P3 Midia

P3 Midia

Caso Rayane: Garota pode ter sido morta a facadas e o corpo atirado no Rio São Francisco

“Meu sonho era olhar para trás e ver Rayane chegando e bem sorridente. Agora, o desejo é que a justiça seja feita, pois isso não pode ficar impune. É uma dor que jamais vou superar e sempre lembrarei dela”. O depoimento da doméstica Maria Antonina Alves Machado, de 44 anos, a “Nina”, mãe da jovem Rayane Alves Machado, de 24 anos, desaparecida de Crato desde o dia 19 de março, evidencia que a esperança de encontrá-la viva já se esgotou. A garota trabalhava em um restaurante e residia na Vila São Bento naquele município.

De acordo com as investigações, ela teria sido morta a golpes de faca e o corpo atirado no leito do Rio São Francisco no município de Belém do São Francisco a uma distância de 225 Km em relação ao Crato. Pelo menos essa é a conclusão das investigações conforme revelaram os Delegados de Polícia Civil, Diogo Galindo e Kamila Brito, numa entrevista coletiva concedida esta tarde à Imprensa do Cariri. Hoje pela manhã uma pessoa foi presa e está recolhida à Cadeia Pública de Crato por força de um mandado judicial.

Saulo Custódio, acusado da
morte de Rayanne
Trata-se de Saulo Custódio que é caminhoneiro e tinha um relacionamento amoroso com Rayane a qual desapareceu momentos após deixar o trabalho, sendo vista pela última vez por volta de meia noite do dia 19 de março na entrada da Vila São Bento. No depoimento que prestou à polícia esta manhã, ele nega envolvimento no crime, mas os delegados confessaram o convencimento, inclusive da própria autoria material apontando fortes indícios.

O principal deles seria uma testemunha ocular, mas a polícia de Crato não se dá por satisfeita e, nesta sexta-feira, uma equipe da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) retorna à Belém de São Francisco em busca de outras testemunhas para robustecer ainda mais o Inquérito Policial presidido pela Delegada Kamila Brito. As investigações começaram desde o desaparecimento da garota e tiveram toda a colaboração dos familiares de Rayane e do Conselho da Mulher de Crato.

De acordo com o Delegado Diogo Galindo, houve quebra de sigilos solicitada pela polícia e prontamente deferida pelo poder judiciário. Além disso, mais de dez depoimentos e algumas pessoas até três vezes. Mas, para a polícia, existe uma testemunha chave que presenciou tudo e estava no momento de execução da jovem cratense. Ela teria sido raptada por Saulo e colocada à força dentro do seu carro quando este partiu na direção do Pernambuco, onde trabalha carregando carvão.

A garota tencionava por fim ao relacionamento e existem depoimentos citando que a mesma se queixava em relação ao modo agressivo de Saulo. No dia do crime, este discutiu com ela e teria tentado fazer sexo à força com a garota na beira do Rio São Francisco ante a discordância de Rayane. Momentos depois, o acusado teria desfechado golpes de faca no peito e abdômen da mesma e a levou nos braços durante a madrugada para jogar no leito do rio segundo o que apurou a polícia. O corpo está sendo procurado no manancial e arredores.

Para a polícia, Saulo costumava adotar um comportamento com requintes de crueldade e suspeito de envolvimento em um homicídio no Crato o que está sendo igualmente investigado. Na DDM, a Delegada Kamila Brito diz que o histórico do caminhoneiro não é bom e ali responde cinco procedimentos por lesão corporal e até chegou a fraturar o nariz de uma de suas vítimas.

Sobre o caso Rayane, uma equipe da Delegacia da Mulher de Crato já tinha ido ao município pernambucano quando ainda existiam rumores em torno de um suposto cárcere privado e a vontade era encontrar Rayane com vida. Kamila citou, também, o trabalho desenvolvido pela titular da DDM de Juazeiro, Deborah Gurgel. A polícia pretende ainda fazer acareações e novas diligências apesar da consideração, no momento, de que os indícios da autoria já são suficientes.

Demontier Tenório

Fonte: Miséria

Curta nossa página no Facebook



Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis