URCA abre exposição com obras inéditas de Belchior

A Universidade Regional do Cariri (URCA) está com a exposição “Pinturas do Belchior”, aberta até o próximo dia 30 de agosto, que reúne 31 poemas e 31 gravuras inéditas que homenageiam Carlos Drummond de Andrade, todas feitas pelo cantor, compositor e artista plástico Belchior. O material, entregue pelo artista sobralense em 2007, foi organizado pelo professor Flávio Queiroz, do Departamento de Letras da instituição.

A exposição permanece para visitação no hall de entrada da biblioteca da Universidade, no campus do Pimenta, em Crato, com acompanhamento de monitores. No espaço se pode contemplar as poesias, além das imagens inspiradas na face de Drummond. São os versos e a face, que mostram o universo do compositor, intérprete, pintor e caricaturista.

O reitor da URCA, professor Francisco do O’ Lima Júnior, abriu a exposição, ressaltando a importância da produção do cantor Belchior, principalmente no período em que ele passou por sua formação educacional ou em contato com gerações de estudantes. Conforme ele, talvez seja por isso a obra do cantor seja tão querida por estudantes universitários. “Fala de anseios, de sonhos, de partida com o olhar para trás, de chegada, de resgate, de origem, com o rapaz latino-americano”, afirma.

Belchior é considerado um dos grandes compositores e cantores da música brasileira. Para muitos um gênio. O cearense que abriu o coração para a música, mas sumiu de cena sem dar explicações. Na exposição, os organizadores destacam um Belchior diferente do habitual cantor de ‘Como Nossos Pais’.

A ideia
O professor Flávio Queiroz fala sobre como surgiu a ideia para realizar o evento. “Quando Belchior esteve no Cariri, pela última vez, em 2007, confidenciou-nos seu desejo de realizar uma apresentação que ocorreria em dois momentos. No primeiro, uma exposição dos seus quadros, que faziam uma homenagem a um dos poetas que ele admirava, Carlos Drummond de Andrade e, no segundo momento, um show para a juventude acadêmica da Instituição, no qual ele e sua banda interpretariam poemas do Poeta Mineiro”, afirmou.

Flávio destaca o momento em que, a convite do professor Francisco Cunha, levou o cantor Belchior ao Museu de Artes Vicente Leite, no Crato, onde ele queria conhecer quadros da artista plástica Sinhá D’Amora, com trabalhos raros expostos apenas em Crato e no Rio de Janeiro. Por pouco o cantor não chegou a ser barrado, por conta do horário de fechamento do espaço às 18 horas. Dentro do museu, se deparou com as obras de arte raríssimas atiradas ao chão. Ele, ao assoprar a poeira de um dos quadros, questionou onde estava o prefeito da cidade. Um momento triste e ao mesmo tempo constrangedor para todos.

A partir desse momento, com o retorno ao hotel em que se encontrava chamou o professor Flávio Queiroz, que atua na área da literatura, para confidenciar a sua intenção de realizar a exposição em Crato, e na URCA. “Ele disse que eu era a pessoa que ele queria e tinha as telas de Drummond, que considero o maior poeta brasileiro, ou senão um dos maiores. Musiquei 31 poemas, e na época a Urca não tinha o Ginásio. Naquele local, ele queria realizar um show e a exposição seria no espaço interno”, lembra.

Belchior declarou o seu desejo de retornar ao Cariri. “Ele disse que queria voltar, que iniciou Medicina, fez Filosofia, e que havia perdido o contato da universidade, porque o seu mundo era a música. Fiquei me questionando o porquê da URCA e não na sua própria cidade…”, afirmou. E o Cariri, segundo palavras do próprio cantor, tinha algo que o atraia, e por isso queria fazer o show e a exposição na URCA. “Então, estamos lançando a exposição que o Belchior queria fazer na URCA”, completa.

Por Antonio Rodrigues

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Addthis