Haddad e Bolsonaro estão empatados: 50% a 50%, mostra Vox Populi

Realizada neste sábado, 27, a pesquisa Vox Populi mostra empate técnico entre os candidatos à Presidência da República, Jair Bolsonaro(PSL) e Fernando Haddad(PT). De acordo com o levantamento, cada candidato aparece com 50% dos votos válidos. A pesquisa, divulgada hoje, foi encomendada pelo site Brasil 247.

Considerando os brancos e nulos, os votos totais também indicam empate técnico entre os presidenciáveis. Bolsonaro e Haddad têm, cada um, 43% das intenções de votos. 9% declararam votar brancos ou nulo. Entre aqueles que não sabem ou não responderam o índice é de 5 pontos percentuais. 

Os candidatos também empatam na pesquisa espontânea, quando nome do presidenciável não é apresentado aos pesquisados. Bolsonaro aparece com 51% e Haddad com 49%. 

Com margem de erro de 2,2 pontos percentuais, a confiança do levantamento é de 95%. 2.000 eleitores, entre 16 anos oou mais, foram ouvidos em 121 municípios. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral em 21 de outubro, com o número BR-09614/2018.

Fonte: O Povo

Curta nossa página no Facebook

Debandada geral: Eleitores contam por que desistiram de Bolsonaro

A um dia do segundo turno das eleições, as pesquisas de intenção de voto mostram uma diminuição na vantagem do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT). Segundo a pesquisa Datafolha, divulgada na última quinta-feira, 25, a distância entre os candidatos caiu de 18 para 12 pontos. Entrevistamos eleitores que votariam em Bolsonaro, mas decidiram mudar de posicionamento e explicam por quê.

"Mudei meu voto porque ia votar em Bolsonaro única e exclusivamente pois queria a alternância do poder. Porém, consegui perceber o quão prejudicial seria esse candidato para a sociedade", relata Amanda Sampaio, fisioterapeuta de Salvador. Ela conta que havia escolhido Ciro Gomes no primeiro turno, mas pensava em votar no candidato Jair Bolsonaro no segundo turno. Para Sampaio, ele poderia "diminuir a questão da violência e criminalidade aqui no Brasil e achava saudável para o país que houvesse a alternância de poder", mas diz que tinha muito medo do que Bolsonaro poderia representar, especialmente "após ver vídeos com depoimentos gravíssimos dele".

A fisioterapeuta conta que a mudança de voto veio a partir de uma conversa com uma amiga que "perguntou educadamente nas redes sociais quem estava na dúvida sobre o voto e ela se dispôs a conversar civilizadamente". Sobre esse diálogo, ela relata que confiou nos argumentos da amiga porque eles eram coerentes e "ela estava completamente engajada". Não satisfeita em rever sua própria decisão, Sampaio também conversou com outras pessoas ao seu redor. "Convenci três pessoas a mudar o voto também! E estou muito esperançosa de que vamos virar essa eleição!", ressalta.

Já a catarinense Elaine conta que o que mudou sua opinião foram "a onda de violência e o histórico [de Bolsonaro]". Ela relata que tem amigos negros e gays e que eles "têm sofrido preconceito e isso me fez repensar a situação. Quando acontece perto da gente a reflexão é muito maior".

Apesar de votar em Fernando Haddad, Elaine deixa claro que não se sente representada por "nenhum dos dois candidatos". Ela se diz atônita com a situação política atual em que "parece que as pessoas estão torcendo para um time de futebol quando na verdade o que vale é colocar lá uma pessoa competente, que não tenha medo de fazer as mudanças que são necessárias".

Ter "amigos negros, familiares gays e muitas mulheres na família" também foi o motivo que fez Moema Alves Varzea, artista plástica do Rio de Janeiro, descartar o voto em Bolsonaro. Ela ressalta que não aceita "ser inferiorizada de maneira alguma, em nenhum aspecto da vida". Para Varzea, o motivo para votar em Haddad é "falta de opção melhor. É como se Haddad estivesse competindo sozinho".

Vereador de Ilhéus anuncia mudança de voto
O vereador Cesar Porto, da cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, conta que votou em Bolsonaro no primeiro turno, mas dará seu voto a Fernando Haddad no pleito do próximo domingo. Ele explica que desde o começo das eleições apoiou o candidato do PT ao governo da Bahia e que seria muito ruim para o estado ter um presidente "da direita e ferrenhamente inimigo do PT [Partido dos Trabalhadores]". Ele considera que a Bahia "iria perder com isso" e diz que o PT "tem trabalho muito em Ilhéus e na Bahia".

Além disso, Porto ressalta que essa mudança se deve ao fato de ele acompanhar o posicionamento oficial do seu partido, o Partido Democrático Trabalhista (PDT), mesma legenda de Ciro Gomes, que declarou apoio crítico ao candidato do PT no segundo turno.

Guerra jurídica nas redes
A diminuição da vantagem de Bolsonaro na pesquisa acontece após o Facebook anunciar, na semana passada, que havia tirado do ar 68 páginas e 43 contas pró-Bolsonaro por considerar que elas violavam "as políticas de autenticidade e de spam". No entanto, para Camilo Aggio, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e especialista em comunicação digital e eleições, a justiça atuou "tardiamente" no contexto eleitoral e as decisões judiciais geraram poucas repercussões. Ele ressalta que a capacidade da justiça de tomar decisões e efetivamente fazer fiscalizações no ambiente digital "ainda é muito restrita".

Aggio conta que acompanha alguns grupos de WhatsApp pró-Bolsonaro e que a primeira reação deles após a divulgação da última pesquisa de intenção de votos, que mostra a diminuição da vantagem do candidato do PSL com relação a Fernando Haddad, foi voltar a circular informações falsas sobre o "kit gay". A ação acontece mesmo depois de uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral que no dia 16 de outubro determinou a suspensão de links de sites e mídias sociais com a expressão "kit gay". O tema apareceu até na última edição do programa de rádio e TV do candidato.

O pesquisador considera que a retirada do ar das páginas de Facebook pode sim ajudar na diminuição da circulação de mensagens e favorecer o aparecimento de outros conteúdos, inclusive contestatórios, o que pode fazer com que os diferentes pontos de vista possam "competir com maior isonomia e equilíbrio".

Na opinião dele, no entanto, a redução da vantagem de Bolsonaro em relação a Haddad nas pesquisas de intenção de voto se deve mais a uma mudança na propaganda política do PT no rádio e na televisão, que atacou questões morais relativas a seu opositor. Os "arroubos autoritários de Bolsonaro e seus filhos", como quando Eduardo Bolsonaro disse que bastariam "um soldado e um cabo para fechar o Supremo Tribunal Federal", também podem ter contribuído para uma mudança de voto de vários eleitores.

Fonte: UOL (Com RFI)

Curta nossa página no Facebook

27 de outubro

1645 – Teodósio III de Bragança recebe o título de príncipe do Brasil do seu pai, D. João IV de Portugal.
1904 – É inaugurado o Metro de Nova Iorque.
2002 – Luís Inácio Lula da Silva (foto) é eleito presidente do Brasil, no dia do seu aniversário de 57 anos.

Nasceram neste dia…
1466 – Erasmo de Roterdã, humanista neerlandês (m. 1536).
1892 – Graciliano Ramos, escritor brasileiro (m. 1953).
1935 – Mauricio de Sousa, escritor, empresário, desenhista e cartunista brasileiro.

Morreram neste dia…
1968 – Lise Meitner, física austríaca (n. 1878).
1992 – David Bohm, físico quântico norte-americano (n. 1917).
2013 - Lou Reed, cantor, guitarrista e compositor norte-americano (n. 1942).

Fonte: Wikipédia

100 cães foram encontrados mortos em Juazeiro do Norte; polícia investiga caso

A polícia de Juazeiro do Norte investiga o caso dos cachorros encontrados mortos em uma área do bairro Campo Alegre, no município. Chega a 100 o número de cadáveres de animais colocados em terrenos na região. De acordo com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Juazeiro, a polícia esteve na área nesta terça-feira (23).

Na última sexta-feira (19), um morador da região denunciou o caso após encontrar restos mortais de cerca de 20 cachorros, e pelo menos um gato, incendiados em um terreno baldio. No dia seguinte, um segundo “cemitério de cães” foi encontrado por outro morador nas proximidades do primeiro local, onde havia cerca de 40 ossadas de cães. 

As hipóteses levantadas pela coordenação do Centro é de que os cadáveres dos animais podem ter sido desovados no local, ou mesmo mortos na área. Os cães foram queimados e estavam amarrados uns aos outros. 

A prefeitura do município, por meio do Centro de Zoonoses lançou nota sobre o caso. “Os animais foram vistos em dois lugares por moradores da comunidade, num matagal. O CCZ solicitou a CTI ambiental, após investigação policial na área, que os animais fossem retirados para incineração.”

Segundo a nota, há especulações de que um veículo Kombi, de cor branca, esteve recolhendo animais na cidade. A prefeitura solicita que a população auxilie nas investigações e denuncie alguma movimentação suspeita. 

Praticar maus-tratos contra animais é crime ambiental e está previsto na Lei 9605/98, que prevê pena com detenção de três meses a um ano, e multa.

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

25 de outubro

1147 - Termina o cerco de Lisboa, com a conquista da cidade aos mouros pelas forças de D. Afonso Henriques.
1415 - Guerra dos Cem Anos: inicia-se a Batalha de Azincourt.
1936 - O chanceler da Alemanha, Adolf Hitler, firma aliança com Mussolini, o primeiro-ministro fascista do Reino de Itália.

Nasceram neste dia…
1806 - Max Stirner, filósofo alemão (m. 1856).
1881 - Pablo Picasso (foto), artista espanhol (m. 1973).
1962 - Chad Smith, baterista da banda Red Hot Chili Peppers.

Morreram neste dia…
1495 - D. João II , rei de Portugal (n. 1455).
1764 - William Hogarth, pintor e gravurista britânico (n. 1697).
1973 - Abebe Bikila, maratonista etíope (n. 1932).

Fonte: Wikipédia

Ibope: Haddad ultrapassa Bolsonaro

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, ultrapassou o seu adversário no segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL), e lidera a intenção de voto na capital paulista, com 51% dos votos válidos, segundo pesquisa eleitoral do Ibope. O capitão reformado do Exército tem 49%.

No primeiro turno, o petista perdeu para o candidato do PSL. O ex-prefeito de São Paulo teve 19,7% dos votos paulistanos, contra 44,58% de Bolsonaro.

No interior paulista, no entanto, Bolsonaro lidera vantagem. Ele tem 71% dos votos válidos, e Haddad, 29%.

No conjunto do estado de São Paulo, o capitão reformado tem 64% dos votos válidos, contra 36% de Haddad.

São Paulo é o maior colégio eleitoral do país, com 33 040 411 de eleitores. Isto representa 22,4% de todo o eleitorado do país, que, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), soma 147 302 354 pessoas. A capital paulista possui 9 052 724 eleitores, ou seja, 27,3% do eleitorado. Com 23 987 687 de eleitores, o interior paulista representa aproximadamente 72,6% do total. 

Fonte: Veja.com

Curta nossa página no Facebook

Rejeição a Bolsonaro aumenta e indica vitória de Haddad, aponta Ibope

A pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira, 23, traz duas más notícias ao candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, além da redução de sua vantagem sobre Fernando Haddad (PT) de 18 para 14 pontos porcentuais. O instituto de pesquisas aponta um aumento na rejeição a Bolsonaro, isto é, no número de eleitores que não votariam nele de jeito nenhum, e diminuição no porcentual de eleitores que com certeza votariam no capitão reformado do Exército.

Segundo o instituto de pesquisas, descartaram votar no pesselista 40% do eleitorado, número que era de 35% no levantamento anterior, divulgado em 15 de outubro. Quanto à certeza de voto, o porcentual passou de 41% para 37%. A margem de erro da pesquisa Ibope é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos.

A rejeição a Jair Bolsonaro, que estava 12 pontos porcentuais abaixo da de Haddad há uma semana, agora tem apenas um ponto porcentual a menos. O petista era rejeitado por 47% dos eleitores, índice que foi a 41%. O número dos que declaram votar com certeza no ex-prefeito de São Paulo passou de 28% para 31%.

Responderam que poderiam votar em Bolsonaro 11% dos eleitores, índice que é de 12% para Haddad. Os que não conhecem os candidatos o suficiente para opinar são 11% para o deputado federal e 14% para o ex-prefeito. Eleitores que não sabem ou preferiram não opinar somam 2% para ambos.

Líder das pesquisas de intenção de voto válido no segundo turno, com 53% no Ibope, Jair Bolsonaro passou por desgaste nos últimos dias, após vir à tona um vídeo em que seu filho Eduardo Bolsonaro, deputado federal reeleito por São Paulo, declarou que bastam “um soldado e um cabo” para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF).

Diante da repercussão negativa e das manifestações de ao menos cinco ministros do STF, incluindo o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, o presidenciável desautorizou a afirmação de Eduardo e enviou uma carta ao decano do Supremo, ministro Celso de Mello, em que afirma que o “Supremo Tribunal Federal é o guardião da Constituição e todos temos de prestigiar a Corte”. Mello havia classificado a afirmação de Eduardo Bolsonaro como “inconsequente e golpista”.

No último domingo, 21, Jair Bolsonaro também deu declarações polêmicas. Em uma transmissão via celular para um ato em seu favor que ocorria na Avenida Paulista, em São Paulo, o candidato falou, em referência aos petistas, que “ou vão pra fora ou vão para a cadeia. Esses marginais vermelhos serão banidos de nossa pátria”.

Fonte: Veja.com

Curta nossa página no Facebook

Abono 2016 tem disponível R$ 35,7 milhões para 46,4 mil trabalhadores do Ceará

Ainda restam R$ 35,7 milhões do Abono Salarial ano-base 2016 disponíveis para 46,4 mil trabalhadores cearenses. Os beneficiários têm até 28 de dezembro para procurar uma agência bancária e sacar o dinheiro. Inicialmente, o prazo limite era 29 de junho, mas foi prorrogado após resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat).

Tem direito ao abono salarial ano-base 2016 quem estava inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos, trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2016, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos, e teve seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

A quantia a que cada trabalhador tem direito depende do tempo que ele trabalhou formalmente em 2016. Quem esteve empregado o ano todo recebe o valor cheio, que equivale a um salário mínimo (R$ 954). Quem trabalhou por apenas 30 dias recebe o valor mínimo, que é de 1/12, e assim sucessivamente.

Trabalhadores da iniciativa privada devem procurar a Caixa Econômica Federal. A consulta pode ser feita pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-726 02 07. Para servidores públicos, a referência é o Banco do Brasil, que também fornece informações pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-729 00 01.

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

Cariri terá o sinal analógico de TV desligado dia 31

Este é o último fim de semana antes do desligamento do sinal analógico em algumas cidades do Cariri (Juazeiro do Norte, Barbalha, Caririaçu, Crato e Missão Velha), que será realizado na próxima quarta-feira, dia 31. Por isso, se você já retirou o kit, mas ainda não fez a instalação do equipamento, aproveite o fim de semana para instalar seu conversor e sua antena digital. Quem não se preparar nos próximos dias ficará sem TV.

Vale lembrar que os televisores de tubo ou de tela plana fabricados até 2010 precisam de conversor para receber o sinal digital. Se sua TV já possui conversor embutido, basta conferir se sua antena é adequada para recepção do sinal.

O processo é simples. O mais indicado é instalar sua antena no telhado da casa. Depois, conecte o conversor à sua TV e faça a sintonia dos canais. Se ainda tiver dúvidas, ligue gratuitamente para o 147.

Na região, o desligamento do sinal analógico já começou. A qualquer momento, as emissoras podem desligar o sinal e a transmissão será feita apenas pelo sinal digital. 

Curta nossa página no Facebook

Bolsonaro omite da Justiça detalhes de gastos do primeiro turno

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) não informou até o momento à Justiça Eleitoral, de forma discriminada, diversos gastos de sua campanha, incluindo os detalhes de viagens que fez a pelo menos 16 cidades de 7 estados, onde ele, sua comitiva e aliados participaram de carreatas e comícios em caminhões de som.

A poucos dias do segundo turno, o candidato declarou pagamento a apenas seis pessoas: o coordenador financeiro, dois auxiliares, dois seguranças e a intérprete de libras.

Segundo dados da prestação de contas parcial ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Bolsonaro informou, até agora, custo de R$ 955 mil na campanha do primeiro turno, excluídas doações a outros candidatos.

Por lei, toda a movimentação financeira dos candidatos feita até 8 de setembro —o grosso da campanha de Bolsonaro ocorreu antes disso, já que ele sofreu um ataque a faca no dia 6 de setembro— deve ser informada de forma discriminada à Justiça Eleitoral, para divulgação na internet.

A declaração de gastos entregue pelo candidato do PSL é bem inferior ao da maior parte das outras campanhas presidenciais.

As contas do capitão reformado somam 27 itens de gasto (R$ 843 mil) até o dia em que sofreu o atentado.

Os maiores valores são R$ 285 mil para uma agência de viagens, locação de veículos e hospedagem, a Pontestur, R$ 135 mil para a Mosqueteiro Filmes, empresa de produção dos programas de TV e rádio, e R$ 115 mil para a AM4 Brasil Inteligência Digital, de serviços da internet.

Além da ausência do detalhamento do custo das viagens, não há informação sobre aquisição de suprimento para os dois comitês de campanha cedidos pelo PSL.

A Folha enviou perguntas detalhadas aos principais advogados responsáveis pela campanha de Bolsonaro e à assessoria do candidato no início da tarde desta segunda-feira (22). Voltou a insistir nesta terça-feira (23). Não houve resposta.

A campanha de João Amoêdo (Novo), por exemplo, também com tempo de propaganda similar, listou 200 itens até 6 de setembro, em um total de R$ 2 milhões de gastos —incluindo compra de suprimentos como papel higiênico, toalha, locação de máquina de café expresso, lâmpadas e plástico bolha.

Adversário de Bolsonaro neste segundo turno, a campanha do PT —com Lula, depois substituído por Fernando Haddad— listou 311 itens de gasto, com R$ 19,1 milhões de custo declarado no mesmo período.

Entre o começo oficial da campanha, em 16 de agosto, e o atentado que o levou ao hospital, a Folha identificou nas viagens de Bolsonaro um padrão: carreatas, comícios, usos de caminhões de som e entrevistas coletivas em hotéis em praticamente todas as cidades que visitou.

Não há, porém, discriminação sobre quem pagou ou quanto custou o transporte aéreo ou terrestre, gasolina, hospedagem, alimentos, água, suprimentos, aluguel de salões de hotéis, caminhões de som e demais equipamentos dos comícios e carreatas.

Bolsonaro começou a campanha em São Paulo, em 17 de agosto. No dia seguinte, foi à Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ).

De 22 a 25 de agosto, percorreu o interior paulista: Presidente Prudente, Araçatuba, Glicério, São José do Rio Preto e Barretos.

No dia 27 de agosto, já estava de volta ao Rio de Janeiro, onde mora, e no dia 29 foi ao Rio Grande do Sul. Em 31 de agosto, viajou a Rondônia e no dia seguinte, seguiu para o Acre.

Em 3 de setembro fez campanha no Rio, depois no Distrito Federal e, por fim, em Juiz de Fora (MG), onde sofreu o atentado.

Há no site do TSE apenas o dado genérico do pagamento dos R$ 285 mil à empresa Pontestur.

A Folha fez perguntas por telefone a um dos responsáveis pelo grupo, Luís Pontes, que concordou em ligar de volta com as respostas, mas isso não ocorreu até a publicação desta reportagem.

O capitão reformado e seus aliados também afirmaram várias vezes ter amplo apoio voluntário, mas a lei (artigo 61 da resolução do TSE 23.553/2018) exige que todo trabalho de campanha, remunerado ou não, seja informado e divulgado na internet.

O valor, que entra na prestação como doação ao candidato, tem que ser calculado "mediante a comprovação dos preços habitualmente praticados pelo doador e a sua adequação aos praticados no mercado, com indicação da fonte de avaliação".

O valor do trabalho voluntário à campanha tem que estar dentro do limite de 10% da renda da pessoa. Caso ultrapasse, ela pode ser multada.

Bolsonaro, que é deputado federal e presta contas eleitorais há cerca de 30 anos, informou até agora ter apenas dois voluntários em sua campanha, seu braço direito e presidente do PSL, Gustavo Bebianno (cujo trabalho foi estimado em R$ 10 mil), e um auxiliar.

Ficam de fora, por exemplo, a mulher de Bebbiano, Renata, que coordena a agenda de compromissos do presidenciável e atua na interlocução com a imprensa, e um dos principais advogados da campanha, Tiago Ayres.

Depois do resultado do primeiro turno, em 7 de outubro, a campanha alterou a forma de prestar contas.

Ela informou detalhadamente o custo da entrevista coletiva no hotel Windsor, no Rio —R$ 43 mil, com descrição do valor do aluguel do salão (R$ 5.300), número de recepcionistas (7) e coordenadores de eventos (32), além do material usado: 88 grades de contenção, 4 detectores de metal, 20 rádios de comunicação e 1.500 pulseiras de acessos, entre outros itens.

A lei eleitoral (9.504/97), ratificada pela resolução 23.553/2018 do TSE, obriga —em seu artigo 50, inciso II— todos os candidatos a informar à Justiça até 13 de setembro, de forma discriminada, a movimentação de receitas e gastos de sua campanha realizadas até 8 de setembro.

O parágrafo sexto do mesmo artigo estabelece que "a não apresentação tempestiva da prestação de contas parcial ou a sua entrega de forma que não corresponda à efetiva movimentação de recursos pode caracterizar infração grave, a ser apurada na oportunidade do julgamento da prestação de contas final.

No caso de desaprovação, as contas são encaminhadas ao Ministério Público Eleitoral para avaliar a proposição de ação de investigação judicial, questionando se houve abuso de poder econômico ou político.

Se as contas de um candidato são aprovadas com ressalva, o plenário do TSE pode decidir encaminhar o caso para o Ministério Público. Independentemente disso, o procurador ou algum partido político pode pedir abertura de investigação judicial eleitoral.

Por estar participando do segundo turno das eleições, Bolsonaro tem até 17 de novembro para entregar as prestação final de contas (artigo 52), "apresentando a movimentação financeira referente aos dois turnos".

Apesar da lei, tribunais consideraram até eleições passadas que omissões na prestação parcial, quando são sanadas, representam falhas formais não suficientes para rejeição das contas.

Em julgamentos recentes, porém, ministros do TSE, entre eles o ex-presidente da corte, Gilmar Mendes, manifestaram a necessidade de rediscutir essa postura a partir das eleições de 2018, sob risco de tornar inócua a exigência de prestação de contas parcial.

Em abril deste ano, o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques, assinou parecer no qual afirma que a apresentação da prestação de contas parcial não pode ser "considerada vício meramente formal, ainda que declaradas as receitas e despesas na prestação de contas final".

"A tese jurídica que confere caráter meramente formal à regra que impõe aos candidatos e partidos a prestação de contas parcial subtrai completamente sua força normativa e sinaliza para os destinatários da obrigação a desnecessidade de seu cumprimento", escreveu o procurador.

Entre as perguntas enviadas pela Folha à campanha de Bolsonaro estão o motivo de não ter havido discriminação dos gastos com viagens e do pessoal que efetivamente trabalha na campanha.

A única resposta dada foi da assessoria do escritório de Karina Kufa, que afirmou que "as informações em relação à prestação de contas serão fornecidas dentro do prazo legal, qual seja, 17.11".

A Folha questionou por que não houve cumprimento do prazo em relação à prestação de contas parcial. Não houve resposta.

Como Bolsonaro declarou despesas e o que diz a lei eleitoral

Pessoal
Bolsonaro declarou gasto relativo a apenas seis pessoas. Qualquer prestação de serviço ou participação na campanha, mesmo que voluntária e gratuita, deve ser declarada pelo candidato beneficiado. O valor financeiro deve ser estimado, tendo como base parâmetros de mercado

Eventos
No primeiro turno, Bolsonaro e sua equipe visitaram ao menos 16 cidades de 7 estados, locais onde participou de comícios em caminhões de som, deu entrevistas em hotéis e participou de encontros. A prestação de contas tem que ser detalhada e discriminada, item a item. A campanha fez uma declaração genérica de contratação de uma agência de viagens, ao custo de R$ 250 mil, mais R$ 35 mil de custo estimado com passagens aéreas

Conselheiros
Desde a pré-campanha Paulo Guedes e outros economistas auxiliam Bolsonaro na formulação do programa de governo e em preparativos para entrevistas e debates. Um grupo de militares e aliados também se reúne periodicamente em hotel de Brasília para discutir propostas. Técnicos em legislação eleitoral se dividem sobre a necessidade de declaração, mas, em regra geral, toda ação vinculada a campanha deve ser declarada, com custo real ou custo estimado

Agenda e imprensa
A mulher do presidente do PSL, Gustavo Bebbiano, coordena a agenda de Bolsonaro e atua também na interlocução com a imprensa. Não há declaração sobre esse serviço e seu custo. Qualquer prestação de serviço ou participação na campanha, mesmo que voluntária e gratuita, deve ser declarada pelo candidato beneficiado. O valor financeiro deve ser estimado, tendo como base parâmetros de mercado

Alimentação e suprimentos
Não há nenhum gasto específico declarado pela campanha com alimentação e suprimentos. Todo gasto resultante de atividades de campanha deve ser declarado pelo candidato. A campanha de João Amoedo (Novo), por exemplo, declarou gastos com toalha, papel higiênico, locação de máquina de café expresso, lâmpadas e kit de plástico bolha, entre outros

Área jurídica
Um dos principais responsáveis pela área jurídica da campanha é o advogado Tiago Ayres. Não aparece gasto relativo a ele na prestação de contas

Fonte: Folha.com

Curta nossa página no Facebook

Governo do Estado inaugura mais três brinquedopraças no Cariri

De olho no desenvolvimento dos pequeninos, o Governo do Ceará, por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e do Gabinete da Primeira-Dama, inaugura, esta semana, mais três brinquedopraças no Cariri. Os equipamentos integram o pilar Tempo de Brincar, do Programa Mais Infância Ceará, idealizado pela primeira-dama Onélia Santana que, ao lado da secretária-executiva da STDS, Luciene Rolim, entrega o novo espaço de lazer aos cidadãos de Mauriti, nesta quinta-feira (25). Já na sexta-feira (26), o titular da Pasta, Francisco Ibiapina, e a primeira-dama inauguram as brinquedopraças de Assaré e de Farias Brito.

Voltadas para crianças de dois a 12 anos, as brinquedopraças são estruturas cercadas, com áreas de aproximadamente 250m², compostas por piso anti-impacto e oito brinquedos. O investimento em cada equipamento é de cerca de R$ 180.000,00. A ação foca nos benefícios dos jogos infantis para o desenvolvimento físico, cognitivo e emocional das crianças e reforça o convívio familiar e comunitário dos pequenos. A contrapartida do município é a manutenção da praça em bom estado de uso e conservação.

Até o momento, o Governo do Ceará já realizou a entrega de 52 equipamentos nos municípios de Alto Santo, Aracati, Araripe, Banabuiú, Barro, Brejo Santo, Campos Sales, Caririaçu, Chorozinho, Coreaú, Crato, Granjeiro, Guaramiranga, Ibiapina, Ibicuitinga, Independência, Ipueiras, Iracema, Irauçuba, Itaitinga, Itatira, Jaguaribe, Jaguaruana, Jardim, Jati, Juazeiro do Norte, Jucás, Missão Velha, Milagres, Mombaça, Moraújo, Morrinhos, Nova Olinda, Nova Russas, Ocara, Orós, Paraipaba, Porteiras, Quixadá, Reriutaba, Russas, Santana do Cariri, Tamboril, Tarrafas, Ubajara, Várzea Alegre, duas em Redenção, duas Baturité.e duas em Fortaleza.

Desenvolvimento Infantil
O Programa Mais Infância Ceará tem como foco a promoção do desenvolvimento infantil, estruturando-se em três pilares: Tempo de Crescer, Tempo de Brincar e Tempo de Aprender. Com a compreensão de que o desenvolvimento infantil requer abordagem integral e integrada, o Tempo de Crescer visa a construção de uma rede de fortalecimento de vínculos familiares e comunitários através de serviços e formações que contemplem profissionais, pais e cuidadores.

O Tempo de Brincar foca nos benefícios da brincadeira para o desenvolvimento infantil, além de intensificar a socialização e a integração à cultura de sua comunidade. O intuito é construir e revitalizar espaços públicos que garantam o direito da criança ao brinquedo e à brincadeira. Já o Tempo de Aprender entende a escola como direito de todos, buscando atender a meta de universalizar a oferta de pré-escola e ampliar a oferta de creches.

Serviço:

25 de outubro (quinta-feira)

Mauriti
Horário: 18 horas
Local: Praça Maria da Glória Dantas de Caldas Rufino – Rua 02, s/n, Bela Vista

26 de outubro (sexta-feira)

Assaré
Horário: 16 horas
Local: Praça do Centro Social – Rua José Euclides Onofre com Rua José Onofre de Sousa

Farias Brito
Horário: 18 horas
Local: Praça Menino Jesus de Praga – Rua Maria Carmelita Leite, s/n

Assessoria de Imprensa/Gabinete da Primeira Dama

Curta nossa página no Facebook

Estudante da URCA é agredido por apoiadores de Bolsonaro em Juazeiro do Norte

Um jovem universitário de 21 anos foi agredido a socos, pontapés e golpes com fio elétrico por supostos apoiadores do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), no início da noite de ontem (23), no bairro Triângulo, em Juazeiro do Norte. Mateus Lira de Souza estava saindo de casa para trabalhar como barman quando três homens o abordaram.

Segundo o estudante, o crime aconteceu por volta das 19h. Os agressores estavam em carro branco e começaram a xingá-lo de “comunista safado” ao vê-lo com um adesivo do candidato à Presidência da República, Fernando Haddad (PT). “Eu ignorei porque estava sozinho numa rua escura. Mesmo assim, insistiram”, conta Lira.

Os homens desceram do veículo e imediatamente deram um soco. Depois, começaram a dar pontapés no jovem. Neste momento, um senhor que estava numa carroça passando pela rua pediu para os três parassem as agressões. “Aí eles foram embora”, conta o estudante. Antes de partirem, Lira garante que um dos agressores gritou: “Quando Bolsonaro ganhar, vamos acabar com esses viado tudo”, lembra.

Lira ficou com escoriações nas costas, no joelho e cortes no rosto e no braço. O estudante foi até a Delegacia de Polícia Civil de Juazeiro do Norte e registrou um Boletim de Ocorrência. Hoje pela manhã, foi realizar exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal de Juazeiro do Norte.

ANTONIO RODRIGUES
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

Enem 2018: Tudo que você precisa saber sobre a prova em 20 perguntas

Criado em 1998, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) tinha 63 questões, era aplicado em apenas um dia e registrava pouco mais de 150 mil inscrições.

Ao longo de sua vida, ele foi reformulado, ganhou importância, acumulou funções e tornou-se o segundo maior exame de acesso ao ensino superior do mundo - só perde para o da China, o "gaokao". Na edição de 2018 do Enem são mais de 5,5 milhões de inscritos.

A BBC traz 20 perguntas e respostas sobre o exame que completa, neste ano, duas décadas. Confira:

1) Por que o Enem ficou tão importante? Afinal, para que serve a prova?
O Enem se tornou o principal acesso ao ensino superior do Brasil. A maioria das universidades públicas abandonou o tradicional vestibular e utiliza as notas do Enem para selecionar alunos, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

O Ministério da Educação também aproveita o desempenho dos candidatos no Enem para distribuir as bolsas de estudo nas universidades particulares, por meio do Programa Universidade para Todos (Prouni), e para preencher as vagas do Financiamento Estudantil (Fies).

2) Quando vai ser a prova? Por que ela é aplicada em dois domingos?
Nos dias 4 e 11 de novembro, pelo segundo ano consecutivo ela será aplicada em dois domingos. Até então, as provas aconteciam em um fim de semana seguido, no sábado e no domingo.

A mudança ocorreu após uma consulta pública feita pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) no início do ano passado. Mais de 600 mil pessoas responderam às perguntas do governo federal, e 42% optaram por mudar a prova para dois domingos.

3) Como faço para saber qual será meu local de prova?
É preciso acessar o cartão de confirmação de inscrição na Página do Participante (https://enem.inep.gov.br/participante), com CPF e senha.

O cartão contém informações como número de inscrição, endereço do local onde o aluno fará as provas, número da sala e outros detalhes como a língua estrangeira escolhida pelo candidato - inglês ou espanhol.

Antigamente, o MEC enviava estes cartões pelos Correios, mas, para economizar, optou somente pela versão digital.

4) É possível mudar meu local de provas?
Não. O Inep já definiu toda a logística para aplicação do exame a partir dos endereços distribuídos.

5) Posso comparecer somente em um dos dias?
O edital não proíbe que um candidato faça apenas um dos dias de provas. Entretanto, este aluno dificilmente vai atingir pontuação necessária para conseguir vaga na faculdade ou ser beneficiado pelos programas de acesso do governo federal.

6) O que cai em cada um dos dias de provas?
No primeiro dia são as provas de linguagens, ciências humanas e redação. São cinco horas e trinta minutos de duração. No segundo dia é a vez de ciências da natureza, que compreende as disciplinas de química, física e biologia, além de matemática. São cinco horas de duração.

7) São quantas questões?
Cada prova objetiva tem 45 questões. São, portanto, 180 questões de múltipla escolha no total. A redação deve ter o mínimo sete e no máximo 30 linhas.

8) Como é a redação, o que é cobrado? É possível ter uma ideia sobre o tema que cai?
A redação é um texto em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, segundo a Cartilha do Participante do Enem 2018. São cobradas cinco competências, que recebem pontuação de 0 a 200.

São elas: domínio da norma da modalidade escrita formal; compreensão da proposta de redação; organização, interpretação de fatos e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstração de conhecimentos dos mecanismos linguísticos; e elaboração de proposta de intervenção.

Os temas são sempre sobre assuntos de "ordem social, científica, cultural ou política", de acordo com a cartilha. No ano passado, os candidatos tiveram de escrever sobre os "Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil". Em 2016, o tema foi "Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil", e no ano anterior, "A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira".

9) Qual o horário de aplicação das provas?
As provas começam sempre às 13h30, pelo horário de Brasília. Porém, é preciso ficar atento, porque exatamente no dia da primeira prova, em 4 de novembro, entra em vigor o horário de verão. Dez Estados, além do Distrito Federal, deverão adiantar o relógio em uma hora.

10) É possível deixar a sala de prova a qualquer momento?
Não. Nenhum candidato poderá deixar o local de prova antes das duas primeiras horas, segundo o Inep.

Caso seja um dos três últimos participantes presentes na sala de provas, só poderá sair juntamente com os outros dois candidatos, depois de assinar a ata de sala.

11) Posso usar o banheiro durante a prova?
Sim. A partir das 13h, quando os portões forem fechados, os candidatos que quiserem ir ao banheiro serão acompanhados por fiscais.

12) O que eu preciso levar para o dia para prova?
É necessário levar caneta esferográfica de tinta preta e fabricada em material transparente e documento oficial de identificação original com foto.

Para não ter problemas, leve mais de uma caneta. Também é recomendado levar água e pequenos lanches, como barras de cereais.

13) O que eu não posso levar?
Nenhum dispositivo eletrônico como relógio, alarme, calculadora, além de itens como borracha, caneta de material não transparente, fones de ouvido, lápis, lapiseira, livros ou manuais.

Também não é permitida a entrada de candidatos com óculos escuros, boné, chapéu, viseira, gorro ou qualquer acessório que cubra os cabelos ou as orelhas.

14) Mas, então, não posso levar o celular no dia da prova?
Pode, mas antes de entrar na sala ele deverá ser desligado para ser guardado dentro de um envelope porta-objetos que será fornecido pelos fiscais.

A mesma regra serve para outros equipamentos eletrônicos. De acordo como Inep, o envelope porta-objetos deverá ser lacrado e identificado pelo participante antes de ingressar na sala de provas e ser mantido até a saída definitiva do local, embaixo da carteira durante a realização das provas.

15) Possuo alguma deficiência ou sou lactante, tenho direito a algum atendimento especial?
Pessoas com algum tipo de deficiência, idosos, gestantes e lactantes têm direito a atendimento especial.

Entretanto, esta solicitação deveria ser feita durante o período de inscrição. Agora não há mais tempo hábil para este tipo de pedido.

Segundo o Inep, os candidatos que solicitaram algum atendimento especial e tiveram seus pedidos negados foram informados por email ou via SMS.

16) Com o Enem eu consigo a certificação do Ensino Médio?
Não mais. Desde o ano passado, o Enem perdeu essa função, e a certificação do Ensino Médio voltou a ser feita por um exame específico chamado Encceja.

17) É possível usar o Enem para estudar no exterior?
Sim, 35 instituições de ensino superior de Portugal já utilizam o Enem em seus processos seletivos para receber brasileiros. Mas há outras universidades na França, Irlanda, Reino Unido e Canadá.

18) Quando saem os gabaritos? E os resultados?
Os gabaritos serão divulgados até o dia 14 de novembro, segundo o Inep. Já os resultados, só em janeiro de 2019. Logo depois das provas, cursinhos pré-vestibulares costumam fazer correções extraoficiais.

Por meio delas, o candidato pode ter uma ideia de como foi na prova - mas só vale para tentar conter a ansiedade, porque este resultado não é oficial.

19) Se eu acertei muitas questões terei uma boa nota?
Nem sempre. Para calcular as notas, o Enem utiliza uma metodologia chamada Teoria de Resposta ao Item (TRI), que não leva em conta somente o número de acertos, e sim o nível de dificuldade de cada questão correta. Por isso, candidatos que tiveram o mesmo número de acertos podem ter notas diferentes.

20) Ainda dá tempo de me preparar?
O Enem cobra o conhecimento adquirido durante os três anos do ensino médio. Agora, o que ainda dá para fazer é resolver os exercícios das provas anteriores disponíveis em http://portal.inep.gov.br/provas-e-gabaritos, além de ler sobre atualidades e escrever redações como treino.

Fonte: BBC Brasil

Curta nossa página no Facebook

MPF recomenda retificação em edital de privatização do Aeroporto de Juazeiro do Norte

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou inquérito civil para apurar irregularidade no edital do leilão para privatização do aeroporto de Juazeiro do Norte, no Cariri cearense. Uma recomendação foi enviada ao Secretário Nacional de Aviação Civil do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação para que um item do contrato de concessão do aeroporto seja retificado.

O MPF percebeu inconsistência no edital de leilão do aeroporto, o qual exige que a concessionaria vencedora mantenha uma infraestrutura de pistas e terminais compatíveis com aeronaves da classe 3C, de tamanho menor que algumas aeronaves que já operam no Aeroporto (4C), como alguns modelos de Boeing e Airbus.

"Incluir cláusula contratual ao operador do aeródromo que assegura infraestrutura mínima compatível com a atual demanda operativa de aeronaves, em vez de confiar em mera expectativa ordem econômica, vai ao encontro do interesse público e da massa coletiva de usuários do equipamento e serviços de transporte correlatos", explica o procurador.

Esse item do contrato contraria inclusive os parâmetros da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que estabelece a categoria 4C como aeronave crítica para operação no aeroporto de Juazeiro do Norte.

Em resposta ao inquérito, a Secretaria de Aviação Civil (SAC) afirmou que "a regra não estabelece um teto e sim um piso de condições mínimas as quais o aeroporto deverá atender para assegurar operações de voos regulares ainda que em condições climáticas adversas".

A SAC também alega que, assim como em outros aeroportos concedidos com a mesma cláusula, haverá o interesse do operador do aeroporto de manter condições para aviões maiores, mesmo que não seja contratualmente obrigado a isso.

O procurador da República Rafael Rayol, autor da recomendação, destaca que não vê razão, de ordem técnica ou jurídica, para não assegurar, já na minuta do contrato a ser firmado, a obrigação de manter infraestrutura mínima de pátio e pistas compatíveis com as aeronaves de maior porte já em operação no aeroporto.

A SAC tem dez dias para manifestar-se acerca do acatamento à recomendação.

Assessoria de Comunicação/MPF

Curta nossa página no Facebook

“Vamos ganhar a eleição”, diz Haddad em ato de apoio

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, deu um tom otimista para a reta final da campanha eleitoral. Em discurso no encerramento de um ato de apoio no Rio, na noite desta terça-feira, 23, o petista disse sentir, “desde ontem (segunda-feira)”, um clima de “virada” no ar, defendeu que se “abrace” o eleitor de baixa renda que sempre votou no PT e voltou a atacar o adversário, Jair Bolsonaro (PSL).

“Vamos ganhar a eleição. Não tenho dúvida”, afirmou Haddad, logo no início do discurso, em um palco montado nos Arcos da Lapa, ponto turístico do bairro boêmio do Centro do Rio. “Bolsonaro disse em discurso transmitido na Avenida Paulista no domingo que, depois das eleições, eu teria dois destinos: a prisão ou o exílio. Resolvi derrotar Jair Bolsonaro no domingo”, disse o petista.

O ato foi organizado para demonstrar apoio da classe artística a Haddad. O tom otimista inflamou o público – a organização falou, ao microfone, em 70 mil pessoas na praça abaixo dos Arcos da Lapa – e contrastou com o discurso do rapper Mano Brown. O cantor e compositor criticou o clima de festa e culpou a falha de comunicação do PT com os eleitores das classes populares pela eventual eleição de Bolsonaro, que considera definida. “Falar bem do PT para a torcida do PT é fácil. Tem uma multidão que não está aqui que precisa ser conquistada”, disse o rapper.

Ao discursar no encerramento do ato, Haddad disse que entendia e respeitava o que disse Brown. “O que ele disse é sério”, afirmou o candidato do PT, defendendo que é preciso “dar razão” às pessoas que estão votando em Bolsonaro não porque confiam nele, mas porque “estão desesperadas”. “Temos que, nesta semana, abraçar essas pessoas, que sempre estiveram conosco”, afirmou Haddad.

O petista também criticou Bolsonaro e sua recusa a participar de debates. Numa referência à entrevista com Bolsonaro transmitida nesta terça-feira pela afiliada do SBT no Piauí, em que Bolsonaro disse que era preciso acabar com o “coitadismo” das minorias, Haddad subiu o tom. “Jair, se olha no espelho. Coitado é você, que não passa de um soldadinho de araque que fala grosso porque tem gente armada em volta”, afirmou Haddad, lembrando que Bolsonaro evitou os debates no segundo turno e citando o que chamou de falta de propostas, tanto como parlamentar quanto como candidato.

No fim do discurso, Haddad defendeu o direito à manifestação por parte dos movimentos sociais. Dirigindo-se ao candidato derrotado pelo PSOL no primeiro turno e líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), o candidato do PT disse que Guilherme Boulos tem que ter o direito de se manifestar sem ser ameaçado. “No nosso governo, vá para as ruas, Boulos”, exclamou Haddad.

Fonte: Istoé

Curta nossa página no Facebook

Obras de ampliação do aeroporto de Fortaleza chegam a 26%

Potencializar o turismo e a economia do Estado, dobrando o número de passageiros que passam pelo Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. Este é o objetivo das obras de ampliação do equipamento, que se encontram em 26% concluídas, e recebeu, nesta terça-feira (23), a visita do governador Camilo Santana e comitiva. A empresa Fraport Brasil – Fortaleza, subsidiária da alemã Fraport AG Frankfurt Airport Services Worldwide, em acordo de concessão com o Governo do Ceará, está responsável pela reforma. O investimento no projeto é de R$ 1 bilhão para a realização das fases 1B e C.

“É um grande investimento de ampliação e modernização em que vamos praticamente dobrar o aeroporto em termos de área, criando novos acessos, aumentando o estacionamento. Todo um planejamento para bagagens, aumento da pista. O importante é que estamos fortalecendo o fluxo, só de voos internacionais passamos de oito para 48 e a tendência é aumentar para 60 no ano que vem. Há interesses em companhias de ampliar o número de voos. O aeroporto de Fortaleza se consolida como um grande hub aéreo e isso significa que temos que garantir condições para acolher esses passageiros”, disse Camilo Santana.

Entre as principais mudanças no aeroporto estão a ampliação do terminal de passageiros, adequações no sistema viário e das vias de taxiamento, além da expansão de pista de pouso e decolagem. A expectativa para o fim das obras é maio de 2020. O orçamento une a contratação do consórcio, a compra de equipamentos, o desenvolvimento e a gestão do novo prédio.

Participando também da visita, o secretário do Desenvolvimento Econômico, César Ribeiro, destaca os benefícios para o crescimento do Ceará com a ampliação dos voos. “Foi feito um estudo prévio do impacto econômico, que está previsto em mais de R$ 1 bilhão com o hub, com criação de empregos formais e informais em mais de 80 mil postos de trabalho, além das exportações e o aumento do fluxo de passageiros. O resultado do modal aéreo é de mais de 14 toneladas semanais da produção cearense pela KLM e quatro toneladas semanais pela Air France. O objetivo é fomentar para que tragam ainda mais oportunidades para o setor produtivo do Estado”.

Lucio Gomes, secretário da Infraestrutura, também reforçou a necessidade de revitalização do Aeroporto de Fortaleza para esta nova etapa. “A expectativa é que o Ceará vá de fato para um patamar internacional. Isso significa mais empregos para taxistas, oportunidades para o artesanato, restaurantes, hotéis, toda a cadeia de desenvolvimento vai ser alavancada por causa desse movimento e precisávamos de um bom equipamento, já que o antigo aeroporto estava saturado. As pontes de embarque vamos passar de 7 para 15. Este ano, já teremos algumas mudanças e ao longo de 2019 serão entregues outras etapas, até a conclusão em 2020. Assim estaremos em plena condição de fortalecer a economia do Ceará”.

A presidente da Fraport Brasil – Fortaleza, Andreea Pal, indicou quais serão as próximas etapas da obra. “O próximo passo será a entrega da ampliação do embarque doméstico. Para abril ou maio vamos abrir a nova área para check-in, que passará por modernização. No próximo mês será inaugurada uma nova área de inspeção de segurança”.

Concessão
A Fraport conquistou a concessão do Aeroporto Internacional Pinto Martins em leilão realizado em 16 de março de 2017, na sede da Bolsa de Valores de São Paulo. A empresa vai gerir o aeroporto pelo período de 30 anos, mediante lance de R$ 1,5 bilhão – R$ 425 milhões pagos no arremate.

Atualmente, os alemães administram 30 terminais distribuídos por Europa, Ásia e América do Sul, entre eles o aeroporto de Frankfurt, um dos mais movimentados do mundo.

Hub da Air France-KLM e Gol
A capital cearense foi escolhida para sediar o centro de conexões das companhias Air France, KLM e Gol no Nordeste.

No dia 3 de maio de 2018, Fortaleza recebeu os dois primeiros voos diretos vindos de Paris, na França, e de Amsterdam, na Holanda. A chegada das aeronaves da KLM, de Amsterdam; e da Joon/Air France, vinda de Paris, na qual estava o governador Camilo Santana, consolidaram o início das operações do centro de conexões da Air France/KLM/GOL no Aeroporto de Fortaleza.

Com os novos voos, o Governo do Ceará calcula um aumento no número de turistas estrangeiros entre 60 e 70 mil por ano. Ao final de dois anos, o incremento deve ser de cerca de 150 mil turistas, que é a metade do fluxo internacional atual. Já em números domésticos, o hub deve ser responsável por um aumento de 1,5 milhão de passageiros/turistas ao ano.

Assessoria de Comunicação/Governo do Estado do Ceará

Curta nossa página no Facebook

24 de outubro

1147 - D. Afonso Henriques conquista Lisboa aos mouros.
1930 - Revolução de 1930: Getúlio Vargas e suas tropas derrubam a República Velha e o então presidente Washington Luís.
1945 - É criada a Organização das Nações Unidas.

Nasceram neste dia…
    51 - Domiciano, imperador romano (m. 96).
1836 - Ramalho Ortigão, famoso polemista português (m. 1915).
1932 - Ziraldo (foto), escritor e cartunista brasileiro.

Morreram neste dia…
1725 - Alessandro Scarlatti, compositor italiano (n. 1660).
1903 - Júlio Prates de Castilhos, governador do Rio Grande do Sul (n. 1860)
1944 - Louis Renault, fabricante de automóveis francês (n. 1877).

Fonte: Wikipédia

Haddad nega que tenha jogado Bíblia fora e diz que objeto foi furtado

O presidenciável Fernando Haddad (PT) relatou que uma Bíblia que ganhou de presente e o celular de um dos seus assessores foram furtados durante ato em Fortaleza, no último sábado, 20, para prejudicá-lo.

Nas redes sociais, circula um vídeo em que um apoiador de Jair Bolsonaro (PSL) mostra a Bíblia que Haddad ganhou durante o comício e acusa o petista de ter jogado o objeto no lixo. 

"Essa turma é de milicianos, esse pessoal é muito perigoso. São milicianos tentando tomar o poder pela força", disse Haddad, ao comentar o episódio.

Propaganda
Já o ministro Carlos Horbach, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), rejeitou um pedido de direito de resposta do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, em razão de uma propaganda de Haddad que associa o capitão reformado a "uma onda de violência" no País.

Em propaganda veiculada no dia 12 de outubro, a propaganda de Haddad afirma que diversas mulheres "passaram a ser agredidas nas ruas do País".

"Uma jovem de 19 anos afirmou ter sido arrastada por três seguidores teve suástica nazista entalhada no seu corpo, com um canivete. Foram mais de 50 atos de violência. Até a placa que homenageava a memória de Marielle Franco, assassinada em um crime político bárbaro, foi destruída por um deputado ligado a Bolsonaro, que postou foto com orgulho em suas redes sociais", diz a peça publicitária do PT.

A campanha de Haddad também faz alusão ao assassinato a facadas do ativista cultural negro e fundador do afoxé Romualdo Rosário da Costa, o Moa do Katendê, e se encerra com a mensagem: "Esse é o Brasil de Bolsonaro. Se a violência já chegou nesse nível, imagine se ele fosse presidente."

Os advogados de Bolsonaro acionaram o TSE sob a alegação de que a propaganda possui o intuito único de prejudicar a candidatura do capitão reformado, além de veicular "fatos sabidamente inverídicos". Destacaram ainda uma manifestação do próprio candidato do PSL no Twitter, em que afirmou que dispensa "voto e qualquer aproximação de quem pratica violência contra eleitores que não votam em mim".

Investigação
Em sua decisão, Horbach observou que os dados divulgados na propaganda de Haddad estão submetidos a "investigações policiais ou mesmo são objeto de eventuais ações penais", não sendo possível afirmar que são inverídicos.

"O fato de o candidato representante (Bolsonaro), de modo louvável, repudiar a violência e dispensar o apoio e o voto de quem a pratica não acarreta, automaticamente, a falsidade dos eventos e de suas possíveis conexões com apoiadores de sua candidatura, circunstância que não autoriza a aplicação do art. 58 da Lei das Eleições (que trata do direito de resposta a candidatos)", concluiu o ministro, em decisão assinada no último domingo, 21.

Fonte: Estadão Conteúdo

Curta nossa página no Facebook

Marina Silva declara voto em Fernando Haddad no segundo turno

Marina Silva, ex-candidata à Presidência pela Rede, declarou “voto crítico” em Fernando Haddad (PT) no segundo turno em post no Facebook nesta segunda-feira (22).

“Farei oposição democrática a uma pessoa que, “pelo menos” e ainda bem, não prega a extinção dos direitos dos índios, a discriminação das minorias, a repressão aos movimentos, o aviltamento ainda maior das mulheres, negros e pobres, o fim da base legal e das estruturas da proteção ambiental”, diz o texto.

O seu partido anunciou logo após o primeiro turno que seria oposição a quem fosse eleito, mas recomendou que filiados e simpatizantes não votassem em Jair Bolsonaro (PSL).

A candidata, que chegou a liderar as pesquisas para as eleições 2018, terminou a eleição em oitavo lugar com 1% dos votos válidos, o equivalente a 1,06 milhão de pessoas.

“Sei que, com apenas 1% de votação no primeiro turno, a importância de minha manifestação, numa lógica eleitoral restrita, é puramente simbólica. Mas é meu dever ético e político fazê-la”, escreve.

Entre as razões para sua declaração de voto, ela cita promessas de campanha de Bolsonaro que avalia como riscos ao meio ambiente.

Nesta segunda-feira, Marina assinou conjuntamente com outros ex-ministros do Meio Ambiente um texto sobre os perigos da possibilidade, aventada pelo candidato, de retirar o Brasil do Acordo de Paris, compromisso internacional para redução da emissão dos gases de carbono que causam mudanças climáticas.

A declaração de voto de Marina também enfatiza sua fé cristã e diz que a campanha de Bolsonaro usa o nome de Deus “em vão”, além de fazer uma referência à defesa da tortura pelo candidato:

“Crimes de lesa humanidade o tempo não apaga, permanecem como lição amarga, embora nem todos a aprendam”, escreve.

O texto também traz críticas à postura do PT; no último debate do primeiro turno, Marina perguntou sobre autocrítica a Haddad, tema aqui retomado:

“Escondem e não assumem os graves prejuízos causados pela sua prática política predatória, sustentada pela falta de ética e pela corrupção que a Operação Lava-Jato revelou, além de uma visão da economia que está na origem dessa grave crise econômica e social que o país enfrenta”.

Veja o texto na íntegra:

“POSICIONAMENTO NO SEGUNDO TURNO

Neste segundo turno a Rede Sustentabilidade já recomendou a seus filiados e simpatizantes que não votem em Bolsonaro, pelo perigo que sua campanha anuncia contra a democracia, o meio-ambiente, os direitos civis e o respeito à diversidade existente em nossa sociedade.

Do outro lado, a frente política autointitulada democrática e progressista não se mostra capaz de inspirar uma aliança ou mesmo uma composição. Mantém o jogo do faz-de-conta do desespero eleitoral, segue firme no universo do marketing, sem que o candidato inspire-se na gravidade do momento para virar a própria mesa, fazer uma autocrítica corajosa e tentar ser o eixo de uma alternativa democrática verdadeira. Alianças vêm de propósitos comuns, de valores políticos e éticos, de programas e projetos compartilhados, que só são possíveis em um ambiente de confiança em que, diante de inaceitáveis e inegáveis erros, a crítica é livre e a autocrítica é sincera. 

Cada um de nós tem, em sua consciência, os valores que definem seu voto. Sei que, com apenas 1% de votação no primeiro turno, a importância de minha manifestação, numa lógica eleitoral restrita, é puramente simbólica. Mas é meu dever ético e político fazê-la.

Importa destacar que, como já afirmei ao final do primeiro turno, serei oposição, independentemente de quem seja o próximo presidente do Brasil, e continuarei minha luta histórica por um país politicamente democrático, economicamente próspero, socialmente justo, culturalmente diverso, ambientalmente sustentável, livre da corrupção, e empenhado em se preparar para um futuro no qual os grandes equívocos do modelo de desenvolvimento sejam superados por uma nova concepção de qualidade de vida, de justiça, de objetivos pessoais e coletivos. O meu apoio à Operação Lava-jato, desde o início, faz parte dessa concepção, na qual o Estado não é um bunker de poder de grupos, mas um instrumento de procura do bem público.

Vejo no projeto político defendido pelo candidato Bolsonaro, risco imediato para três princípios fundamentais da minha prática política: primeiro, promete desmontar a estrutura de proteção ambiental conquistada ao longo de décadas, por gerações de ambientalistas, fazendo uso de argumentos grotescos, tecnicamente insustentáveis e desinformados. Chega ao absurdo de anunciar a incorporação do Ministério do Meio Ambiente ao Ministério da Agricultura. Com isso, atenta contra o interesse da sociedade e o futuro do país. Ademais, desconsidera os direitos das comunidades indígenas e quilombolas, anunciando que não será demarcado mais um centímetro de suas terras, repetindo discursos que já estão desmoralizados e cabalmente rebatidos desde o início da segunda metade do século passado. Segundo, é um projeto que minimiza a importância de direitos e da diversidade existente na sociedade, promovendo a incitação sistemática ao ódio, à violência, à discriminação. Por fim, em terceiro lugar, é um projeto que mostra pouco apreço às regras democráticas, acumula manifestações irresponsáveis e levianas a respeito das instituições públicas e põe em cheque as conquistas históricas desde a Constituinte de 1988.

Por sua vez, a campanha de Haddad, embora afirmando no discurso a democracia e os direitos sociais, evocando inclusive algumas boas ações e políticas públicas que, de fato, realizaram na área social em seus governos, escondem e não assumem os graves prejuízos causados pela sua prática política predatória, sustentada pela falta de ética e pela corrupção que a Operação Lava-Jato revelou, além de uma visão da economia que está na origem dessa grave crise econômica e social que o país enfrenta. 

Os dirigentes petistas construíram um projeto de poder pelo poder, pouco afeito à alternância democrática e sempre autocomplacente: as realizações são infladas, não há erros, não há o que mudar.

Ao qualificar ambos os candidatos desta forma, não tenho a intenção de ofender seus eleitores, milhões de pessoas que acreditam sinceramente em um deles ou que recusam o outro, com muitas e justificadas razões.

E creio que os xingamentos e acusações trocados nas redes sociais e nas ruas só trazem prejuízos à democracia, mas é visível que, na maioria das vezes, essas atitudes são estimuladas pelos discursos dos candidatos e de seus apoiadores. A política democrática deve estar fortemente aliançada no respeito à Constituição e às instituições, exercida em um ambiente de cultura de paz e não-violência.

Outro motivo importante para a definição e declaração de meu voto é a minha consciência cristã, valor central em minha vida. Muitos parecem esquecer, mas Jesus foi severo em palavras e duro em atitudes com os que têm dificuldade de entender o mandamento máximo do amor. 

É um engano pensar que a invocação ao nome de Deus pela campanha de Bolsonaro tem o objetivo de fazer o sistema político retornar aos fundamentos éticos orientados pela fé cristã que são tão presentes em toda a cultura ocidental. A pregação de ódio contra as minorias frágeis, a opção por um sistema econômico que nega direitos e um sistema social que premia a injustiça, faz da campanha de Bolsonaro um passo adiante na degradação da natureza, da coesão social e da civilização. Não é um retorno genuíno ao mandamento do amor, é uma indefensável regressão e, portanto, uma forma de utilizar o nome de Deus em vão.

É melhor prevenir. Crimes de lesa humanidade não tem como se possa reparar. E nem adianta contar com o alívio do esquecimento trazido pelo tempo se algo irreparável acontecer. Crimes de lesa humanidade o tempo não apaga, permanecem como lição amarga, embora nem todos a aprendam.

Todas essas reflexões me inquietam, mas mostram o caminho da firmeza, do equilíbrio na análise e a necessidade de pagar o preço da coerência, seja ele qual for. 

E assim chegamos, neste segundo turno, ao ponto extremo de uma narrativa antiga na política brasileira, a do “rouba, mas faz” e depois, do “rouba, mas faz reformas”, mas ajuda os pobres, mas é de direita, mas é de esquerda etc. De reducionismo em reducionismo, inauguramos agora o triste tempo do “pelo menos”.

Diante do pior risco iminente, de ações que, como diz Hannah Arendt, “destroem sempre que surgem”, “banalizando o mal”, propugnadas pela campanha do candidato Bolsonaro, darei um voto crítico e farei oposição democrática a uma pessoa que, “pelo menos” e ainda bem, não prega a extinção dos direitos dos índios, a discriminação das minorias, a repressão aos movimentos, o aviltamento ainda maior das mulheres, negros e pobres, o fim da base legal e das estruturas da proteção ambiental, que é o professor Fernando Haddad.”

Fonte: Exame.com

Curta nossa página no Facebook

Ceará gera 21 mil empregos formais em 2018; setembro tem o melhor resultado desde 2014

Até setembro deste ano, o Ceará gerou 21.918 postos de trabalho. Considerando apenas o mês passado, o Estado apresentou um saldo positivo de 6.355 vagas de emprego formal, representando o melhor resultado desde 2014, levando em conta apenas a comparação entre os meses de setembro de cada ano. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta segunda-feira (22) pelo Ministério do Trabalho.

O principal fator para o resultado positivo, tanto para o acumulado do ano quanto para setembro, foi o setor de serviços. No mês passado, esse âmbito foi responsável pela criação de 2.606 postos de trabalho. Já em relação aos nove primeiros meses de 2018, o setor acumulou um saldo positivo de 13.586 oportunidades. 

Na análise mensal, para setembro de 2018, apenas um dos setores apresentou saldo negativo, o da extrativa mineral, com 3 desligamentos. Os outros destaques ficaram a indústria de transformação (1.106), a agropecuária (1.092), e o comércio (962). A construção civil fechou setembro com 502 empregos gerados.

No acumulado do ano, o segundo setor que mais empregos foi a indústria da transformação, com 5.400 vagas. Já a construção civil foi responsável pela abertura de 3.658 oportunidades. Entre outros destaques, a agropecuária somou 1.088 postos. Já o comércio, de janeiro a setembro de 2018, foi responsável pelo desligamento de 2.743 pessoas. 

O levantamento do Ministério do Trabalho ainda aponta que, entre os municípios com mais de 30 mil habitantes, Fortaleza foi o que mais gerou postos de trabalho em setembro deste ano, contabilizando 2.537 oportunidades. No acumulado do ano, a Capital gerou 5.718 empregos formais. Entre os principais resultados do relatório, Quixeramobim registrou um saldo positivo de 4.806 vagas. 

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

23 de outubro

1917 - Primeira Guerra Mundial: o cargueiro brasileiro Macau é alvo de um torpedo de um submarino alemão.
1952 - Estréia nos Estados Unidos, do clássico dirigido e atuado por Charles Chaplin e com Buster Keaton, Limelight (Luzes da Ribalta), célebre por sua trilha sonora, e o antepenúltimo filme do cineasta e ator britânico.
1974 - Moscovo é escolhida para organizar os Jogos Olímpicos de Verão de 1980.

Nasceram neste dia…
1771 - Jean-Andoche Junot, general francês (m. 1813).
1875 - Gilbert Newton Lewis, químico norte-americano (m. 1946).
1972 - Fabrício Carpinejar, poeta, escritor e jornalista brasileiro.

Morreram neste dia…
1872 - Théophile Gautier, poeta francês (n. 1811).
1986 - Edward Doisy, bioquímico norte-americano (n. 1893).
1993 - Euryclides de Jesus Zerbini (foto), cirurgião brasileiro (n. 1912).

Fonte: Wikipédia

Addthis