Juazeiro do Norte flexibiliza decreto e encerra lockdown a partir deste sábado (19)

O município de Juazeiro do Norte, na Região do Cariri, sairá do lockdown a partir deste sábado (19) e a venda de bebidas alcoólicas poderá ser retomada. As demais estratégias sanitárias contra a Covid-19, no entanto, como fiscalização de uso de máscara e de aglomerações e proibição de festas, seguirão em vigor.

Segundo o procurador do município, Walberton Carneiro, que confirmou o fim das medidas mais restritivas, os detalhes do novo decreto serão publicados ainda nesta sexta-feira (18) no Diário Oficial do Município (DOM).

"O decreto do município a partir de amanhã passa a ser igual ao decreto do governo do Estado. Hoje, eu estou publicando o nosso decreto que não vai mais ter lockdown aos finais de semana e volta ser permitida a comercialização e venda de bebidas alcoólicas", frisou o procurador.

A reabertura das atividades não essenciais aos sábados e domingos, explica, ocorre porque "os números têm caído de forma exponencial" nas duas últimas semanas em que houve aumento da fiscalização.

Por outro lado, o prefeito Glêdson Bezerra alertou que a população não poderá relaxar nas medidas de enfrentamento pessoal e coletivo à Covid-19.

"O vírus ainda está causando mortes, muitas dores aos lares juazeirenses e obviamente que a situação não está resolvida. O governo reafirma que nós iremos intensificar cada vez mais as ações de fiscalização", garante o gestor, que diz ter feito um acordo com o setor produtivo para estimular as "regras de distanciamento social, uso de máscara e álcool em gel". 

Situação epidemiológica
Com 54 mortes por Covid-19 entre 17 de maio e 17 de junho, Juazeiro do Norte atingiu o indicador mais alto de óbitos neste ano em um intervalo de 30 dias. Os casos, quando comparado intervalos anteriores, tiveram redução, mas a média diária ainda é alta: 63 confirmações a cada 24 horas.

No entanto, a secretária da Saúde de Juazeiro do Norte, Francimones Albuquerque, reforçou que os números apresentam tendência de redução. Dos 36 leitos de enfermaria, por exemplo, apenas 12 estão ocupados.

A titular da Pasta chegou a criticar a baixa adesão ao lockdown. "Na primeira semana de lockdown observamos que a população contribuiu. Mas, na segunda, foi bem difícil para nossa equipe fiscalizar e coibir essas práticas. Foram inúmeras festas clandestinas e aglomerações".

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário