Crato (CE): Museus guardam história em espaços mal conservados

Seis anos após o início das discussões em torno da necessidade de reformas na estrutura física do Museu Histórico deste município, bem como no Museu de Artes Vicente Leite, ambos localizados no Centro da cidade, os dois equipamentos ainda apresentam problemas relacionados aos espaços internos. Instaladas na antiga Casa de Câmara e Cadeia, cujo prédio foi construído no começo do século 18, as unidades continuam sofrendo os desgastes ocasionados pela ação do tempo.

Devido à má conservação e à falta de obras de recuperação e reforma, o Museu de Artes Vicente Leite, que funcionava no piso superior do prédio, está interditado há alguns meses. No piso inferior, onde funciona o Museu Histórico do Crato, apenas uma sala, por conta de uma exposição de arte recém-inaugurada, vem sendo disponibilizada à visitação pública.

O prédio é uma peça importante no contexto histórico do município. O local, além de Cadeia Pública e Câmara de Vereadores, já serviu como sede da Prefeitura Municipal, Delegacia de Polícia, Junta Militar e Fórum da Comarca. Hoje, é tombado pelo Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Arquitetônico do Ceará (Copac).

Até o início deste ano, os equipamentos eram utilizados, na prática, como abrigo para animais. As dependências internas de ambos os museus eram ocupadas por grande quantidade de gatos, que conseguiam entrar nos equipamentos através dos buracos existentes no telhado do antigo prédio.

Os felinos acabaram expulsos dos locais quando da realização de uma espécie de levantamento em torno da real condição física dos equipamentos, elaborado por técnicos da Secretaria Municipal de Cultura.

Promessa
Há dois anos, o governo municipal anunciou que realizaria obras de recuperação e de modernização em ambos os equipamentos. Na ocasião, os museus eram administrados pela Fundação J. De Figueiredo Filho, e os investimentos para realização das obras, cerca de R$ 270 mil, seriam custeados com recursos do próprio município.

O projeto apresentava proposta de melhoria na estrutura construída em madeira, recomposição de toda a extensão do forro, acrescida de um projeto de revitalização do teto; troca do assoalho, recuperação das instalações elétricas, além da instalação de um sistema de climatização em ambos os equipamentos, culminando com a recuperação de esquadrilhas de madeira, pintura nas áreas internas e externas do prédio e, ainda, melhorias na acessibilidade aos equipamentos com a implantação de um elevador e rampa para portadores de necessidades especiais.

As obras, no entanto, nunca foram concluídas. "Jamais houve comprometimento com as questões relativas ao setor cultural e com a necessidade de manutenção do próprio patrimônio imaterial do Crato. Os problemas físicos observados nos dois Museus já poderiam ter sido solucionados há muito tempo. Nada foi feito até hoje por conta do desinteresse das gestões públicas", avalia um ex-gestor dos equipamentos, que pediu para não ser identificado.

Segundo ele, os problemas ocasionados pela falta de infraestrutura física nos museus gerou a necessidade do acervo que compunha um dos equipamentos ser transferido para outro local. "As chuvas acabavam caindo dentro dos equipamentos por conta dos buracos no telhado. Essa situação acaba gerando prejuízo as peças que estavam guardadas no interior dos Museus, principalmente no Museu de Artes Vicente Leite", revela.

Secretaria
A secretária de Cultura do Crato, Dane de Jade, confirmou que a situação em ambos os equipamentos é deficitária. Ela afirma, no entanto, que os problemas evidenciados pela falta de ações de recuperação foram ocasionados pela má gerencia dos equipamentos, em anos anteriores, e pela falta de uma política voltada para manutenção do setor cultural e histórico do município.

"Nós recebemos os dois equipamentos em situação de pleno abandono. Foi elaborado um relatório sobre a situação de ambos os museus e, a partir desse documento, realizada um ovo catálogo das peças do acervo. A gestão passada havia iniciado um trabalho que acabou sendo abandonado, realizando, apenas, alguns reparos equivocados", disse.

Dane de Jade ainda informou que o prédio é tombado, há alguns anos, pelo Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Arquitetônico do Ceará (Copac). Durante o mês de maio passado, o professor e arquiteto Domingos Cruz Linheiro, responsável pela montagem da Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) do Ceará, em 1982, e que atualmente atua como professor da Universidade de Fortaleza (Unifor), esteve na cidade para analisar e corrigir a situação do projeto arquitetônico do Museu Histórico do Crato.

Conforme ressaltou a secretária, este novo projeto foi enviado para aprovação do Iphan e do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), objetivando a captação de recursos para que os estabelecimentos possam ser reformados em obediência aos padrões exigidos pelas duas instituições.

"Esperamos receber, até o final deste ano, investimentos superiores a R$ 400 mil, que serão utilizados tanto na reforma do Museu de Artes como no Museu Histórico do município. Como estamos em ano eleitoral, é bem provável que as obras só sejam iniciadas no final do ano. No entanto, estamos trabalhando para que, brevemente, a população volte a dispor destes dois equipamentos", frisou.

Conforme a secretária, o Museu de Artes deverá expor, permanentemente, uma tela do pintor, escultor e desenhista espanhol, Pablo Picasso. A obra de arte foi doada por um dos fundadores do equipamento que hoje reside na Itália. Também haverá no mesmo local a exposição dos trabalhos do Cego Aderaldo, cuja importância é extremamente significativa para a cultura cearense", afirma Dane.

Mais informações
Prefeitura Municipal
Secretaria de Cultura do Crato
Largo da RFFSA - Centro
Telefone: (88) 3523-2365

ROBERTO CRISPIM
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Addthis