P3 Midia

P3 Midia

PT é o partido preferido dos brasileiros, diz Ibope

Pesquisa realizada pelo Ibope e divulgada nesta terça-feira (13) apontou que quase metade dos brasileiros (48%) não possui simpatia por nenhum partido político. Entre as siglas preferidas, o PT foi a mais citada pelos entrevistados.

Segundo o levantamento, 19% dos brasileiros disseram ter "simpatia ou preferência" pelo PT. Em seguida, aparecem o MDB (7%), PSDB (6%) e PSOL (2%).

DEM, PCdoB, PDT, PR, PPS, PSB, PSC, PSD, PTB, PV e Novo alcançaram 1% das citações cada um.

As outras legendas, nem isso. Somadas, foram lembradas por 3% dos entrevistados. Outros 5% não souberam ou não responderam.

Intitulado "Retratos da Sociedade Brasileira - Perspectivas para as eleições de 2018", o levantamento contratado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) ouviu 2.000 pessoas entre 7 e 10 de dezembro do ano passado, em 127 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-03599/2018.

Segundo a CNI, os jovens se mostram mais propensos a declarar preferência partidária do que os mais velhos.

"Entre os que possuem 55 anos ou mais, 59% declaram não ter preferência ou simpatia por nenhum partido, percentual que chega a 40% entre os que têm de 16 a 24 anos", afirma a pesquisa.

A sigla do postulante à Presidência da República se mostrou pouco relevante no levantamento. Sete em cada dez pessoas (72%) disseram concordar com a afirmação "Eu voto no candidato que gosto, independentemente do partido em que ele esteja". Outros 26% discordaram.

Por outro lado, o partido do candidato ao Palácio do Planalto foi considerado importante por 64% dos entrevistados --contra 32% que não concordaram.

Partidos têm pouca força, diz CNI
Para o gerente executivo Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca, a pesquisa deixou "clara a pouca força do partido em si".

"O PT sempre teve um contingente mais forte de seguidores, mas de novo você está com uma eleição em que a escolha é muito pessoal", declarou.

Segundo Fonseca, essa foi a primeira pesquisa realizada pela entidade para tentar "conhecer o eleitor".

"Está muito cedo ainda, os candidatos ainda não estão muito definidos, e a gente preferiu ver o que o eleitor quer", declarou, acrescentando que o levantamento pode ajudar a elaborar um mapa estratégico a ser entregue aos presidenciáveis pela CNI.

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis