Banner P3 728x90

Banner P3 728x90

Estatal do governo de Minas fez parceria com firma de pai de Aécio

Uma estatal do governo de Minas Gerais fechou termo de parceria com o pai do senador Aécio Neves (PSDB), Aécio Ferreira da Cunha (1927-2010), quando seu filho ainda era governador.

Assinado em 19 de março de 2010, 11 dias antes de Aécio renunciar ao mandato para concorrer ao Senado, o termo previa pagamento de R$ 250 mil para a produção de feijão na fazenda de Cunha em Montezuma (norte de Minas Gerais).

Foram desembolsados R$ 150 mil em dezembro do mesmo ano. Após a morte naquele ano do pai de Aécio, a empresa foi herdada pelo atual senador e por sua irmã, Andrea Neves.

As informações foram reveladas pelo jornal "O Tempo" e também foram obtidas pela Folha.

A parceria, que não está mais em vigor, foi celebrada entre a estatal Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais) e a Perfil Agropecuária, empresa de Aécio pai, e previa a plantação de 1.400 kg de sementes de feijão na fazenda de Montezuma.

Depois, a produção deveria ser vendida preferencialmente à própria estatal. O acordo tinha validade de 12 meses e podia ser estendido.

A justificativa para o uso da fazenda é que a Epamig não tinha estrutura e precisaria atuar em conjunto com outros produtores.

A Perfil, segundo o termo, tinha "condição técnica e socioeconômica" para produzir as sementes.

Como contrapartida, a Perfil usaria sua propriedade e ensacaria o feijão.

Procurados, tanto Aécio Neves quanto a Epamig afirmam que a parceria foi legal. A estatal diz que assina termos com entidades que manifestam a intenção de produzir as sementes.

Já o ex-governador afirma que não houve "qualquer interferência do Estado".

Ex-deputado
Aécio Ferreira da Cunha foi deputado estadual e federal por Minas Gerais. A presidência da Epamig era exercida, na época, pelo também ex-deputado Baldonedo Napoleão (PSDB).

Após Aécio Neves deixar o governo, o então vice e atual senador Antonio Anastasia (PSDB) assumiu o cargo.

Em dezembro de 2010, a Epamig fez o pagamento de R$ 150 mil à Perfil.

Dois meses antes, o pai de Aécio havia morrido de insuficiência hepática. Ainda hoje, Aécio e Andrea são donos da empresa, que tem capital social de R$ 500 mil.

Na quarta (8), um deputado do PT de Minas entrou com pedido de investigação no Ministério Público sobre o termo de parceria para que a Promotoria apure se Aécio beneficiou familiares no episódio.

Outro lado
Por meio de nota, a assessoria de Aécio Neves afirmou que a parceria entre a empresa Perfil e a Epamig foi "absolutamente regular".

A celebração do termo, segundo a nota, "ocorreu nos mesmos moldes de centenas de outros firmados pela empresa, sem qualquer interferência do governo do Estado" e fez parte de um programa que "existe há décadas como estímulo de transferência de tecnologia".

"O valor final do Termo de Parceria citado foi de R$ 150.337,50. Desse valor, como previsto em contrato, 15% foram pagos à Epamig pela assistência técnica fornecida, seguindo integralmente o que determinava o contrato", diz o comunicado.

Já a Epamig afirmou que uma de suas competências é produzir sementes selecionadas, mas não tem estrutura para que isso seja feito em larga escala e, por isso, firma parcerias e convênios.

No caso da Perfil, a estatal diz que o termo foi assinado para atendimento de convênio de transferência de tecnologia realizado com o Ministério do Desenvolvimento Agrário.

A empresa pública diz que a parceria com a companhia da família de Aécio Neves gerou 2.637 sacas de sementes, distribuídas nos vales do Jequitinhonha e Mucuri, e que os R$ 150 mil foram pagos com nota fiscal.

Fonte: Folha.com

Curta nossa página no Facebook



Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis