Mesmo sem sintomas é possível transmitir o vírus, alerta especialista

O coronavírus pode ser disseminado de diferentes formas, que vão desde um simples aperto de mão até o contato com superfícies contaminadas. De acordo com o infectologista Keny Colares, do Hospital São José (HSJ), unidade da rede pública da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), do Governo do Estado, qualquer pessoa contaminada pode transmitir o vírus, independentemente de apresentar ou não os sintomas de Covid-19.

“A gente sabe que tem uma relação entre a quantidade de vírus e a gravidade da doença. Então, naturalmente, aqueles pacientes que são assintomáticos têm uma multiplicação de vírus menor em comparação com aqueles que têm a doença leve, moderada ou grave”, afirma. Diante do risco de contágio, o especialista orienta que que toda a população deve tomar atitudes para se proteger e, principalmente, evitar a propagação do vírus.

No caso de pacientes assintomáticos, que não manifestam sinais da doença, a prevenção também precisa ser reforçada para que a Covid-19 não seja disseminada. “A gente não pode focar nosso cuidado apenas em pessoas que são sintomáticas. A ausência de sintomas, seja apenas por um período ou durante a doença, vai fazer com que muitas pessoas estejam infectadas sem que a gente saiba”, ressalta o infectologista.

Pacientes pré-sintomáticos e sintomáticos
As reações do organismo ao coronavírus variam. Keny Colares explica que, além das pessoas assintomáticas, existem os pacientes pré-sintomáticos, ou seja, que foram infectados, mas ainda não manifestaram sinais da doença. “O paciente pré-sintomático pode ter a quantidade de vírus maior, só que os sintomas às vezes surgem em um, dois ou três dias, por exemplo”. Com relação ao grupo de sintomáticos, o médico afirma que sintomas como tosse, febre e falta de ar costumam surgir de forma mais rápida.

Prevenção
Ainda não há vacina contra a Covid-19. Por isso, a prevenção ainda é a principal arma no enfrentamento à doença. De acordo com o infectologista Keny Colares, neste momento de retomada das atividades, a população deve continuar respeitando as medidas decretas pelo Governo do Ceará.

O médico reforça, em especial, a importância do uso de máscaras, da higienização das mãos e do distanciamento social. “Talvez a gente volte de novo a ter uma nova onda de crescimento de casos se a gente achar que o problema acabou e a gente quiser voltar rapidamente à vida que vivia antes. Isso aconteceu em epidemias passadas, inclusive naquela pandemia clássica lá de 1918”, finaliza.

Cenário epidemiológico
73.560 casos de coronavírus foram confirmados no Ceará até o dia 10 de junho. Ao todo, 52.351 pessoas já estão recuperadas da doença. Os dados estão disponíveis no IntegraSUS, plataforma de transparência da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário