Juazeiro do Norte (CE): CEBs debatem melhorias

Missionários que participam do 13º Encontro Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) debateram ontem, no Ginásio Poliesportivo desta cidade, situações relacionadas às questões sociais, políticas, econômicas e religiosas, vivenciadas pelas populações espalhadas por todo o território nacional, que ainda demandam de órgãos governamentais, não governamentais, religiosos e comunitários maior interesse nas suas resolutividades.

Os debates ocorreram após a apresentação de palestras dos professores Manfredo Oliveira, apresentado como um dos maiores filósofos em atividade no país; Raquel Rigotto, pesquisadora do Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, e pelo coordenador nacional da Comissão Pastoral da Terra, Roberto Malvezzi.

Após as palestras, foi realizada a tradicional Fila do Povo, onde os delegados que representam as comunidades eclesiais presentes ao encontro puderam expor as questões que afligem, em maior grau de preocupação, as populações residentes nestas mesmas comunidades.

Questões como saúde, educação, meio ambiente, bem estar social, moradia, proteção aos povos indígenas e combate à corrupção foram abordadas.

"O encontro nos une na fé que expressamos. Fé que motiva a busca por melhores condições de vida, onde o respeito ao próximo se realiza através da perspectiva do auxílio mútuo e, ainda, na discussão daquilo que se faz necessário as comunidades espalhadas pelos rincões do país", ressaltou Elias Ishy, delegado da representação missionária do estado de Mato Grosso do Sul.

Melhorias
Segundo o leigo, as preocupações apresentadas não apenas pelos representantes das comunidades, mas também pelos religiosos que representam a Igreja católica, poderão ofertar melhorias no atendimento às populações e a manutenção da fé junto aos próprios fiéis em Cristo.

"Quando se estabelece a discussão do que é Igreja, baseando-se, sobretudo, na experiência ofertada por Jesus Cristo, e se une essa discussão aos problemas vivenciados no cotidiano, se estabelece uma conexão muito importante com as comunidades de base. É essa conexão que cria a perspectiva da manutenção da fé do nosso povo em dias melhores, a partir da transformação que precisa ser realizada dentro de cada um de nós", explica.

A goiana Maria do Socorro Germano também avaliou que os debates realizados durante a manhã de ontem podem refletir positivamente nas comunidades. Na visão da missionária, há mudanças acontecendo dentro da própria Igreja que, além de promover a aproximação dos fiéis com Jesus Cristo e o próprio Deus criador, através da propagação da fé, passou também a se preocupar com a falta de investimentos nos setores da saúde e educação junto às comunidades, além da preservação da fauna e da flora, defesa em favor dos pobres e necessitados e combate as mazelas sociais que resultam em prejuízos às populações.

"Embora haja problemas que a Igreja ainda precise resolver internamente, muitas das questões sociais que hoje são debatidas foram provocadas através de manifestações públicas realizadas pela própria CNBB", defende a missionária.

Propostas
No período da tarde, foram criados grupos de discussões para o surgimento de propostas e análises dos problemas conjunturais discutidos pela manhã. Após o estudo, os missionários retornaram para uma segunda rodada de debates, onde elencaram prioridades das comunidades

Para o coordenador nacional das Comunidades Eclesiais de Base, padre Vileci Vidal, as discussões apresentadas durante o segundo dia do 13º Encontro das Comunidades Eclesiais de Base garante às populações a condição de conhecer a realidade vivenciada pelos diversos povos, etnias e culturas que formam o povo brasileiro e, em conjunto, estabelecer mecanismos que resultem na diminuição dos problemas detectados, através da divisão de responsabilidades dentro da própria comunidade.

"O grande objetivo destas plenárias é o de oportunizar aos missionários a condição de reflexão em torno das questões debatidas e, em um segundo momento, a criação de propostas que resultarão em um documento a ser apresentado pelos delegados às suas comunidades. A partir daí, iniciasse o processo de busca pelas melhorias, através da cobrança junto a quem de direito ou, ainda, mediante o trabalho coletivo dos povos", explica Vileci Vidal.

Mais informações
Secretaria do 13º Intereclesial das CEBs
Rua Teófilo Siqueira, 631
Diocese de Crato
Telefone: (88) 3521.1110

ROBERTO CRISPIM
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Addthis