Redes sociais mostram que arrependidos de terem votado em Bolsonaro cresce a cada dia

Em menos de duas semanas após a posse do novo governo, decisões tomadas por Jair Bolsonaro, por integrantes de seu primeiro escalão ou por seu partido, o PSL, foram vistas com desconfianças na base mais fiel de seguidores do presidente da República, a chamada rede bolsonarista na internet.

O acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a indicação do filho do vice-presidente, Hamilton Mourão, para cargo mais alto no Banco do Brasil e até mudanças na legislação armamentista, uma das bandeiras de Bolsonaro, geraram discórdia nas redes sociais entre apoiadores e influenciadores digitais da ‘nova direita’.

As primeiras críticas de apoiadores de Bolsonaro surgiram no dia seguinte à posse, dia 2, quando o PSL anunciou que referendaria a reeleição de Rodrigo Maia (DEM) à Câmara. Seguidores do presidente associaram a aliança à “velha política” e ao “toma lá da cá”, práticas que o próprio presidente diz combater.

Bolsonaro, então, já como presidente empossado, retuitou uma publicação do perfil ‘Coluna de Direita’, no Twitter, que dizia que “algumas pessoas têm de entender como se joga xadrez” — depois, a publicação foi apagada do perfil do presidente. Os 52 deputados eleitos pelo PSL, partido do presidente, devem votar em Maia em troca da presidência de comissões importantes como a Constituição e Justiça.

Nomeação
As divergências na rede bolsonarista aumentaram após a nomeação do filho do vice-presidente, Hamilton Mourão, como assessor especial da presidência da Banco do Brasil. O salário de Antônio Hamilton Rossel Mourão, funcionário de carreira da instituição, foi triplicado depois da posse do pai – de R$ 12 mil para R$ 36 mil.

Mourão disse que o filho “tem mérito” e que foi “perseguido anteriormente”. A justificativa não agradou a todos. Para o perfil Senso Incomum, que tem pouco mais de 100 mil seguidores no Twitter e apoia o presidente, o general Mourão começou “errando terrivelmente”.

Outro influenciador digital na rede bolsonarista que criticou a promoção do filho de Mourão foi o jornalista e apresentador Allan dos Santos, para quem a nomeação não tinha “odor de nova política”. “O VP (vice-presidente) errou feio e ninguém que o critique pode ser tratado como inimigo”, escreveu no Twitter.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Santos disse que a crítica que fez e a repercussão que ela teve são exemplos de que, segundo ele, a “direita não pensa em bloco.” “A publicação foi criticada e isso é bom, pois mostra que as pessoas da direita não pensam em bloco, como ocorria na era PT – onde as divergências eram camufladas. A mídia quer me entrevistar sobre esta publicação, mas jamais mostrou a discordância entre Rui Costa Pimenta do PCO e Jean Wyllys do PSOL”.

Para ele, os comentários representam a liberdade de “expor nosso ponto de vista ao problema em questão e o confronto de ideias, fundamental para a uma vida social sadia”. “Como jornalista, não escondo de ninguém o meu apoio ao presidente. O que não significa deixar de expor opiniões divergentes. É o próprio presidente que me dá essa segurança, uma vez que ele é aberto ao diálogo”.

Armas
Tema caro aos bolsonaristas, a posse e o porte de arma geraram intenso debate nas redes após o SBT divulgar a minuta do decreto elaborado pelo Ministério da Justiça – a proposta pode restringir a posse de armas de seis para duas por pessoa e também exigir a presença de um cofre para armazenar armas de cano curto em casas com crianças, adolescentes e pessoas com deficiência mental.

Um dos maiores defensores da legalização do porte e posse de armas no País, Bene Barbosa, presidente da ONG Movimento Viva Brasil e autor do livro Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento, criticou a proposta do presidente.

Também ativo nas redes sociais, um dos filhos de Bolsonaro, Eduardo, rebateu e disse que estão “criticando o decreto sem o conhecerem”. Menos de dez minutos depois, Bene foi às redes e cobrou a publicação da minuta do decreto das armas.

A cobrança levou à reação de outro filho do presidente, Carlos, responsável pela estratégia do presidente nas redes sociais durante as eleições. “Falar menos do que não sabe dos fatos”.

Bene reagiu: “São 30 anos trabalhando e abrindo mão de muita coisa. Isso me dá um pouquinho de direito de comentar o que eu bem entender. Não se trata de antecipação, mas de cuidado. Entendeu o porquê?” O bate-boca virtual levou o músico Roger, do Ultraje a Rigor, a entrar na discussão pedindo para que a discussão ocorresse no privado para “não darem munição à oposição”.

Ao jornal, Bene disse que não se trata de um descontentamento com o presidente, e sim de uma preocupação compartilhada no meio de atiradores e colecionadores, onde Bene é influente. “Essa decisão (do decreto) está a cargo do ministro Sérgio Moro, e a gente não tem conhecimento nem dados para saber qual o posicionamento dele”, disse.

“As críticas, em última análise, são ao ministro, que é de onde está vindo essa minuta. O que não significa que, na hora de assinar, o documento também seja completamente diferente”, ponderou.

Bene deseja que a lei não gere mais restrições do que há hoje. “Não adianta flexibilizar de um lado e engessar do outro. Ter a arma para defesa trancada no cofre é inútil, não serve para nada. Além disso, hoje, são seis armas. Reduzir é criar mais restrição”.

Para o cientista político Luiz Bueno, professor da Faap, críticas a ações do governo são naturais. Para ele, o que pode acelerar o processo é o “desencontro de informações” como ocorreram nos últimos dias como o possível aumento do IOF.

Bueno diz ainda que, após a campanha, a realidade se impõe. “Às vezes, as pessoas esperam mais do que é possível em termos de negociações e concessões que o governo terá de fazer”, diz. 

Fonte: Exame.com (Com Estadão)

Curta nossa página no Facebook

A vida dos seus amigos não é tão incrível quanto você imagina

Uma equipe de pesquisadores, liderados pela psicóloga Sarah W. Helms, chegou à conclusão que adolescentes superestimam a vida de seus amigos. Em outras palavras, eles acreditam que os amigos saem mais, namoram mais, bebem mais - todas atividades que, para os jovens, seriam associadas a pessoas mais legais.

O estudo foi realizado em duas partes. Em um primeiro momento os pesquisadores dividiram 235 alunos do ensino médio de um colégio público em quatro categorias (“atletas”, “populares”, “nerds” e “valentões” - lembrou de O Clube dos Cinco?), para saber se algum grupo achava outro mais divertido. Naturalmente, os atletas e populares foram os mais superestimados.

O método foi simples: primeiro eles perguntaram para os alunos com qual frequência eles tinham um comportamento considerado “arriscado” (como beber, fumar ou fazer sexo) e “benéfico”. Depois, perguntaram quais grupos partilham os mesmo comportamentos.

O resultado foi assustador: sempre achamos ser menos legais que nossos amigos. Por exemplo, os que não estavam no grupo dos atletas sempre achavam os atletas mais legais. Ao mesmo tempo, os atletas achavam os populares mais legais e assim sucessivamente.

A segunda parte do estudo foi feita com outros 166 alunos do nono ano de outro colégio, com renda menor e em uma zona rural dos EUA. Os pesquisadores usaram o mesmo método para descobrir quem era popular e quem não era. A diferença foi o tempo: eles repetiram as perguntas por dois anos. Concluíram que o comportamento que os adolescentes diziam ser de pessoas “legais”, como beber ou fumar, tornava-se um hábito entre eles.

A psicologia explica esse efeito como “ignorância pluralística”, um estado onde muitos membros de um grupo têm crenças erradas sobre o comportamento de outros membros, superestimando-os e sendo influenciados.

Então, não pense que seu amigo tem uma vida tão excitante assim. Ela é tão divertida - ou sem graça - quanto a sua!

Fonte: Galileu

Curta nossa página no Facebook

Hospital Regional abre processo seletivo para 140 vagas

O Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, do Governo do Ceará, está com inscrições abertas para o processo seletivo HRN 2018/49. Há oportunidades para profissionais de nível médio completo, nível superior assistencial não médicos e nível superior médicos. As inscrições podem ser realizadas no período até as 23h59 do dia 20 de janeiro, observado o horário local, por meio do link Processo Seletivo 2018/46.

É importante que o candidato faça sua inscrição online o mais breve possível, durante o período de inscrições. O valor das inscrições é de R$ 60 para nível médio e R$ 120 para nível superior.

O Processo Seletivo de Provas e Títulos, sob regime da Consolidação das Leis Trabalhistas – CLT, visa selecionar candidatos para formação de cadastro de reserva para vagas do quadro de funcionários do HRN, além das que surgirem durante o prazo de validade do Processo Seletivo, que é de um ano, prorrogável por igual período, a contar da data de homologação do resultado, segundo deliberação do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH).

A data provável para a realização das provas escritas é 10 de fevereiro. O gabarito preliminar e os cadernos de prova deverão ser divulgados no dia 11 de fevereiro, data provável também para a convocação da prova de títulos. A expectativa é de que os candidatos sejam convocados e realizem as entrevistas entre os dias 21 de fevereiro e 1º de março. A data provável para a divulgação do resultado final do processo seletivo é 16 de março.

Cargos e vagas
De nível médio, o edital contempla 10 vagas para auxiliar de manutenção, das quais nove são para ampla disputa e uma para Pessoas com Deficiência (PCD). Para bombeiro hidráulico também são 10 vagas, das quais nove em ampla disputa e uma para PCD. Os dois cargos têm salário base de R$ 1.305,36 para 44h semanais.

Em nível superior assistencial não médicos, há oportunidades para fonoaudiólogos com nove vagas para ampla disputa e uma PCD. O salário base é de R$ 3.252 com uma carga horária de 30h semanais. No nível superior médicos estão sendo selecionados médicos anestesiologistas, cardiologistas (especialidade em ecocardiografia), cirurgião geral, médico clínica médica – diarista, clínica médica-plantonista, médico endoscopia digestiva e nutrólogo. Todas as categorias contam com nove vagas para ampla disputa e uma PCD, carga horária de 24h semanais e salário base de R$ 7.137,31.

Há ainda seleção para médico emergencista adulto – eixo vermelho e emergencista infantil – eixo-vermelho, médico para sala de recuperação pós-anestesia e médico terapia intensiva adulto. Para os cargos, nove vagas para ampla disputa e uma PCD, carga horária de 24h semanais e salário base de R$ 7.976,28.

Serviço:

Processo seletivo HRN


Inscrições online até 20 de janeiro de 2019

Quanto: R$ 60 (nível médio) e R$ 120 (nível superior)

Vagas: Nível médio (auxiliar de manutenção e bombeiro hidráulico). Nível superior assistencial não médicos (fonoaudiólogos). Nível superior médicos (anestesiologistas, cardiologistas – especialidade em ecocardiografia, cirurgião geral, médico clínica médica – diarista, clínica médica-plantonista, médico endoscopia digestiva, nutrólogo, médico emergencista adulto – eixo vermelho e emergencista infantil – eixo-vermelho, médico para sala de recuperação pós-anestesia e médico terapia intensiva adulto)

Salários: De R$ 1.305,36 a R$ 7.976,28 com diferentes cargas horárias de acordo com o cargo

Assessoria de Comunicação/Governo do Estado do Ceará

Curta nossa página no Facebook

Panfletagem sem autorização prévia da Prefeitura de Juazeiro do Norte pode gerar multa

A Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, por meio da Autarquia Municipal de Meio Ambiente de Juazeiro do Norte – AMAJU, comunica a todos que utilizam Panfletagem como meio de divulgação de produtos, serviços ou qualquer outra forma de difusão de ideias, que esta atividade é passível de Autorização Ambiental conforme o disposto nos Artigos 68 e 69, inciso III da Lei n° 10 de 19 de maio de 2006 (Código de Posturas Municipal). 

A execução desta sem a devida Autorização pode gerar multa e apreensão do material. Para maiores informações a respeito da regularização desta atividade, perante o órgão ambiental, procurar a AMAJU na Rua Francisca Paula Bezerra, n° 1109 – Bairro Limoeiro – Juazeiro do Norte – CE.

Curta nossa página no Facebook

Militar sem experiência em educação básica é cotado para divisão que seleciona livros didáticos do MEC

Um coronel da reserva do Exército sem experiência em educação básica é cotado para assumir o principal cargo responsável pela seleção dos livros didáticos que serão comprados pelo governo federal e distribuídos às escolas públicas do país.

O UOL apurou que o coronel Sebastião Vitalino da Silva é o nome escolhido pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, para assumir a coordenação-geral de materiais didáticos da SEB (Secretaria de Educação Básica) do MEC (Ministério da Educação). 

Duas fontes ouvidas pela reportagem confirmaram que, há pelo menos uma semana, Sebastião Vitalino vem dando expediente no MEC mesmo sem ter sido nomeado.

Procurado pela reportagem, o MEC se limitou a dizer que "mesmo não nomeado, o senhor Sebastião Vitalino, assim como qualquer cidadão, pode frequentar as dependências do Ministério da Educação". 

O governo tem uma verba estimada em R$ 1 bilhão para a compra de material didático para o ensino fundamental e médio em 2019. A escolha do material que será comprado pelo governo vem sendo feita por técnicos do MEC e do FNDE (Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação), um órgão vinculado ao ministério.

Dentro dessa estrutura, a coordenação-geral de materiais didáticos do MEC é um dos cargos mais importantes. 

O coordenador-geral de materiais didáticos atua tanto na formulação do edital do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático), que orienta a produção das obras, quanto na avaliação pedagógica dos livros que serão adquiridos e distribuídos pelo governo.

Aliados do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendem uma revisão do conteúdo dos materiais didáticos para combater o que classificam como "ideologização" de esquerda.

O cargo vinha sendo ocupado por Ana Paula Rodrigues, funcionária de carreira do FNDE cedida ao MEC e que foi exonerada na última quarta-feira (9). Ela havia sido nomeada para o cargo em maio de 2018, na gestão do ex-ministro da educação Rossieli Soares.

Duas pessoas ouvidas pela reportagem sob condição de anonimato informaram que ele se apresentou como professor e pediu para permanecer no local para "tomar pé" sobre o funcionamento do órgão.

Até a tarde de sexta-feira (11), Sebastião Vitalino não havia sido nomeado para nenhum cargo. 

Militar formado na mesma escola de Bolsonaro
Sebastião Vitalino da Silva é um coronel da reserva formado na Aman (Academia Militar das Agulhas Negras), a mesma onde o presidente Jair Bolsonaro se formou. 

De acordo com o seu currículo divulgado na plataforma Lattes, o coronel não tem nenhuma experiência prévia, acadêmica ou profissional, na formulação ou avaliação de conteúdo para a educação básica. O texto aponta que Silva "tem experiência na área de educação superior", mas não especifica em quais projetos o coronel teria atuado.

Ele tem doutorado em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e especializações em política e gestão estratégica de recursos humanos.

Em seu currículo, Silva lista como formações complementares programas de capacitação a distância oferecidos pela Kroton, gigante no setor de educação privada do país. 

Apesar de cotado para assumir um cargo na gestão Bolsonaro, o coronel já fez parte do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) durante parte do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

A reportagem tentou contatá-lo por meio do telefone divulgado em seu currículo, mas as chamadas não foram atendidas. 

Cargo de confiança
O posto de coordenador-geral de materiais didáticos costuma ser ocupado por pessoas da máxima confiança de quem está à frente da SEB. Segundo uma fonte ouvida pelo UOL, as últimas pessoas que passaram pelo cargo tinham forte conhecimento técnico sobre a área.

Além de trabalhar na confecção e no acompanhamento dos editais do PNLD, o coordenador-geral de materiais didáticos tem contato direto com o FNDE --que atua na logística da compra das obras e também participa na construção e execução de políticas públicas para a área da educação.

A atual secretária de educação básica é a engenheira Tania Leme de Almeida. Ela foi indicada ao cargo pelo secretário-executivo do MEC, Luiz Antonio Tozi --que passou a ocupar o posto após um rompimento entre Vélez e Antônio Flávio Testa, que atuava na transição do governo e era o nome indicado para a secretaria-executiva.

O desligamento teria sido motivado pela insistência de Vélez em manter ex-alunos de seus programas de filosofia em secretarias do MEC, mesmo sem experiência de gestão.

Escolha de livros didáticos é alvo de polêmica
A escolha do material didático destinado às escolas públicas do país ganhou os holofotes nesta semana depois que reportagens mostraram que o MEC havia alterado o edital do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) 2020. 

O edital orienta a produção de livros para alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental. 

Entre as alterações do edital publicado no dia 2 de janeiro estavam: não exigência de referências bibliográficas na estrutura editorial dos livros, exclusão de orientações anteriores para que as obras tivessem compromisso educacional com a agenda de não-violência contra a mulher e para a promoção positiva da cultura e história afro-brasileira, quilombola, indígena e de povos do campo. 

Esta versão do edital também havia suprimido um item que proibia a existência de publicidade nos livros.

Após a repercussão negativa do caso, o MEC recuou e anulou as mudanças previstas no edital, culpando a gestão anterior pelas alterações. Rossieli Soares, ex-ministro da educação do governo Michel Temer (MDB), negou ter responsabilidade sobre as mudanças.

Nesta sexta (11), dez servidores do MEC foram exonerados pelo ministro Vélez Rodríguez -entre eles, o chefe de gabinete do FNDE, Rogério Fernando Lot, que assinou a versão do edital do PNLD publicada em 2 de janeiro no Diário Oficial.

Além de Lot, foram exonerados outros nove comissionados ligados ao FNDE. O MEC, no entanto, negou que as exonerações tenham relação com a polêmica do edital.

Na última quinta-feira (10), o deputado federal e filho do presidente Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), usou o Twitter para propor uma revisão histórica sobre a ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985 nos livros didáticos. 

"Um povo sem memória é um povo sem cultura, fraco. Se continuarmos no nosso marasmo os livros escolares seguirão botando assassinos como heróis e militares como facínoras", escreveu o parlamentar. 

O conteúdo de material didático distribuído pelo MEC também foi um dos temas mais discutidos durante a campanha presidencial do ano passado. 

O então candidato Jair Bolsonaro atribuiu aos governos do PT a suposta distribuição do livro "Aparelho Sexual e Cia", editado pela Companhia das Letras, aos governos do PT. Bolsonaro dizia que o livro era uma "porta" para pedofilia. 

À época, o MEC informou, em nota, que nunca produziu, adquiriu ou distribuiu o livro.

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook

Ataques no Ceará: Camilo anuncia novas medidas de combate ao crime e convoca mais 220 agentes penitenciários

O governador Camilo Santana anunciou, através da sua página no Facebook nesta sexta-feira (11), uma série de novas medidas para coibir as ações criminosas registradas no Ceará, incluindo a autorização da convocação imediata de mais 220 agentes penitenciários.

O chefe do Executivo enviou requerimento ao presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque, para a realização de sessão extraordinária para os deputados analisarem as solicitações já neste sábado (12).

“Essas medidas, além de todas que já tomamos, tem o objetivo de fortalecer o esquema de segurança de nosso estado no duro combate ao crime organizado, que atua nas ruas e no sistema penitenciário. Não aceitamos que, aqui no Ceará, criminosos presos continuem dando ordem de comando de dentro das prisões, como acontece há décadas em todo o Brasil”, disse o governador.

As solicitações em regime de urgência são:
  • Convocação de policiais militares que estão na reserva para o retorno ao trabalho;
  • Aumento da quantidade de horas extras que possam ser pagas aos policiais civis e militares e bombeiros para aumentar a força de trabalho;
  • Criação de lei que recompensa a população por informações que resultem na prevenção de atos criminosos e prisão de bandidos envolvidos nos crimes.
Camilo também reforçou que todos os poderes estão atuando juntos em prol da segurança do Ceará. “Governo, Poder Legislativo e Judiciário do Estado, além do Ministério Público e entidades civis, estão todos unidos. Assim como estamos unidos ao Governo Federal, através dos ministérios da Defesa, e da Justiça e Segurança Pública, para enfrentar o crime que tenta se impor contra o nosso estado e contra o País. Não há recuo! O Estado é mais forte!”.

Medidas anteriores
No último dia 3 de janeiro, o governador Camilo Santana já havia anunciado as seguintes medidas de enfrentamento aos atos criminosos, juntamente com o trabalho das Forças de Segurança do Estado (Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros) para proteger a população:
  • Nomeação imediata da turma de 220 novos agentes penitenciários, antes prevista para março;
  • Imediata nomeação dos 373 novos policiais militares, já formados, para atuação nas ruas;
  • Solicitação de apoio do Governo Federal, através do reforço de homens da Força Nacional de Segurança, Exército e Força de Intervenção Integrada (FIPI), para trabalhar em conjunto com os profissionais cearenses.


Assessoria de Comunicação/governo do Estado do Ceará

Curta nossa página no Facebook

12 de janeiro

1759 - O Marquês de Pombal, Secretário de Estado de D. José I, determina a expulsão dos jesuítas de Portugal.
1991 - O presidente americano George Bush é autorizado pelo Congresso dos Estados Unidos a atacar o Iraque na Guerra do Golfo.
2010 - Um sismo de 7.0 Mw atinge o Haiti, afetando cerca de três milhões de pessoas

Nasceram neste dia…
1729 - Edmund Burke, filósofo e político britânico (m. 1797).
1873 - Spiridon Louis, atleta grego (m. 1940).
1914 - Orlando Vilas-Boas, sertanista brasileiro (m. 2002).

Morreram neste dia…
1519 - Maximiliano I, Sacro Imperador Romano-Germânico (n. 1459).
1976 - Agatha Christie, escritora britânica (n. 1890).
2010 - Zilda Arns (foto), médica pediatra e sanitarista brasileira (n. 1934).

Fonte: Wikipédia

Universidade cearense abre concurso para técnico-administrativo; salário é de até R$ 4,6 mil

A Universidade Federal do Ceara (UFC) abriu concurso para preencher vagas em sete cargos técnico-administrativos da instituição. Todas as oportunidades são para Fortaleza e a remuneração é de R$ 4.638,66 para os cargos de nível superior e R$ 2.904,96 para os de nível técnico e médio.

Os cargos são:
  • Técnico de Audiovisual (nível médio)
  • Técnico de Laboratório/Microbiologia do Solo (nível médio)
  • Técnico em Alimentos e Laticínios (nível médio)
  • Técnico de Nutrição e Dietética (nível médio)
  • Tradutor Intérprete de Linguagens de Sinais (nível médio)
  • Psicólogo/Saúde Pública (nível superior)
  • Psicólogo/Clínica (nível superior)
Para cada um dos cargos há apenas uma vaga e todos têm jornada de 40 horas semanais.

As inscrições serão realizadas unicamente pela internet, no site da Comissão de Concursos da UFC (CCV), a partir das 8h do dia 25 de março e seguem até as 23h59min do dia 7 de abril de 2019 (horário de Fortaleza). Os interessados devem preencher o Formulário de Solicitação de Inscrição e enviar os dados à CCV.

Os programas de estudo devem ser divulgados no dia 1º de março.

Taxa de inscrição
A taxa de inscrição é de R$ 120,00 para os cargos de nível superior e R$ 90,00 para os de nível técnico e médio.

Provas
As provas estão previstas para serem realizadas no dia 19 de maio em Fortaleza, a partir das 9h, e devem ter duração de quatro horas. O local será informado no site do CCV no dia 15 de maio. As questões são de múltipla escolha.

O concurso também terá provas práticas para os cargos de nível técnico e médio, a serem realizadas na data provável de 23 de junho.


Fonte: G1 CE

Curta nossa página no Facebook

Com a continuação dos ataques, Camilo apresenta ações no combate à onda de criminalidade

Em meio aos ataques no Ceará, o governador Camilo Santana (PT) se reuniu na tarde desta quinta-feira, 10, no Palácio da Abolição, com diversos órgãos e entidades públicas e privados, além da presença dos secretários das pastas de Segurança Pública e Administração Penitenciária, André Costa e Mauro Albuquerque, respectivamente.

O governador, em publicação pelas suas redes sociais, comunicou que “nosso compromisso é garantir a prestação de todos os serviços à população, com toda a segurança”. No final, agradece a presença dos órgãos e entidades presentes no encontro e alegou no qual “com a união de toda a sociedade, conseguiremos vencer esse desafio”. 


Estiveram presentes na reunião representantes do Tribunal de Justiça, Justiça Federal, Assembleia Legislativa, Ministério Público do Estado, Ministério Público Federal, Prefeitura de Fortaleza, Câmara Municipal de Fortaleza, Tribunal de Contas do Estado, Tribunal Regional do Trabalho, Defensoria, Advocacia Geral da União, órgãos de segurança estadual e federal (PF e PRF), entidades como Fiec, CDL, Fecomércio, OAB, ABIH, Abrasel, Sindiônibus, Aprece, Instituto Brasileiro de Executivos e Finanças, Fetraece e CUT, além das universidades estadual e federal.

Também nesta tarde, Camilo anunciou a transferência de mais 20 chefes de facções do sistema penitenciário do Ceará para um presídio federal. Eles são acusados de comandar de dentro dos presídios a onda de ataques e atentados no Estado, que dura nove dias.

Fonte: O Povo

Curta nossa página no Facebook

Diabetes: sede excessiva, fome e visão embaçada são sintomas da doença

O diabetes é caracterizado pelo excesso de açúcar no sangue, e aumenta o risco de problemas cardíacos, sexuais e nos rins. Veja as causas, sintomas e tratamentos da doença

O diabetes mellitus é uma doença do metabolismo que tem como principal característica o excesso de glicose no sangue. A glicose é um tipo de açúcar, produzido a partir dos alimentos que a gente ingere, e nossa principal fonte de energia.

O diabetes pode ter duas causas diferentes: nos pacientes com diabetes tipo 1, o organismo deixa de produzir insulina, o hormônio que leva a glicose para dentro das células, para que o açúcar seja usado como combustível. Já em pacientes com diabetes tipo 2, o organismo não produz quantidade suficiente de insulina ou não consegue empregar o hormônio produzida de forma adequada

Os diferentes tipos de diabetes
O diabetes tem denominações distintas de acordo com a origem (etiologia) da doença:

Diabetes tipo 1: Representa cerca de 10% dos casos, é provocado por um processo autoimune --o organismo confunde alguma estrutura própria como um agente invasor, e ativa seu sistema de defesa para acabar com ela. Nos pacientes com esse tipo, o sistema imunológico ataca as células beta, no pâncreas, responsáveis pela produção de insulina.

Diabetes tipo 2: Na maioria dos casos (cerca de 90% dos pacientes), o corpo não consegue utilizar adequadamente o hormônio que metaboliza a glicose, condição chamada de resistência à insulina, ou essa substância não é produzida em quantidade suficiente para manter o nível de glicose dentro da normalidade. Apesar de ser mais frequente em adultos a partir dos 40 anos de idade, o número de adolescentes e até crianças diagnosticadas com diabetes tipo 2 aumentou, nas últimas décadas, à medida em que a população tornou-se mais obesa.

Diabetes gestacional: É o quadro de hiperglicemia que pode se manifestar na gravidez, em geral no terceiro trimestre, e que quase sempre desaparece após o parto. A placenta produz alguns hormônios que resistem à insulina e, para piorar, o crescimento do feto também aumenta a demanda pela substância. Esse é um dos motivos pelos quais as gestantes são orientadas a praticar exercícios, ter uma dieta saudável e fazer exames de glicose. Estudos mostram que a prevalência do diabetes gestacional no Brasil varia de 2,5% a 7%. Mulheres que desenvolvem o quadro na gravidez são mais propensas a ter diabetes tipo 2 mais tarde.

Existem outros tipos de diabetes?
Dependendo dos resultados laboratoriais, que podem, ou não, acusar a presença de determinados autoanticorpos (essas células de defesa que atacam o próprio organismo), pode-se dizer que uma pessoa tem diabetes tipo 1A (autoimune) ou 1B (idiopático, ou seja, de causa desconhecida), sendo este último mais raro. Em geral, as células beta são destruídas rápido na infância, mas pode ocorrer lentamente, sendo referida como diabetes autoimune latente do adulto (ou LADA, na sigla em inglês).

Na maioria dos casos, o diabetes tipo 1 e tipo 2 são considerados poligênicos, ou seja, são associados a alterações em diversos genes. Mas existe um tipo de diabetes chamado de monogênico (MODY, na sigla em inglês), pois é resultante de mutação em apenas um gene. Existem diferentes tipos de MODY conhecidos.

Ainda existem outros tipos de diabetes com causas específicas: o decorrente de doenças pancreáticas (também chamado por alguns especialistas de tipo 3c), como pancreatite, tumores, fibrose cística e hemocromatose. Quando o diabetes aparece de repente no adulto, sem que exames prévios tenham indicado alterações na glicemia, é aconselhável solicitar outros testes para descartar o câncer de pâncreas.

Um estudo recente, publicado na revista médica The Lancet Diabetes & Endocrinology, realizado por pesquisadores da Universidade de Lund (Suécia), sugere que existem, na verdade, cinco grandes grupos de diabetes, e não apenas dois. Cada um deles teria características específicas, e a equipe defende que uma nova terminologia facilitaria a escolha dos tratamentos mais adequados. No entanto, ainda são necessárias mais pesquisas para justificar mudanças na forma de nomear a doença.

Sintomas de diabetes
Os sinais mais comuns, associados ao excesso de açúcar no sangue, são:
  • Sede excessiva
  • Fome excessiva
  • Aumento da frequência urinária
  • Infecções frequentes (como de bexiga ou pele)
  • Fadiga
  • Visão turva
  • Perda de sensibilidade ou formigamento nos pés ou nas mãos
  • Feridas que demoram muito para cicatrizar
  • Perda de peso sem razão aparente
No diabetes tipo 1, as manifestações surgem rápido. Já no tipo 2 a evolução pode levar anos. Muitas vezes não há sintomas ou eles são tão leves que a pessoa só descobre a doença quando já existe alguma complicação.

Quais as causas e como prevenir o diabetes
Não se sabe com certeza quais os fatores de risco para desenvolver o diabetes tipo 1, mas a genética exerce um papel importante. Ter um parente próximo com a doença aumenta a probabilidade de apresentar o problema. A maior parte dos casos é diagnosticada na infância ou na adolescência, mas também pode acontecer de um adulto descobrir a condição (LADA). De qualquer forma, não há como evitar esse tipo de diabetes.

No diabetes tipo 2 a genética também está envolvida, mas existem fatores de risco relativos ao estilo de vida que são evitáveis: pressão alta, colesterol e triglicérides elevados, sobrepeso e obesidade (principalmente a abdominal) são os principais deles. Algumas doenças também podem resultar nesse tipo de diabetes, como síndrome dos ovários policísticos, doença renal e apneia do sono, entre outras.

O diabetes ainda pode aparecer em decorrência do uso de certos medicamentos (como glicocorticoides e antipsicóticos, por exemplo) ou de quimioterapia. Vale mencionar que algumas síndromes, doenças autoimunes e disfunções endócrinas também podem estar associadas à doença, como a fibrose cística e o hipotireoidismo.

Comer muito açúcar causa diabetes?
Não é bem assim. O açúcar em excesso contribui para o excesso de peso, que é um fator de risco para o diabetes tipo 2. Estudos também têm indicado que o consumo excessivo de bebidas açucaradas, como sucos industrializados e refrigerantes, aumenta consideravelmente o risco de desenvolver a condição.

E o açúcar é proibido para quem tem diabetes?
Isso também não é verdade. O açúcar pode ser consumido desde que a quantidade de carboidratos seja computada, assim como é feito com outros alimentos. Com o controle adequado da doença, é possível abrir exceções em ocasiões especiais e consumir doces comuns, seguindo as recomendações do nutricionista. Ninguém precisa abrir mão de eventos sociais que envolvem comida por causa do diabetes.

Tratamentos
O paciente precisa ser tratado por uma equipe multidisciplinar, com endocrinologista, nutricionista, educador físico, psicólogo e outros especialistas. No início, há muita informação para ser assimilada, por isso é comum ouvirmos falar na educação em diabetes. Aos poucos, o gerenciamento do nível de glicose vira rotina. O principal objetivo é que a glicemia em jejum fique em torno de 100 mg/dl em jejum, e em 140 mg/dl duas horas após a refeição. Esse controle é feito por um aparelho chamado glicosímetro.

Planejamento alimentar: O primeiro passo após o diagnóstico é consultar uma nutricionista, que vai elaborar um plano com base nas necessidades e preferências de cada paciente. O consumo de carboidratos, inclusive aqueles presentes em frutas, legumes e cereais saudáveis, deve ser controlado, e deve-se dar preferência a itens com baixo índice glicêmico, ou seja, que não geram um pico de glicose no sangue. Nem todos os produtos diet são saudáveis para o paciente, e eles não podem ser usados à vontade. Tabelas nutricionais de alimentos e aplicativos de celular têm sido muito úteis para o controle dos carboidratos e registro das medições de glicemia, que devem ser mostradas para o médico nas consultas.

Atividade física: Realizar exercícios funciona como remédio para o diabetes, porque faz com que a glicose seja melhor aproveitada pelos músculos. As atividades aeróbicas (caminhada, corrida, natação e ciclismo) também ajudam a reduzir a gordura visceral, bastante associada à doença, e o peso. Tudo isso ajuda no controle da glicemia e na prevenção de complicações comuns, como doenças cardiovasculares e depressão. O paciente deve escolher a atividade que mais lhe agrada, e o acompanhamento por um profissional de educação física é fundamental. Exageros podem causar hipoglicemia.

Insulinoterapia: As injeções de insulina são indispensáveis no tipo 1 e necessárias para alguns pacientes com o tipo 2. Hoje existem canetas com agulhas finíssimas, que facilitam a aplicação e causam muito menos desconforto que antigamente. Nosso pâncreas secreta a insulina basal (um pouco ao longo do dia) e em bolus (em quantidades maiores quando a glicose aumenta naturalmente ou após as refeições). Assim, a insulinoterapia tenta seguir essa lógica: existem produtos de ação ultrarrápida, de ação intermediária ou de longa duração. O esquema de aplicação e as doses são definidas pelo médico e também podem depender dos resultados da glicemia. Já existe uma versão insulina inalável de ação rápida, mas seu uso é limitado.

Antidiabéticos orais: Esses medicamentos ajudam a manter a glicemia sob controle e possuem mecanismos de ação diferentes: diminuem a produção hepática de glicose (é o caso da metformina, uma biguanida que costuma ser a droga de primeira escolha); aumentam a secreção de insulina (sulfonilureias e glinidas); diminuem a velocidade de absorção dos glicídios (inibidores das alfaglicosidases); e/ou aumentam a utilização de glicose (glitazonas). Também há outras classes (miméticos e análagos do GLP-1, e inibidores da DPP-4) são capazes de aumentar a secreção de insulina apenas quando a glicemia se eleva. Outra classe mais recente (inibidor de SGLT2) pode controlar a glicemia independente da secreção e ação da insulina, mas com risco menor de hipoglicemia. A escolha dos antidiabéticos depende do perfil do paciente, da existência de doenças associadas ou possíveis interações medicamentosas. Alguns deles, por exemplo, podem ajudar na perda de peso e na proteção cardiovascular, enquanto outros são contraindicados para quem tem doença renal, e assim por diante. 

Como obter ajuda
Receber o diagnóstico de diabetes não é fácil, e o tratamento pode ser desafiador para muita gente. Investir no bem-estar e buscar ajuda especializada sempre que necessário são atitudes fundamentais para que o diabetes não comprometa sua saúde mental, nem que eventuais transtornos psiquiátricos ou psicológicos tornem-se um obstáculo para o controle adequado da doença.

Além de contar com a ajuda da equipe multidisciplinar, um grupo de apoio pode ser útil para trocar experiências, aliviar a angústia e até obter dicas práticas para o dia a dia. Também é bom saber que existem outras pessoas na mesma situação. Amigos e parentes podem trazer um incentivo para fazer as modificações necessárias no estilo de vida, por isso é importante não ter vergonha de pedir ajuda ou dizer o que não agrada na atitude deles em relação à doença.

Como ajudar quem tem diabetes
Se você tem um filho com diabetes, é fundamental informar à escola, explicar à equipe responsável a rotina do tratamento e como agir em caso de hipoglicemia, hiperglicemia ou em outras emergências. Crianças precisam de ajuda para controlar o diabetes, mas, aos poucos, é importante que elas assumam algumas tarefas e aprendam a lidar com a doença. “É importante que o paciente com diabetes tipo 1 tenha uma turma, com gente da mesma idade, para saber que ele não é o único que tem que tomar picadas e insulina”, diz Maria Fernanda.

Parentes e eventuais cuidadores também devem entender a doença e o tratamento, saber reconhecer sintomas de hipo ou hiperglicemia, e o que fazer no caso dessas ou de outras emergências. “Acompanhar o paciente nas consultas médicas, incentivar a prática de exercícios e o controle da dieta, verificar a presença de bolhas ou feridas nos pés, impedir o fumo e ficar de olho caso quando houver ingestão de álcool são outras dicas”, sugere Vanessa Pirolo, que tem diabetes tipo 1 e atua na área de advocacy na ADJ Diabetes Brasil.

Outra dica importante, da endocrinologia Maria Edna de Melo, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso), é não cair na tentação de tentar ajudar alguém com diabetes com informações de fonte duvidosa. Infelizmente, há muitas falsas promessas para emagrecer ou curar o diabetes por aí, e por mais que as pessoas queiram ajudar, podem acabar atrapalhando. “É importante não entrar em modismos de redes sociais ou sites: na internet as pessoas escrevem o que querem”, ressalta Maria Edna.

Fontes consultadas: Maria Edna de Melo, endocrinologista da Abeso; Maria Fernanda Barca, endocrinologista da SBEM; Sociedade Brasileira de Diabetes; Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM); National  Institutes of Health (NIH, Institutos Nacionais de Saúde dos EUA); American Diabetes Association (ADA)

Fonte: Viva Bem/UOL

Curta nossa página no Facebook

O Estado não pode recuar - Por: Camilo Santana*

O Brasil inteiro acompanha o que ocorre hoje no Ceará. Há uma semana o Estado vem enfrentando ataques criminosos, que podem ser enquadrados como atos terroristas. Esses atos são a reação do crime organizado às duras medidas que o estado do Ceará vem tomando dentro e fora das unidades prisionais, fazendo cumprir rigorosamente o que determina a lei. Não se pode admitir que bandidos continuem dando ordem de comando de dentro das prisões, como vem acontecendo há décadas em todo o Brasil.

Importante que se deixe claro que esse endurecimento contra o crime tem acontecido após estratégias cuidadosamente traçadas, com o fortalecimento do aparato policial e maior presença de agentes nos presídios cearenses. De 2015 para cá, o estado contratou quase 10 mil profissionais de segurança e, praticamente, dobrou o número de agentes penitenciários nos últimos dois anos.

O Ceará tem hoje mais de 29 mil profissionais de segurança. Foram construídos presídios e outros estão sendo feitos, inclusive de segurança máxima. Também temos investido forte em inteligência e tecnologia.
Neste novo governo, criei uma secretaria exclusiva para cuidar do sistema penitenciário e convidei um dos maiores especialistas da área no país, Luís Mauro Albuquerque, para assumir a secretaria. O novo secretário tem o meu apoio para implantar as medidas que sejam necessárias para estabelecer a ordem dentro dos presídios, com firmeza e dentro da lei.

Por outro lado, nossa Secretaria de Segurança, que reúne todas as forças policiais, tem sido a aliada permanente nas ações, por conta da esperada reação violenta do crime, que não quer perder as regalias que conseguiu durante décadas. Que fique claro: não haverá recuo do Estado.

E, para esse enfrentamento, destaco a importante colaboração do governo federal, que tem caminhado conosco nessa missão. Desde o começo dos ataques, tenho mantido permanente contato com o ministro da Justiça e Segurança, Sergio Moro, bem como com o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo. 

Pela gravidade dos atos, e a certeza da intensidade que se daria nos dias seguintes, detectada pelo nosso setor de inteligência, solicitei de imediato o apoio de tropas federais para se juntarem às nossas forças, o que foi prontamente atendido. Foi também essa parceria que viabilizou a transferência de dezenas de criminosos, tidos como chefes de grupos, para penitenciárias federais de segurança máxima.

É de conhecimento de todos que o que acontece no Ceará não é um problema só do Ceará. Vários estados já enfrentaram ataques do crime organizado e vários outros sofrem graves ameaças neste momento.

Desde que assumi o governo do Ceará, em 2015, venho provocando um debate nacional sobre esse tema, compreendendo que somente por meio de um trabalho conjunto de todos os estados e municípios com o governo federal poderemos superar esse desafio e garantir mais segurança para a população.

Armas e drogas que abastecem o crime organizado entram pelas nossas fronteiras, que devem ser protegidas pela União. E isso não é de agora. Todos os governos que passaram, independente de partidos, negligenciaram esse combate. Os estados ficaram isolados e não conseguiram, sozinhos, agir de forma eficaz e decisiva. O crime ultrapassou as divisas dos estados, cresceu e se transnacionalizou.

Ano passado, após longa batalha, foi criado o Sistema Único de Segurança Pública (SUSP), que pode ser um importante começo nessa luta contra o crime, com ações planejadas e pactuadas entre estados, municípios e governo federal.

Este é um importante momento para a segurança pública do meu estado e também do Brasil. A hora é da união de todos, sem vaidades ou oportunismo político. O assunto é muito sério e deve ser tratado com responsabilidade por todos, sem arroubos ou discurso fácil. É o que a população espera de todos nós, que recebemos a sua confiança.

De uma coisa tenho certeza: o crime não vencerá jamais o Estado! E criminosos devem ser tratados como criminosos, com firmeza e dentro da lei, sem acordos ou regalias.

*Camilo Santana (PT) é governador do Ceará

Fonte: Folha.com

Curta nossa página no Facebook

Meteorologistas antecipam tendência de chuvas abaixo da média no CE

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) divulga, no dia 18 de janeiro, a primeira previsão de chuvas para o próximo trimestre - fevereiro, março e abril - de 2019. O órgão não antecipa os estudos climatológicos, mas outras instituições meteorológicas parceiras revelam que a tendência é de precipitações abaixo da média.

Os estudos com base em modelos meteorológicos são preocupantes pois a maior parte do território cearense já enfrenta sete anos de chuvas abaixo da média. E é justamente no sertão onde estão localizados os reservatórios que abastecem os centros urbanos do interior e a Região Metropolitana de Fortaleza (Castanhão, Orós, Banabuiú, por exemplo), onde as chuvas estão mais escassas.

Reservatórios
Caso as previsões sejam confirmadas, a crise de abastecimento deve se agravar no Estado. "O quadro ainda não é desanimador, mas há uma forte tendência de as chuvas ficarem abaixo do índice normal e de serem muito irregulares", afirmou o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) do 3º Distrito de Recife, Ednaldo Correia de Araújo.

"Vão ocorrer períodos sem chuva (veranicos), vai chover muito bem em uma área e em outra, não", complementa. Ainda segundo Ednaldo Araújo, pelos estudos realizados até o momento, o acumulado neste ano deve ficar abaixo do registrado em 2018. "Se ficasse igual ao ano passado, era razoável", ponderou.

El Niño
Acerca da formação do El Niño (aquecimento das águas superficiais do Oceano Pacífico), fenômeno que influência na redução de chuvas no Semiárido nordestino, o meteorologista observou: "Está praticamente caracterizado, mas será fraco e vai trazer redução de chuvas para a região em março e abril".

A climatologista do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec/Inpe) do Ministério da Ciência e Tecnologia, Alice Macedo, observou que o trimestre (fevereiro, março e abril) deverá ser marcado por chuvas abaixo da média histórica e anunciou que, no próximo dia 17, o órgão vai atualizar a previsão de chuvas para a região Nordeste. "Os estudos indicam até o momento chuvas abaixo do normal", pontuou.

Alice Macedo esclareceu que há forte tendência de formação do El Niño. "O fenômeno ainda não está presente, pois ainda não houve o acoplamento dos ventos, uma resposta ao aquecimento das águas do Oceano Pacífico", frisou a especialista.

O meteorologista da Funceme, Davi Ferran, tem a mesma explicação técnica. "As águas do Oceano Pacífico já estão aquecidas meio grau Celsius, mas a atmosfera ainda não respondeu a esse aquecimento", explicou.

"Para formação do El Niño é preciso mais de uma condição porque é um fenômeno oceânico e atmosférico, mas as chances de formação são de 95% entre fraco e moderado". Ferran observou, entretanto, que alguns institutos meteorológicos já confirmam a formação do fenômeno.

Sobre a duração do El Niño observou: "Há 70% de chance de ocorrer, até o fim da quadra chuvosa". Já as condições do Oceano Atlântico Sul Equatorial/Tropical permanecem favoráveis à atração da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) - banda de nuvens que circundam a faixa equatorial da Terra.

Esperança
Janeiro ainda é mês de pré-estação chuvosa. No campo, os agricultores estão de olho na natureza e mantêm a esperança do retorno das chuvas.

"Tivemos um dezembro muito bom, no seu início, mas já para o fim do mês e o início deste janeiro as chuvas foram embora", disse o produtor rural, Francisco Batista, da localidade de Serrote, zona rural de Iguatu, na região Centro-Sul.

HONÓRIO BARBOSA
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

11 de janeiro

1922 - É utilizada pela primeira vez insulina em humanos para tratamento do diabetes.
1942 - O Japão declara guerra aos Países Baixos e invade as Índias Orientais Neerlandesas.
1994 - O governo irlandês anuncia o fim da censura ao movimento terrorista IRA e seu braço político, Sinn Féin.

Nasceram neste dia…
1890 - Oswald de Andrade (foto), escritor modernista brasileiro (m. 1954).
1924 - Roger Guillemin, endocrinologista francês.
1934 - Charles Anthony Richard Hoare, cientista da computação britânico.

Morreram neste dia…
1882 - Theodor Schwann, biólogo alemão (n. 1810).
1900 - José Antônio Pereira, desbravador brasileiro, fundador da cidade de Campo Grande (n. 1825).
1989 - José Luis Bustamante y Rivero, antigo presidente do Peru (n. 1894).

Fonte: Wikipédia

Picada de escorpião: saiba os cuidados e o que fazer em caso de acidente

Os animais peçonhentos, como os escorpiões, aranhas e lagartas, estão cada vez mais presentes no meio urbano, adaptados ao ambiente do homem devido ao crescimento acelerado dos grandes centros. Por isso, é preciso que toda a população, inclusive das grandes cidades, saiba quais medidas adotar para evitar acidentes e mortes por envenenamento.

O período do verão, de dezembro a março, exige maior cuidado em relação aos acidentes com escorpiões, pois o clima úmido e quente é ideal para o aparecimento destes animais, que se abrigam em esgotos e entulhos. Os escorpiões que habitam o meio urbano se alimentam principalmente de baratas, portanto são comuns também em locais próximos a áreas com acúmulo de lixo. A adoção de hábitos simples é fundamental para prevenir acidentes.

No ambiente urbano, para evitar a entrada dos escorpiões nas casas e apartamentos, a recomendação é de usar telas em ralos de chão, pias e tanques, além de vedar as frestas nas paredes e colocar soleiras nas portas. Outra medida é afastar as camas e berços das paredes, e ainda vistoriar as roupas e calçados antes de usá-los.

Nas áreas externas, as principais dicas são manter jardins e quintais livres de entulhos, folhas secas e lixo doméstico. Também é importante manter todo o lixo da residência em sacos plásticos bem fechados para evitar baratas, que servem de alimento e, portanto, atraem os escorpiões. Nas casas que possuem gramado, ele deve ser mantido aparado.

Outra recomendação é não colocar a mão em buracos, embaixo de pedras ou em troncos apodrecidos e usar luvas e botas de raspas de couro para realizar atividades que representem certo risco, como manusear entulhos e materiais de construção, e nas atividades de jardinagem.

Nas áreas rurais, além de todas essas medidas, é essencial preservar os inimigos naturais dos escorpiões, como lagartos, sapos e as aves de hábitos noturnos, como a coruja. Estes são os principais predadores dos escorpiões.

O Ministério da Saúde não recomenda a utilização de produtos químicos (pesticidas) para o controle de escorpiões. Estes produtos, além de não possuírem, até o momento, eficácia comprovada para o controle do animal em ambiente urbano, podem fazer com que eles deixem seus esconderijos, aumentando a chance de acidentes.

Populações mais expostas
Os grupos considerados mais vulneráveis são os trabalhadores da construção civil, crianças e pessoas que permanecem maiores períodos dentro de casa ou nos arredores e quintais. Ainda nas áreas urbanas, estão sujeitos os trabalhadores de madeireiras, transportadoras e distribuidoras de hortifrutigranjeiros, por manusearem objetos e alimentos onde os escorpiões podem estar alojados.

A grande maioria dos acidentes com escorpiões é leve e o quadro local tem início rápido e duração limitada. Os acidentados apresentam dor imediata, vermelhidão e inchaço leve por acúmulo de líquido, piloereção (pelos em pé) e sudorese (suor) localizadas, cujo tratamento é sintomático.

As crianças abaixo de sete anos apresentam maior risco de apresentar sintomas longe do local da picada, como vômito e diarreia, principalmente nas picadas por escorpião-amarelo, que podem levar a casos graves e requerem a aplicação do soro em tempo adequado.

O que fazer em caso de acidente?
A recomendação é ir imediatamente ao hospital de referência mais próximo. Se possível, levar o animal ou uma foto para identificação da espécie, permitindo assim uma avaliação mais eficaz sobre a gravidade do acidente.

É importante lembrar que não é em todo caso de acidente que o soro será indicado, e apenas o profissional de saúde poderá fazer essa avaliação. O antiveneno é indicado em casos moderados ou graves. Limpar o local da picada com água e sabão pode ser uma medida auxiliar, desde que não atrase a ida ao serviço de saúde.

Onde encontrar o soro
Os casos leves, que não necessitam da aplicação do antiveneno, representam cerca de 87% do total de acidentes. Desta forma, o soro antiescorpiônico é disponibilizado apenas nos hospitais de referência do Sistema Único de Saúde (SUS). As ampolas são enviadas pela pasta aos estados, que são responsáveis pela distribuição aos municípios e pela definição estratégica das unidades de referência para o atendimento destes casos.

Essa logística deve ser feita de acordo com a situação epidemiológica de cada região e os estados possuem também autonomia para remanejar o soro de uma cidade para outra quando necessário. Os soros também não são disponibilizados na rede particular de saúde.

Casos e ações de prevenção de acidentes
No Brasil, a espécie de escorpião que causa mais acidentes, Tityus serrulatus, tem se expandido para um número maior de cidades, onde até então não era encontrada. Esta espécie possui facilidade para se reproduzir e colonizar novos ambientes.

Os acidentes escorpiônicos ocorrem em todo o Brasil. Desde 2009, o Ministério da Saúde realiza capacitações de identificação, manejo e controle de escorpiões nos estados brasileiros, em cooperação com as secretarias estaduais de saúde. O objetivo é que cada estado multiplique as informações recebidas a todas as suas regionais de saúde e municípios.

O Ministério da Saúde registrou, em 2018, 141,4 mil casos de acidentes com escorpiões em todo o país. Em 2017, foram 125 mil registros de acidentes. Esses dados ainda são preliminares e serão revisados, portanto estão sujeitos a alteração. Em 2016, foram 91,7 mil casos. Em relação às mortes, em 2016 foram registrados 115 óbitos em todo o país e, em 2017, 88.

Fonte: Viva Bem/UOL

Curta nossa página no Facebook

11 mentiras em que muita gente acredita

1- Cenouras fazem bem à vista
Assim como muitos alimentos, mas a fama exagerada da cenoura tem outro motivo além do benefício à saúde. Durante a Segunda Guerra Mundial, o governo britânico não queria que os alemães soubessem que eles tinham radares. Para resolver o problema, diziam que seus soldados tinham visões excelentes porque comiam muitas cenouras.

2 – A Muralha da China é o único monumento construído pelo homem que pode ser visto do espaço
Na verdade, várias estradas e barragens podem ser vistas da órbita da Terra.

3 – Pessoas da Idade Média acreditavam que a Terra era plana
Os gregos calcularam a circunferência do nosso planeta aproximadamente no ano 300 a.C.

4 – Depois de comer açúcar, uma pessoa fica cheia de energia
Na verdade, isso não passa de efeito placebo.

5 – Touros são atraídos pela cor vermelha
Só que não. Touros, na verdade, são daltônicos. O motivo pelo qual avançam em direção ao toureiro que fica balançando o pano vermelho é o movimento do tecido, não a cor. Além disso, esses animais são geralmente mantidos presos e com fome antes das touradas, para que possam agir de maneira agressiva.

6 – Computadores da Apple são imunes a vírus
A verdade é que menos pessoas têm computadores da Apple e, por isso, ainda não há gente interessada em produzir vírus para essas máquinas.

7 – Camaleões mudam de cor para se adaptar ao ambiente
Não também. Esses animais mudam de cor por questões de comunicação, temperatura e luz, não por camuflagem.

8 – A memória do peixe-dourado dura, no máximo, 8 segundos
Mentira! Esses peixinhos têm uma boa memória e, inclusive, podem ser treinados.

9 – Coelhos amam cenouras
Só em desenho animado mesmo. Cenouras fazem mal aos coelhos.

10 – Você é o espermatozoide mais rápido
Aceite: você foi um dos espermatozoides mais lentos. Pois é. Isso acontece porque, antes de um espermatozoide fecundar o óvulo, muitos outros espermatozoides são necessários para desgastar a camada externa do óvulo e possibilitar a entrada do campeão, que é aquele que possivelmente queimou a largada.

11 – Ler em ambientes escuros faz mal à visão
Temporariamente, sim, pois a falta de luz cansa seus olhos e atrapalha o foco da visão, mas não há evidência científica de que a visão seja prejudicada em longo prazo.

Fonte: Mega Curioso

Curta nossa página no Facebook

Irmãos com deficiência visual da Zona Rural de Iguatu percorrem 60 km para cursarem Letras

Uma história de superação serve como inspiração para muitos moradores da zona rural de Iguatu. Na localidade de Malhada Limpa, no distrito de José de Alencar, distante 30 km do centro urbano, os irmãos Marcos e Edilândia Lavor, que possuem deficiência visual, congênitos, cursam licenciatura em Letras e percorrem todos os dias o caminho para a faculdade em um ônibus escolar.

Motivados, os irmãos querem ser professores de Português. Não medem esforços para vencer os obstáculos impostos pela vida e pela falta de acessibilidade. Uma delas é a escassez de material de estudo em braile. A faculdade não oferece essa possibilidade.

Os irmãos estudam na Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu (Fecli), unidade de ensino da Universidade Estadual do Ceará (Uece). Edilândia Lavor, 23 anos, cursa o quinto semestre. Marcos Lavor, 20 anos, é aluno do segundo semestre.

Todos os dias, eles percorrem um total de 60km até a instituição. Os irmãos decidiram continuar morando com a família no sítio Malhada Limpa, pois as condições financeiras e a atividade do pai, agricultor de base familiar, impedem a mudança para a cidade de Iguatu.

"Aqui a gente tem o apoio e o aconchego da família", diz Edilândia. E como eles fazem para estudar em casa? Graças ao avanço tecnológico e à chegada de sinal de internet na zona rural é possível ouvir textos por meio de um sistema de avançado de leitura implantado em computadores e smartphones.

O material é digitalizado por colegas bolsistas. Na Fecli não há impressora nem textos e livros em braile, dificultando o acesso ao material didático, pedagógico e de conteúdo das disciplinas.

Em casa, os dois estudam os conteúdos apresentados em sala de aula e fazem os trabalhos acadêmicos. Também participam de atividade em grupo, estudo coletivo à distância e se comunicam bem com os colegas. "Se não fosse a internet, seria impossível, não tínhamos como continuar estudando e morando aqui no sítio com a família", pontua Marcos.

Sonho
Os dois sonham em ser professores de Português. "A gente quer ensinar em uma sala regular, e não apenas para cegos", ressalta Edilândia Lavor.

Na Faculdade, os irmãos enfrentam a falta de material em braile. "Se houvesse textos com os conteúdos das disciplinas, a gente teria melhores condições de estudo e de aprendizagem", observam os estudantes.

Há ainda dificuldade física de locomoção no campus multi-institucional. O espaço é moderno, mas não tem adequações para acessibilidade. Falta sinalização de piso e existem obstáculos nas vias de pedestres como escadas de ferro. Para se locomover, é preciso contar com a ajuda de colegas.

Trajetória
Ambos estudaram até os oito anos de idade no sítio, na condição de ouvintes, pois não havia meios e materiais disponíveis para cegos. "A gente estava na escola, mas não era estudante realmente", lembra Edilândia. "Não participava das atividades".

Em Iguatu, na Escola Carlos de Gouvêa, foram alfabetizados em braile, em uma sala de inclusão, da Educação Especial. Concluíram o Ensino Fundamental e, depois, foram para o Liceu de Iguatu, onde terminaram o Ensino Médio.

O próximo passo foi enfrentar o vestibular na Uece e cada um a seu tempo conseguiu aprovação para o curso de Letras. Em casa, os irmãos têm o apoio dos pais. É uma moradia simples, no sertão, que nesta época do ano permanece seco. Há galinhas e capotes criados soltos, no terreiro de casa. O pai, batalhador, cuida de poucas cabeças de gado e no tempo da chuva faz roça de milho e feijão.

A vida da família é dura, mas ninguém perde a esperança em dias melhores. Não faltam união e apoio. "Fomos criados normalmente e isso nos ajudou bastante a ter força e motivação para superar as dificuldades", finaliza Edilândia Lavor.

HONÓRIO BARBOSA
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

Por que você não deve (e pode nem precisar) tomar suplementos vitamínicos

Cada vez mais a nossa rotina anda agitada e com diversas tarefas para serem realizadas. E na tentativa de evitar que o organismo tenha algum desfalque, muitas pessoas investem nos suplementos multivitamínicos. De acordo com uma pesquisa divulgada em 2016 pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Para Fins Especiais e Congêneres (Abiad), 54% dos lares têm pelo menos uma pessoa que usa suplementos alimentares. Desse montante, 48% consomem vitaminas.

A questão é que para conseguir manter o corpo saudável e livre de muitas doenças, não há a necessidade do consumo desses produtos. Basta investir em uma alimentação variada para conseguir levar ao organismo a quantidade ideal de ingestão de vitaminas.

Sem esquecer que os suplementos multivitamínicos, mesmo sendo vendidos sem prescrição médica, costumam ser mais indicados para pessoas com deficiência desses nutrientes, como por exemplo um atleta, vegano, vegetariano ou um indivíduo com carência devido alimentação desequilibrada ou a problemas de absorção de vitaminas.

Quanto mais melhor? Não nesse caso
É bom lembrar que o nosso corpo possui uma quantidade limite diária desses nutrientes que são absorvidos e utilizados de maneira correta --geralmente, esse valor é a referência de consumo ao longo de um dia. Manter uma quantidade diária acima do valor máximo, sem que a pessoa tenha uma doença que leve à deficiência vitamínica, por exemplo, pode causar toxicidade. E na maioria dos casos, isso acontece com a união da dieta e dos suplementos multivitamínicos sem o correto acompanhamento médico.

Quando usadas em excesso, as vitaminas hidrossolúveis (C e complexo B) são eliminadas pela urina, mas ainda assim podem causar algum tipo de intoxicação e possíveis problemas renais, por conta da sobrecarga dos rins na hora de filtrar essa maior quantidade de substâncias. Já as vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) permanecem no organismo, o que leva a diversos distúrbios. 

Turbine a absorção das vitaminas
Mas e se ocorrer tiver uma deficiência? Nesses casos, pode ser preciso sim suplementar. Mas primeiro é preciso verificar o quanto conseguimos aproveitar deles em cada alimento.

Isso porque é normal que não absorver 100% da quantidade do nutriente que o alimento contém. Por exemplo, 100 g de atum enlatado tem 2,5 mg de vitamina E. Mas isso não significa que o organismo irá consumir toda essa quantidade e de uma só vez. 

Normalmente, o nutriente entra no corpo aos poucos, mas esse processo varia de pessoa para pessoa, sendo importante uma avaliação médica da saúde intestinal do indivíduo a fim de saber se há algum desequilíbrio inflamatório ou de microbiota que interfira nessa absorção. 

Ao colocar no prato alimentos que contribuam para essa maior absorção no organismo, por exemplo, você pode aumentar essa biodisponibilidade. Para aumentar a vitamina A, o uso de 5 g de abacate ou azeite durante as refeições é uma ótima dica.

Fontes consultadas: Henrique Suplicy, endocrinologista, professor de endocrinologia e metabologia na Universidade Federal do Paraná e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e Juliana Garcia Dias, endocrinologista do Hospital Barra D´Or, membro titular da SBEM e da Endocrine Society; Alan Tiago Scaglione, nutricionista da Estima Nutrição, em São Paulo e especialista em suplementação nutricional aplicada ao Exercício pela Universidade de São Paulo (USP), Camille Perella, nutricionista e mestre em ciências médicas pelo Departamento de Endocrinologia no grupo de lipídeos da Faculdade de Medicina da Usp, Fernando Cerqueira, médico nutrólogo pela Associação Brasileira de Nutrologia (Abran)

Fonte: Viva Bem/UOL

Curta nossa página no Facebook

Polícia Civil do Ceará recebe mais mil novas pistolas

As mil novas pistolas de calibre 9mm pertencentes ao segundo lote da compra de armas da Polícia Civil do Estado do Ceará chegaram nesta quarta-feira (9), em Fortaleza, para serem incorporadas à carga da instituição.

As pistolas serão as primeiras deste modelo a serem utilizadas pelos policiais civis no Estado. Elas foram adquiridas pelo Governo do Ceará em processo licitatório internacional para a compra de novas armas de fogo.

O novo armamento, de modelo P320 e calibre 9mm, vai ampliar o poder bélico dos policiais civis cearenses. Em dezembro deste ano, a comissão criada para acompanhar as etapas do processo licitatório realizou uma visita técnica à sede da fabricante SigSauer para considerar aspectos técnicos das armas e avaliar os critérios descritos pela fabricante das pistolas. Tão logo as pistolas sejam incorporadas ao patrimônio da Polícia Civil, elas serão distribuídas aos agentes cearenses.

As mil novas unidades são parte do segundo lote do contrato firmado pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS/CE) e pela SigSauer, avaliado em R$ 1.697.000,00. Em agosto deste ano, 3.140 pistolas foram entregues e incorporadas às cargas das Polícias Civil e Militar. O contrato firmado entre as partes foi assinado em fevereiro do ano passado.

Referência nacional
O Ceará é o primeiro Estado do País a realizar um processo licitatório internacional para a compra de armas de fogo, que serão utilizadas por policiais civis e militares em todo o território cearense. O investimento realizado para a compra do armamento corresponde a uma economia de mais de 50% para os cofres públicos, em comparação a uma licitação nacional, que somaria um valor em torno de R$ 12 milhões.

A aquisição das armas são provenientes da Ata de Registro de Preço formada a partir do 1° Pregão Internacional de pistolas do Brasil, vencido pela fabricante das armas SigSauer, em novembro de 2017.

Assessoria de Comunicação/Governo do Estado do Ceará

Curta nossa página no Facebook

IFCE Crato oferta cursos de didática para concurso e redação para o Enem

O ano tem início com duas oportunidades de capacitação oferecidas pelo campus de Crato do IFCE. De 14 a 16 de janeiro, a instituição inscreve para dois cursos de extensão: Didática para Concursos e Redação para ENEM. Os cursos são gratuitos e abertos para a comunidade de externa. Os editais estão disponíveis no site ifce.edu.br/crato.

Didática para concurso
A formação tem carga horária de 80 horas/aula, que serão ministradas nas tardes de sábado (de 13h às 17h), a partir de 26 de janeiro. O curso abordará conteúdos como gestão educacional, a didática e o processo de ensino e aprendizagem e a psicologia da educação, entre outros assuntos. São 30 vagas ofertadas. A formação é voltada para professores que se preparam para concursos ou que já atuam na rede básica de ensino.

Redação para ENEM
O curso oferta 20 vagas para a comunidade externa e 5 vagas para alunos do campus. As aulas ocorrerão às quartas-feiras, de 30 de janeiro a 26 de junho, de 18h às 21h, com carga horária de 60 horas/aula. Entre os assuntos abordados, estão coesão e coerência, estrutura do texto dissertativo e técnicas de interpretação e leitura. Confira o projeto do curso.

Os interessados devem se inscrever de 14 a 16 de janeiro, de 7h30 às 11h30, no Departamento de Ensino do campus. Para realizar a inscrição, é necessário apresentar: ficha de inscrição devidamente preenchida (disponível no edital), documento de identificação com foto (original e cópia), CPF (original e cópia), uma foto 3x4, comprovante de endereço com CEP (original e cópia) e comprovante de escolaridade. A seleção dos candidatos é pela ordem de inscrição.

Serviço:

Inscrições para cursos de Didática para Concurso e Redação para ENEM
Quando: De 14 a 16 de janeiro, de 7h30 às 11h30
Onde: Na recepção do IFCE Crato, CE 292, km 15 – bairro Gizelia Pinheiro
Contato: (88) 98805-9188

Curta nossa página no Facebook

ShareThis