Coronavírus: Pacientes recuperados devem manter rotina de cuidados após alta hospitalar

“Assusta. A gente pensa que é só uma gripe”, disse o pescador Valmyr Alves de Sá, de 77 anos. Diagnosticado com coronavírus, o idoso ficou oito dias internado no Hospital São José (HSJ), unidade da rede pública da Secretaria da Saúde do Ceará. Após receber alta, ele finalmente pôde voltar para casa.

“Fiquei feliz. Foi bonito, cantaram pra mim, nem sabia que tinha música de pescador. Todo mundo aqui [no Bairro Serviluz] ficou emocionado. Mas a doutora ainda mandou ficar isolado”, contou Valmyr, que é conhecido na praia do Titanzinho.

A recomendação de isolamento não é à toa, pois, mesmo recebendo alta do hospital, o vírus ainda pode estar no organismo. É o que explica o médico infectologista Keny Colares, do HSJ. Segundo o especialista, o processo de recuperação dos pacientes acontece de duas formas.

A primeira, a “cura clínica”, ocorre quando não há mais sintomas da doença. Já a “cura microbiológica” significa que organismo eliminou totalmente o vírus, algo que pode demorar mais para acontecer. “Isso varia muito de pessoa para pessoa. Aparentemente, os pacientes levam algum tempo eliminando o vírus, principalmente se compararmos casos leves e graves”, explica.

Nos casos mais graves, normalmente, as pessoas apresentam dificuldades para respirar e precisam de internação. “Pode ser um caso de um dia de internação ou dois. A depender da situação, medicamentos e oxigênio deixam o paciente bem o suficiente para ir para casa. O ideal é que ele fique o menor tempo possível no hospital”, afirmou o médico. Nestes casos, o isolamento em casa deve ser feito de preferência em um quarto, sem manter contato direto com os demais membros da família para não haver contaminação.

“Há casos graves mais severos em que, mesmo com o tratamento, não conseguem respirar, se cansam. Esses [pacientes] precisam de apoio, entubar, traqueotomia. Isso tudo vai depender da avaliação médica. E eles podem ficar muitos dias até que o pulmão funcione sem ajuda”, ressaltou.

Nestes casos, após a alta hospitalar, cabe ao médico avaliar a necessidade de isolamento em casa e orientar o paciente. “O paciente só está de fato recuperado quando ele está sem sintomas. Mais especificamente sem febre e tosse (forte) por, pelo menos, três dias. Lembrando que uma tosse leve, pigarro, pode permanecer com o paciente por um tempo”, ressaltou o especialista.

Os casos leves são aqueles que podem permanecer em casa. Porém, entre o quinto e o sétimo dia, o paciente deve ficar atento para uma possível piora ou melhora dos sintomas. Caso não apresente qualquer melhora, é preciso procurar ajuda médica. “Principalmente se se tratar de grupo de risco, ou seja, hipertenso, diabético, cardíaco, entre outras coisas”, disse o médico

Casos assintomáticos
Algumas pessoas podem ter o vírus e não apresentar sintomas. Com isso, não saberão que estão doentes. “A proporção da quantidade desses casos ainda não é clara. Imagina-se que a pessoa também possa transmitir, mas ainda não se sabe o alcance disso. Esse é um dos motivos que tornam o distanciamento social tão importante. Ele dificulta a transmissão, não importa se o transmissor é um caso leve, grave ou assintomático”, disse Keny Colares.

Vida pós-Covid-19
Uma semana após receber alta hospitalar, Valmyr Alves de Sá teve de comparecer a uma consulta de acompanhamento ambulatorial no HSJ. Dependendo de como o paciente reage à doença, a avaliação é necessária para evitar complicações futuras. “Eu fui pra consulta, a doutora me examinou e passou uns exames. Eu vou fazer pra ficar bom. Graças a Deus e aos doutores do São José, eu estou ótimo, respiro e como bem”, disse o pescador, ainda está em processo de recuperação.

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário