigo, então é isso, você tem trinta dias para resolver essa crise, não tem mais do que isso. A economia não se sustenta mais, está explodindo...

RENAN - Queres que eu faça uma avaliação verdadeira? Não acredito em 30 dias, não. Porque se a Odebrecht fala e essa mulher do João Santana fala, que é o que está posto...

[apresenta um secretário de governo de Alagoas]

MACHADO - O Janot é um filho da puta da maior, da maior...

RENAN - O Janot... [inaudível]

MACHADO - O Janot tem certeza que eu sou o caixa de vocês. Então o que que ele quer fazer? Ele não encontrou nada nem vai encontrar nada. Então ele quer me desvincular de vocês, mediante Ricardo e mediante e mediante do Paulo Roberto, dos 500 [mil reais], e me jogar para o Moro. E aí ele acha que o Moro, o Moro vai me mandar prender, aí quebra a resistência e aí fodeu. Então a gente de precisa [inaudível] presidente Sarney ter de encontro... Porque se me jogar lá embaixo, eu estou fodido. E aí fica uma coisa... E isso não é análise, ele está insinuando para pessoas que eu devo fazer [delação], aquela coisa toda... E isso não dá, isso quebra tudo isso que está sendo feito.

RENAN - [inaudível]

MACHADO - Renan, esse cara é mau, é mau, é mau. Agora, tem que administrar isso direito. Inclusive eu estou aqui desde ontem... Tem que ter uma ideia de como vai ser. Porque se esse vagabundo jogar lá embaixo, aí é uma merda. Queria ver se fazia uma conversa, vocês, que alternativa teria, porque aí eu me fodo.

RENAN - Sarney.

MACHADO - Sarney, fazer uma conversa particular. Com Romero, sei lá. E ver o que sai disso. Eu estou aqui para esperar vocês para poder ver, agora, é um vagabundo. Ele não tem nada contra você nem contra mim.

RENAN - Me disse [inaudível] 'ó, se o Renan tiver feito alguma coisa, que não sei, mas esse cara, porra, é um gênio. Porque nós não achamos nada.'

MACHADO - E já procuraram tudo.

RENAN - Tudo.

MACHADO - E não tem. Se tivesse alguma coisa contra você, já tinha jogado... E se tivesse coisa contra mim [inaudível]. A pressão que ele quer usar, que está insinuando, é que...

RENAN - Usou todo mundo.

MACHADO -...está dando prazos etc é que vai me apartar de vocês. Mesma coisa, já deu sinal com a filha do Eduardo e a mulher... Aquele negócio da filha do Eduardo, a porra da menina não tem nada, Renan, inclusive falsificaram o documento dela. Ela só é usuária de um cartão de crédito. E esse é o caminho [inaudível] das delações. Então precisa ser feito algo no Brasil para poder mudar jogo porque ninguém vai aguentar. Delcídio vai dizer alguma coisa de você?

RENAN - Deus me livre, Delcídio é o mais perigoso do mundo. O acordo [inaudível] era para ele gravar a gente, eu acho, fazer aquele negócio que o J Hawilla fez.

MACHADO - Que filho da puta, rapaz.

RENAN - É um rebotalho de gente.

MACHADO - E vocês trabalhando para poder salvar ele.

RENAN - [Mudando de assunto] Bom, isso aí então tem que conversar com o Sarney, com o teu advogado, que é muito bom. [inaudível] na delação.

MACHADO - Advogado não resolve isso.

RENAN - Traçar estratégia. [inaudível]

MACHADO - [inaudível] quanto a isso aí só tem estratégia política, o que se pode fazer.

RENAN - [inaudível] advogado, conversar, né, para agir judicialmente.

MACHADO - Como é que você sugeriria, daqui eu vou passar na casa do presidente Sarney.

RENAN - [inaudível]

MACHADO - Onde?

RENAN - Lá, ou na casa do Romero.

MACHADO - Na casa do Romero. Tá certo. Que horas mais ou menos?

RENAN - Não, a hora que você quiser eu vou estar por aqui, eu não vou sair não, eu vou só mais tarde vou encontrar o Michel.

MACHADO - Michel, como é que está, como é que está tua relação com o Michel?

RENAN - Michel, eu disse pra ele, tem que sumir, rapaz. Nós estamos apoiando ele, porque não é interessante brigar. Mas ele errou muito, negócio de Eduardo Cunha... O Jader me reclamou aqui, ele foi lá na casa dele e ele estava lá o Eduardo Cunha. Aí o Jader disse, 'porra, também é demais, né'.

MACHADO - Renan, não sei se tu viu, um material que saiu na quinta ou sexta-feira, no UOL, um jornalista aqui, dizendo que quinta-feira tinha viajado às pressas...

RENAN - É, sacanagem.

MACHADO - Tu viu?

RENAN - Vi.

MACHADO - E que estava sendo montada operação no Nordeste com Polícia Federal, o caralho, na quinta-feira.

RENAN - Eu vi.

MACHADO - Então, meu amigo, a gente tem que pensar como é que encontra uma saída para isso aí, porque isso aí...

RENAN - Porque não...

MACHADO - Renan, só se fosse imbecil. Como é que tu vai sentar numa mesa para negociar e diz que está ameaçado de preso, pô? Só quem não te conhece. É um imbecil.

RENAN - Tem que ter um fato contra mim.

MACHADO - Mas mesmo que tivesse, você não ia dizer, porra, não ia se fragilizar, não é imbecil. Agora, a Globo passou de qualquer limite, Renan.

RENAN - Eu marquei para segunda-feira uma conversa inicial com [inaudível] para marcar... Ela me disse que a conversa dela com João Roberto [Marinho] foi desastrosa. Ele disse para ela... Ela reclamou. Ele disse para ela que não tinha como influir. Ela disse que tinha como influir, porque ele influiu em situações semelhantes, o que é verdade. E ele disse que está acontecendo um efeito manada no Brasil contra o governo.

MACHADO - Tá mesmo. Ela acabou. E o Lula, como foi a conversa com o Lula?

RENAN - O Lula está consciente, o Lula disse, acha que a qualquer momento pode ser preso. Acho até que ele sabia desse pedido de prisão lá...

MACHADO - E ele estava, está disposto a assumir o governo?

RENAN - Aí eu defendi, me perguntou, me chamou num canto. Eu acho que essa hipótese, eu disse a ele, tem que ser guardada, não pode falar nisso. Porque se houver um quadro, que é pior que há, de radicalização institucional, e ela resolva ficar, para guerra...

MACHADO - Ela não tem força, Renan.

RENAN - Mas aí, nesse caso, ela tem que se ancorar nele. Que é para ir para lá e montar um governo. Esse aí é o parlamentarismo sem o Lula, é o branco, entendeu?

MACHADO - Mas, Renan, com as informações que você tem, que a Odebrecht vai tacar tiro no peito dela, não tem mais jeito.

RENAN - Tem não, porque vai mostrar as contas. E a mulher é [inaudível].

MACHADO - Acabou, não tem mais jeito. Então a melhor solução para ela, não sei quem podia dizer, é renunciar ou pedir licença.

RENAN - Isso [inaudível]. Ela avaliou esse cenário todo. Não deixei ela falar sobre a renúncia. Primeiro cenário, a coisa da renúncia. Aí ela, aí quando ela foi falar, eu disse, 'não fale não, pelo que conheço, a senhora prefere morrer'. Coisa que é para deixar a pessoa... Aí vai: impeachment. 'Eu sinceramente acho que vai ser traumático. O PT vai ser desaparelhado do poder'.

MACHADO - E o PT, com esse negócio do Lula, a militância reacendeu.

RENAN - Reacendeu. Aí tudo mundo, legalista... Que aí não entra só o petista, entra o legalista. Ontem o Cassio falou.

MACHADO - É o seguinte, o PSDB, eu tenho a informação, se convenceu de que eles é o próximo da vez.

RENAN - [concordando] Não, o Aécio disse isso lá. Que eu sou a esperança única que eles têm de alguém para fazer o...

MACHADO - [Interrompendo] O Cunha, o Cunha. O Supremo. Fazer um pacto de Caxias, vamos passar uma borracha no Brasil e vamos daqui para a frente. Ninguém mexeu com isso. E esses caras do...

RENAN - Antes de passar a borracha, precisa fazer três coisas, que alguns do Supremo [inaudível] fazer. Primeiro, não pode fazer delação premiada preso. Primeira coisa. Porque aí você regulamenta a delação e estabelece isso.

MACHADO - Acaba com esse negócio da segunda instância, que está apavorando todo mundo.

RENAN - A lei diz que não pode prender depois da segunda instância, e ele aí dá uma decisão, interpreta isso e acaba isso.

MACHADO - Acaba isso.

RENAN - E, em segundo lugar, negocia a transição com eles [ministros do STF].

MACHADO - Com eles, eles têm que estar juntos. E eles não negociam com ela.

RENAN - Não negociam porque todos estão putos com ela. Ela me disse e é verdade mesmo, nessa crise toda –estavam dizendo que ela estava abatida, ela não está abatida, ela tem uma bravura pessoal que é uma coisa inacreditável, ela está gripada, muito gripada– aí ela disse: 'Renan, eu recebi aqui o Lewandowski, querendo conversar um pouco sobre uma saída para o Brasil, sobre as dificuldades, sobre a necessidade de conter o Supremo como guardião da Constituição. O Lewandowski só veio falar de aumento, isso é uma coisa inacreditável'.

MACHADO - Eu nunca vi um Supremo tão merda, e o novo Supremo, com essa mulher, vai ser pior ainda. [...]

MACHADO - [...] Como é que uma presidente não tem um plano B nem C? Ela baixou a guarda. [inaudível]

RENAN - Estamos perdendo a condição política. Todo mundo.

MACHADO - [inaudível] com Aécio. Você está com a bola na mão. O Michel é o elemento número um dessa solução, a meu ver. Com todos os defeitos que ele tem.

RENAN - Primeiro eu disse a ele, 'Michel, você tem que ficar calado, não fala, não fala'.

MACHADO - [inaudível] Negócio do partido.

RENAN - Foi, foi [inaudível] brigar, né.

MACHADO - A bola está no seu colo. Não tem um cara na República mais importante que você hoje. Porque você tem trânsito com todo mundo. Essa tua conversa com o PSDB, tu ganhou uma força que tu não tinha. Então [inaudível] para salvar o Brasil. E esse negócio só salva se botar todo mundo. Porque deixar esse Moro do jeito que ele está, disposto como ele está, com 18% de popularidade de pesquisa, vai dar merda. Isso que você diz, se for ruptura, vai ter conflito social. Vai morrer gente.

RENAN - Vai, vai. E aí tem que botar o Lula. Porque é a intuição dele...

MACHADO - Aí o Lula tem que assumir a Casa Civil e ser o primeiro ministro, esse é o governo. Ela não tem mais condição, Renan, não tem condição de nada. Agora, quem vai botar esse guizo nela?

RENAN - Não, [com] ela eu converso, quem conversa com ela sou eu, rapaz.

MACHADO - Seguinte, vou fazer o seguinte, vou passar no presidente, peço para ele marcar um horário na casa do Romero.

RENAN - Ou na casa dele. Na casa dele chega muita gente também.

MACHADO - É, no Romero chega menos gente.

RENAN - Menos gente.

MACHADO - Então marco no Romero e encontra nós três. Pronto, acabou. [levanta-se e começam a se despedir] Amigo, não perca essa bola, está no seu colo. Só tem você hoje. [caminhando] Caiu no seu colo e você é um cara predestinado. Aqui não é dedução não, é informação. Ele está querendo me seduzir, porra.

RENAN - Eu sei, eu sei. Ele quem?

MACHADO - O bicho daqui, o Janot.

RENAN - Mandando recado?

MACHADO - Mandando recado.

RENAN - Isso é?

MACHADO - É... Porra. É coisa que tem que conversar com muita habilidade para não chegar lá.

RENAN - É. É.

MACHADO - Falando em prazo... [se despedem]

Segunda conversa:

MACHADO - [...] A meu ver, a grande chance, Renan, que a gente tem, é correr com aquele semi-parlamentarismo...

RENAN - Eu também acho.

MACHADO -...paralelo, não importa com o impeach... Com o impeachment de um lado e o semi-parlamentarismo do outro.

RENAN - Até se não dá em nada, dá no impeachment.

MACHADO - Dá no impeachment.

RENAN - É plano A e plano B.

MACHADO - Por ser semi-parlamentarismo já gera para a sociedade essa expectativa [inaudível]. E no bojo do semi-parlamentarismo fazer uma ampla negociação para [inaudível].

RENAN - Mas o que precisa fazer, só precisa três três coisas: reforma política, naqueles dois pontos, o fim da proibição...

MACHADO - [Interrompendo] São cinco pontos:

[...]

RENAN - O voto em lista é importante. [inaudível] Só pode fazer delação... Só pode solto, não pode preso. Isso é uma maneira e toda a sociedade compreende que isso é uma tortura.

MACHADO - Outra coisa, essa cagada que os procuradores fizeram, o jogo virou um pouco em termos de responsabilidade [...]. Qual a importância do PSDB... O PSDB teve uma posição já mais racional. Agora, ela [Dilma] não tem mais solução, Renan, ela é uma doença terminal e não tem capacidade de renunciar a nada. [inaudível]

[...]

MACHADO - Me disseram que vai. Dentro da leniência botaram outras pessoas, executivos para falar. Agora, meu trato com essas empresas, Renan, é com os donos. Quer dizer, se botarem, vai dar uma merda geral, eu nunca falei com executivo.

RENAN - Não vão botar, não. [inaudível] E da leniência, detalhar mais. A leniência não está clara ainda, é uma das coisas que tem que entrar na...

MACHADO -...No pacote.

RENAN - No pacote.

MACHADO - E tem que encontrar, Renan, como foi feito na Anistia, com os militares, um processo que diz assim: 'Vamos passar o Brasil a limpo, daqui para frente é assim, pra trás...' [bate palmas] Porque senão esse pessoal vão ficar eternamente com uma espada na cabeça, não importa o governo, tudo é igual.

RENAN - [concordando] Não, todo mundo quer apertar. É para me deixar prisioneiro trabalhando. Eu estava reclamando aqui.

MACHADO - Todos os dias.

RENAN - Toda hora, eu não consigo mais cuidar de nada.

[...]

MACHADO - E tá todo mundo sentindo um aperto nos ombros. Está todo mundo sentindo um aperto nos ombros.

RENAN - E tudo com medo.

MACHADO - Renan, não sobra ninguém, Renan!

RENAN - Aécio está com medo. [me procurou] 'Renan, queria que você visse para mim esse negócio do Delcídio, se tem mais alguma coisa.'

MACHADO - Renan, eu fui do PSDB dez anos, Renan. Não sobra ninguém, Renan.

[...]

MACHADO - Não dá pra ficar como está, precisa encontrar uma solução, porque se não vai todo mundo... Moeda de troca é preservar o governo [inaudível].

RENAN - [inaudível] sexta-feira. Conversa muito ruim, a conversa com a menina da Folha... Otavinho [a conversa] foi muito melhor. Otavinho reconheceu que tem exageros, eles próprios tem cometido exageros e o João [provável referência a João Roberto Marinho] com aquela conversa de sempre, que não manda. [...] Ela [Dilma] disse a ele 'João, vocês tratam diferentemente de casos iguais. Nós temos vários indicativos'. E ele dizendo 'isso virou uma manada, uma manada, está todo mundo contra o governo.'

MACHADO - Efeito manada.

RENAN - Efeito manada. Quer dizer, uma maneira sutil de dizer "acabou", né. 

Fonte: Folha.com

Curta nossa página no Facebook



Tênis do tipo pisca-pisca explode e fica completamente destruído

Pense no susto que um casal do Texas, nos Estados Unidos, levou depois que um tênis pisca-pisca explodiu dentro do carro da família. Eles encontraram a parte do banco traseiro do veículo em chamas e lá estava o calçado, que pertencia ao filho de apenas dois anos, completamente destruído. Ao que tudo indica, o incêndio teria começado depois que o tênis ficou exposto a calor extremo.

“Eu apenas agradeço que o meu filho não estava usando os tênis no momento. Não sei se ele seria capaz de me dizer que os pés estavam esquentando e não acho que ele conseguiria tirar o sapato sozinho”, disse Jovan Virag, mãe da criança, em entrevista ao Khou News.

Uma equipe de televisão norte-americana levou um tênis idêntico a um especialista para apurar mais detalhes do incidente. De acordo com Cam Cope, presidente da Auto Fire, que é uma empresa especialista em investigação de acidentes, o calçado teria energia suficiente para iniciar um incêndio. A fiação curta usada por esse tipo de tênis fabricado na China seria a principal causa. “Quanto menor o fio, maiores são as chances de se ter problemas”, explicou.

A Payless, empresa que comercializava o calçado, tirou o produto do seu site e disse em nota que já está em contato com a família e autoridades competentes para entender melhor o que teria causado o incêndio.

Fonte: Blog O Viral (Com informações da revista Crescer)

Curta nossa página no Facebook



Ampliado em 43% o recurso da transposição do rio São Francisco

O anúncio de que serão elevados em 43% os pagamentos para as empresas executoras da obras de Transposição do Rio São Francisco foi recebido com alívio pelo governo do Estado. É que além de não haver descontinuidade no desembolso, o que não ocorreu até o momento, o maior aporte poderá garantir aceleração de serviços no Ceará, como a conclusão de barragens em Mauriti e Brejo Santo.

O anúncio foi divulgado, ontem, pelo Ministério da Integração Nacional. O ministro Hélder Barbalho informou que os pagamentos para as obras do Projeto de serão elevados da média mensal de R$ 150 milhões para até R$ 215 milhões.

Para o titular da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Francisco Teixeira, a notícia, caso seja confirmada, no atual quadro, é alvissareira, porque atende, especialmente, o eixo Leste, abrangendo o agreste de Pernambuco e a Paraíba, mas também pode representar na aceleração de obras no Eixo Norte, onde o Ceará está situado, beneficiando, sobretudo, a conclusão das barragens que ainda faltam dentro da estrutura do projeto.

Cronograma
No Estado, foi prevista a construção de seis barragens para captar as águas do São Francisco. Desse total, apenas duas, em Jati, estão concluídas. As demais poderão ter o ritmo acelerado.

Para Teixeira, por não haver atraso no desembolso do pagamento, tem sido possível estabelecer um cronograma de que as águas chegarão ao Ceará até dezembro, mesmo com o desembolso mensal de R$ 150 milhões, como vem ocorrendo na atualidade.

O secretário explicou que a vantagem seria na distribuição por Mauriti e Brejo Santo, que ganharia um impulso maior com a conclusão dos demais reservatórios. "No momento, as obras no Ceará estão dentro do ritmo normal", observa.

Teixeira reiterou que, ao contar com águas do São Francisco ainda no fim deste ano, há uma maior segurança hídrica, uma vez que a preocupação maior será com 2017, que se iniciará com os açudes cearenses somando cerca de 13% da sua capacidade.

Defasagem
Atualmente, os maiores reservatórios do Estado, respectivamente, o Castanhão com 9% e o Orós com 30%, causam apreensão ao gestor, com a indefinição do ciclo de chuvas para o próximo ano. Ele disse que haverá uma captação maior de água do Orós, diante da vulnerabilidade do Castanhão.

"As obras de transposição são de uma importância vital para o Ceará e para outros Estados do Nordeste. A decisão de aumentar o desembolso aumenta nossa esperança de que a obra beneficie o Ceará ainda em dezembro deste ano", ressaltou Teixeira.

A decisão foi tomada após uma rodada de reuniões, na terça-feira, com representantes das prestadoras de serviço responsáveis pelas obras civis e elétricas do Projeto.

Segundo o ministro, a ampliação dos repasses garante que o empreendimento esteja concluído até o fim deste ano, com o compromisso das construtoras de elevarem a produtividade ao seu limite máximo. O objetivo é manter o cronograma acordado com o Ministério da Integração Nacional.

"Sinalizamos a todas as empresas que elas estão autorizadas a ampliar o seu campo de serviços para cumprir o cronograma das obras. Queremos garantir que até o fim de dezembro os canais estejam concluídos e a água chegue até a Paraíba e ao Ceará", pontuou Helder Barbalho, ressaltando que a decisão ratifica a preocupação do governo federal com o abastecimento de água no Semiárido brasileiro.

Durante o encontro, as empresas construtoras reafirmaram o compromisso com o governo federal de concluir os trabalhos até o fim do ano.

MARCUS PEIXOTO
REPÓRTER

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



TIM encerra gratuidade do WhatsApp no Brasil; entenda

A TIM encerrou a gratuidade do WhatsApp no Brasil. Em nota divulgada pela assessoria de imprensa, a operadora explicou que encerrou o benefício, porém ampliou o pacote de dados de todos os clientes, em todos os segmentos, sem alterar o valor pago.

Ainda de acordo com o comunicado, o movimento aconteceu porque a empresa observou que, apesar de o cliente utilizar o aplicativo por muito tempo, o consumo de dados não era tão alto.

"Dessa forma, aumentando o pacote de internet para o usuário, ele teria mais liberdade de trafegar em diversas outras plataformas".

Veja nota na íntegra:

"Com o lançamento do novo portfólio, em novembro do ano passado, a TIM manteve o envio de mensagens no WhatsApp sem desconto na franquia apenas nos planos do segmento Controle e Pós-pago. Recentemente, a empresa evoluiu ainda mais suas ofertas e encerrou esse benefício. Em contrapartida, ampliou o pacote de dados em todos os segmentos, sem alterar os preços das ofertas.

Esse movimento aconteceu porque a empresa observou que, apesar de o cliente utilizar o aplicativo por muito tempo, o consumo de dados não era tão alto. Dessa forma, aumentando o pacote de internet para o usuário, ele teria mais liberdade de trafegar em diversas outras plataformas. Hoje, o plano TIM Controle oferece 1,5GB de dados e 500 minutos de voz por apenas R$ 50, um preço bastante vantajoso.

A TIM reitera que continua acreditando nas parcerias com as OTTs  e desenvolvendo novos produtos e serviços baseados nessa premissa".

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



ShareThis