Haddad nega que tenha jogado Bíblia fora e diz que objeto foi furtado

O presidenciável Fernando Haddad (PT) relatou que uma Bíblia que ganhou de presente e o celular de um dos seus assessores foram furtados durante ato em Fortaleza, no último sábado, 20, para prejudicá-lo.

Nas redes sociais, circula um vídeo em que um apoiador de Jair Bolsonaro (PSL) mostra a Bíblia que Haddad ganhou durante o comício e acusa o petista de ter jogado o objeto no lixo. 

"Essa turma é de milicianos, esse pessoal é muito perigoso. São milicianos tentando tomar o poder pela força", disse Haddad, ao comentar o episódio.

Propaganda
Já o ministro Carlos Horbach, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), rejeitou um pedido de direito de resposta do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, em razão de uma propaganda de Haddad que associa o capitão reformado a "uma onda de violência" no País.

Em propaganda veiculada no dia 12 de outubro, a propaganda de Haddad afirma que diversas mulheres "passaram a ser agredidas nas ruas do País".

"Uma jovem de 19 anos afirmou ter sido arrastada por três seguidores teve suástica nazista entalhada no seu corpo, com um canivete. Foram mais de 50 atos de violência. Até a placa que homenageava a memória de Marielle Franco, assassinada em um crime político bárbaro, foi destruída por um deputado ligado a Bolsonaro, que postou foto com orgulho em suas redes sociais", diz a peça publicitária do PT.

A campanha de Haddad também faz alusão ao assassinato a facadas do ativista cultural negro e fundador do afoxé Romualdo Rosário da Costa, o Moa do Katendê, e se encerra com a mensagem: "Esse é o Brasil de Bolsonaro. Se a violência já chegou nesse nível, imagine se ele fosse presidente."

Os advogados de Bolsonaro acionaram o TSE sob a alegação de que a propaganda possui o intuito único de prejudicar a candidatura do capitão reformado, além de veicular "fatos sabidamente inverídicos". Destacaram ainda uma manifestação do próprio candidato do PSL no Twitter, em que afirmou que dispensa "voto e qualquer aproximação de quem pratica violência contra eleitores que não votam em mim".

Investigação
Em sua decisão, Horbach observou que os dados divulgados na propaganda de Haddad estão submetidos a "investigações policiais ou mesmo são objeto de eventuais ações penais", não sendo possível afirmar que são inverídicos.

"O fato de o candidato representante (Bolsonaro), de modo louvável, repudiar a violência e dispensar o apoio e o voto de quem a pratica não acarreta, automaticamente, a falsidade dos eventos e de suas possíveis conexões com apoiadores de sua candidatura, circunstância que não autoriza a aplicação do art. 58 da Lei das Eleições (que trata do direito de resposta a candidatos)", concluiu o ministro, em decisão assinada no último domingo, 21.

Fonte: Estadão Conteúdo

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis