Sobe para 24 o número de reservatórios cearenses sangrando

O Açude Trici, em Tauá, é um dos que estão sangrando
Subiu de 21 para 24 o número de reservatórios, monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), que estão sangrando no Ceará. Os últimos três a superarem a capacidade máxima foram Itapajé, Trici e Valério.

Outros cinco açudes (Angicos, Arrebita, Gavião, Jatobá II e Trapiá III) estão com volume superior aos 90%. O volume médio de todos os 155 açudes cearenses é de 18,3%. 

Em contrapartida, 80 açudes estão com volume abaixo dos 30%, outros 20 estão no volume morto e oito reservatórios (Faé, Favelas, Forquilha II, Jatobá, Joaquim Távora, Madeiro, Mons. Tabosa e Salão) estão secos.  

Apesar das boas chuvas registradas desde o início deste ano, os três principais açudes do Estado continuam com nível delicado. O Castanhão, maior reservatório cearense, está com apenas 3,61%. O Orós, segundo maior do Estado, está com 5,02 e, o Banabuiú, 6,20%.

Conforme o meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Raul Fritz, a diferença de nível entre os reservatórios pode ser explicado pelas chuvas irregulares. As chuvas de 2020 estão se concentrando, sobretudo, nas regiões Norte e litorânea. 

Castanhão e Orós, por exemplo, estão situados em localidades (Médio e Baixo Jaguaribe, respectivamente) cujo índice pluviométrico não tem sido simétrico as outras regiões. 

Açudes sangrando:
  1. Gameleira;
  2. Tucunduba;
  3. Quandu;
  4. Itapebussu;
  5. Itaúna;
  6. Jenipapo;
  7. São Vicente;
  8. Acaraú Mirim;
  9. Tijuquinha;
  10. Acarape do Meio;
  11. Germinal;
  12. São Pedro Timbaúba;
  13. Várzea da Volta;
  14. Colina;
  15. Sobral,
  16. Caldeirões,
  17. Barragem do Batalhão;
  18. Gongorra;
  19. Gomes;
  20. Diamantino II; 
  21. Cauhipe;
  22. Valério;
  23. Trici;
  24. Itapajé

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário