Debandada geral: Eleitores contam por que desistiram de Bolsonaro

A um dia do segundo turno das eleições, as pesquisas de intenção de voto mostram uma diminuição na vantagem do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT). Segundo a pesquisa Datafolha, divulgada na última quinta-feira, 25, a distância entre os candidatos caiu de 18 para 12 pontos. Entrevistamos eleitores que votariam em Bolsonaro, mas decidiram mudar de posicionamento e explicam por quê.

"Mudei meu voto porque ia votar em Bolsonaro única e exclusivamente pois queria a alternância do poder. Porém, consegui perceber o quão prejudicial seria esse candidato para a sociedade", relata Amanda Sampaio, fisioterapeuta de Salvador. Ela conta que havia escolhido Ciro Gomes no primeiro turno, mas pensava em votar no candidato Jair Bolsonaro no segundo turno. Para Sampaio, ele poderia "diminuir a questão da violência e criminalidade aqui no Brasil e achava saudável para o país que houvesse a alternância de poder", mas diz que tinha muito medo do que Bolsonaro poderia representar, especialmente "após ver vídeos com depoimentos gravíssimos dele".

A fisioterapeuta conta que a mudança de voto veio a partir de uma conversa com uma amiga que "perguntou educadamente nas redes sociais quem estava na dúvida sobre o voto e ela se dispôs a conversar civilizadamente". Sobre esse diálogo, ela relata que confiou nos argumentos da amiga porque eles eram coerentes e "ela estava completamente engajada". Não satisfeita em rever sua própria decisão, Sampaio também conversou com outras pessoas ao seu redor. "Convenci três pessoas a mudar o voto também! E estou muito esperançosa de que vamos virar essa eleição!", ressalta.

Já a catarinense Elaine conta que o que mudou sua opinião foram "a onda de violência e o histórico [de Bolsonaro]". Ela relata que tem amigos negros e gays e que eles "têm sofrido preconceito e isso me fez repensar a situação. Quando acontece perto da gente a reflexão é muito maior".

Apesar de votar em Fernando Haddad, Elaine deixa claro que não se sente representada por "nenhum dos dois candidatos". Ela se diz atônita com a situação política atual em que "parece que as pessoas estão torcendo para um time de futebol quando na verdade o que vale é colocar lá uma pessoa competente, que não tenha medo de fazer as mudanças que são necessárias".

Ter "amigos negros, familiares gays e muitas mulheres na família" também foi o motivo que fez Moema Alves Varzea, artista plástica do Rio de Janeiro, descartar o voto em Bolsonaro. Ela ressalta que não aceita "ser inferiorizada de maneira alguma, em nenhum aspecto da vida". Para Varzea, o motivo para votar em Haddad é "falta de opção melhor. É como se Haddad estivesse competindo sozinho".

Vereador de Ilhéus anuncia mudança de voto
O vereador Cesar Porto, da cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, conta que votou em Bolsonaro no primeiro turno, mas dará seu voto a Fernando Haddad no pleito do próximo domingo. Ele explica que desde o começo das eleições apoiou o candidato do PT ao governo da Bahia e que seria muito ruim para o estado ter um presidente "da direita e ferrenhamente inimigo do PT [Partido dos Trabalhadores]". Ele considera que a Bahia "iria perder com isso" e diz que o PT "tem trabalho muito em Ilhéus e na Bahia".

Além disso, Porto ressalta que essa mudança se deve ao fato de ele acompanhar o posicionamento oficial do seu partido, o Partido Democrático Trabalhista (PDT), mesma legenda de Ciro Gomes, que declarou apoio crítico ao candidato do PT no segundo turno.

Guerra jurídica nas redes
A diminuição da vantagem de Bolsonaro na pesquisa acontece após o Facebook anunciar, na semana passada, que havia tirado do ar 68 páginas e 43 contas pró-Bolsonaro por considerar que elas violavam "as políticas de autenticidade e de spam". No entanto, para Camilo Aggio, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e especialista em comunicação digital e eleições, a justiça atuou "tardiamente" no contexto eleitoral e as decisões judiciais geraram poucas repercussões. Ele ressalta que a capacidade da justiça de tomar decisões e efetivamente fazer fiscalizações no ambiente digital "ainda é muito restrita".

Aggio conta que acompanha alguns grupos de WhatsApp pró-Bolsonaro e que a primeira reação deles após a divulgação da última pesquisa de intenção de votos, que mostra a diminuição da vantagem do candidato do PSL com relação a Fernando Haddad, foi voltar a circular informações falsas sobre o "kit gay". A ação acontece mesmo depois de uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral que no dia 16 de outubro determinou a suspensão de links de sites e mídias sociais com a expressão "kit gay". O tema apareceu até na última edição do programa de rádio e TV do candidato.

O pesquisador considera que a retirada do ar das páginas de Facebook pode sim ajudar na diminuição da circulação de mensagens e favorecer o aparecimento de outros conteúdos, inclusive contestatórios, o que pode fazer com que os diferentes pontos de vista possam "competir com maior isonomia e equilíbrio".

Na opinião dele, no entanto, a redução da vantagem de Bolsonaro em relação a Haddad nas pesquisas de intenção de voto se deve mais a uma mudança na propaganda política do PT no rádio e na televisão, que atacou questões morais relativas a seu opositor. Os "arroubos autoritários de Bolsonaro e seus filhos", como quando Eduardo Bolsonaro disse que bastariam "um soldado e um cabo para fechar o Supremo Tribunal Federal", também podem ter contribuído para uma mudança de voto de vários eleitores.

Fonte: UOL (Com RFI)

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis