Bolsonaro pede que seguidores apaguem críticas a ele no Facebook

O presidente Jair Bolsonaro usou a transmissão ao vivo semanal na internet, na noite desta quinta-feira, para se defender das críticas que começaram a surgir entre seus apoiadores, principalmente após ele oficializar a indicação do subprocurador Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República. No vídeo, Bolsonaro chegou a pedir a quem votou nele para apagar os comentários negativos que fizeram na página dele no Facebook.

— Eu peço a vocês. No Facebook, você fez um comentário pesado, retira, dá uma chance para mim. Você acha que eu quero colocar alguém lá para atrapalhar a vida de vocês? Não quero — apelou.

Antes, o presidente disse que deixaria de ver os comentários na rede social que estavam o "esculhambado." Bolsonaro pediu ainda que as pessoas dessem uma chance para conhecer Aras antes de sair "atirando em cima" dele.

— Se o pessoal atirar em cima de mim, sem dar a oportunidade para o Augusto Aras, caso ele seja aprovado em sabatina no Senado, mostrar o seu valor. Pelo amor de Deus,  aí fica ruim a convivência — disse, completando em seguida: — Como tenho dito, eu devo lealdade ao povo, mas não a lealdade cega que está do outro lado.

Bolsonaro voltou a dizer que escolheu um novo procurador que tenha nota 7 em todos os quesitos, e não apenas 10 no combate à corrupção.  Ele pediu um voto de confiança para quem votou nele e até "fez inimizades."

— Eu peço a você que acredita em mim, que continue acreditando até que eu prove o contrário, me dá esse voto de confiança. Você que votou em mim de graça, que trabalhou, que fez inimizades, que gastou dinheiro, que foi pra rua, que não queria mais o PT, não queria o que ficou em terceiro e quarto lugar, continue me dando esse voto de confiança  — disse.

O presidente fez a transmissão lado dos ministros Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), André Luiz Mendonça (Advocacia-Geral da União) e Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União). O ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública, participou também dos primeiros minutos da live no qual o presidente justificou os vetos ao projeto de abuso de autoridade.  Bolsonaro lembrou que seus votos podem ser derrubados pelo Congreso.

— É do jogo democrático. A palavra final depende do  Congresso — observou.

Fonte: O Globo

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Addthis