Sesc emite justificativa sobre espetáculo em que artistas exploram o ânus uns dos outros

Durante a última quarta-feira (18), propagaram-se em redes sociais imagens de pessoas correndo em círculos enquanto colocavam o dedo no ânus uns dos outros. Tratava-se de uma intervenção artística que seria exibida no mesmo dia no Teatro Patativa do Assaré, em Juazeiro do Norte, no Cariri.

A apresentação do espetáculo paulista “Macaquinhos” aconteceu na 17ª edição da Mostra Sesc Cariri de Culturas, a partir das 23 horas desta quarta-feira. Com a divulgação das imagens de outras apresentações do grupo, houve burburinho quanto ao conteúdo com cunho sexual.

Em nota emitida nesta quinta-feira (19), o Sesc Ceará esclareceu que se resguardou em divulgar o espetáculo somente ao público interessado, com censura de 18 anos e exigência de carteira de identidade aos presentes. A entidade repudiou a divulgação prévia das imagens em redes sociais.

O Tribuna do Ceará havia procurado a assessoria de comunicação do Sesc Ceará na própria quarta-feira (18), para confirmar se a apresentação artística aconteceria. Na ocasião, a assessoria informou que desconhecia a realização do evento, motivo pelo qual o Tribuna do Ceará optou por não comentar sobre o caso.


Segundo informou a assessoria nesta quinta-feira, a divulgação aconteceu de forma tímida apenas na página da Mostra, em paralelo ao espetáculo “Oblação”, também com censura 18 anos. A gerente de comunicações do Sesc Ceará, Giselle Norões, justificou que o motivo para a reduzida divulgação foi a quantidade de atrações, e não o teor da apresentação do Macaquinhos.

“Como são cinco dias frenéticos de programação, não temos como fazer a divulgação aprofundada de cada espetáculo separadamente. Muitas vezes nossa equipe de repórteres produz material do pós apresentação”, explica.

A chamada do evento havia sido publicada na página da Mostra no Facebook na última segunda-feira (16), mas não na fanpage do Sesc Ceará. “O Sesc cumpre o dever de incentivar o fazer artístico, respeitando a pluralidade e a formação crítica e autônoma do ser”, reforça a nota.

O projeto Macaquinhos, de São Paulo, nasceu em 2011 com uma intervenção no Museu do Piauí. Nas apresentações, baseadas no livro “O Povo Brasileiro”, de Darcy Ribeiro, os nove artistas, completamente nus, exploram o orifício anal uns dos outros com base em três premissas: aprender que existe cu; aprender a ir para o cu; e aprender a partir do cu e com o cu.


Fonte: Tribuna do Ceará

Curta nossa página no Facebook

7 comentários:

  1. O sesc está precisando, urgentemente, de fazer uma permuta nos componentes da curadoria da entidade. Será que suas inocências chegam ao ponto de desconhecer o avanço tecnológico no mundo dos aparelhos eletrônicos ?. Será que conhecem a população que se ateiam a assistir tal espetáculo ? Perguntaria, ainda, a essa curadoria. Qual a importância do conhecimento humano sobre a conquista do ânus?
    Esse país perdeu a decência e agora ajudado pelo SESC, a quem sempre prezei o trabalho dos empresários em prol da população, vejo, hoje sua decadência moral satisfazendo ao mundo Gay. Antes, FAMÍLIA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa auto lá... Calma ai, com todo respeitoa sua opinião, quero deixar claro que isso também não é visto com bons olhos aos gays, "antes Familia" os gays assim como eu também tem Familia, e em sua maioria são dignos, trabalhadores dentre outros adjetivos.
      assim como há no mundo Hétero pessoas de má conduta, também há no mundo gay, isso é certo, porem pegar um bando de Babacas que curtem enfiar o dedo no anus um dos outros e atribuir este ato bizarro aos gays, ai creio que você já ta indo alem do logico... Se você procurar esses que se dizem atores ai nas imagens são a maioria héteros...
      Me perdoe a intervençaõ no seu comentário, mais senti um pouco de preconceito e senti ofensivo aos gays.... Sobre os Babacas que produziram tal atrocidade e aos atores ridiculos que os reproduz estes sim estão acabando com a Familia não são os gays...Um abraço. Me Chamo Robério Santos Sou de Barbalha, Ceará e Sou Gay.

      Excluir
  2. Que preocupação essa? Ora procurem outros argumentos de defesa, dizer que repudia a publicação nas redes sociais, isso é procurar justificar o injustificável. Procurem trabalhar outros valores, valores que dignificam o homem e não os espetáculos que provocam a vulgaridade as hábitos desregrados.Repensem os valores de família.

    ResponderExcluir
  3. Dizer que se refere a obra de Darcy Ribeiro, Formação do Povo Brasileiro? Esta obra fala do genocídio dos índios e a geração cabocla que por vários séculos foi suicida por ser solitária em sua cor e excluída da sociedade branca e das tribos. Seria um belo espetáculo se o tema da obra tivesse sido respeitado. Admiro a atuação do SESC em todos os aspectos culturais, educacionais e esportivos. Só acho que deveria apresentar mais trabalhos do Cariri para mostrar aos visitantes durante a Mostra SESC.

    ResponderExcluir
  4. Com todo respeito e seguindo a lógica do seu "espetáculo", "aprender a partir do cu e com o cu", eu vos digo, vão tomar...

    ResponderExcluir
  5. Desculpem-me se estou sendo ignorante no que se refere à arte! Mas pergunto: qual o sentido dessa apresentação? Qual o fundamento? Que proveito as pessoas que assistiram tiveram? O que a irracionalidade dos macacos tem a ver com a racionalidade humana? Não vi nada de racional ou lógico neste "espetáculo"

    ResponderExcluir

Addthis