P3 Midia

P3 Midia

Não renunciarei, diz Temer após delação da JBS

"Não renunciarei. Repito, não renunciarei. Sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro. Essa situação indubitável de dúvida não pode persistir por muito tempo", disse o presidente Michel Temer (PMDB) em pronunciamento no Palácio do Planalto nesta quinta-feira (18). Temer enfrenta sua mais grave crise no cargo, acossado por denúncias de que teria assentido com a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), feitas por delatores da JBS.

"Não comprei o silêncio de ninguém, sempre honrei meu nome e nunca autorizei usar meu nome indevidamente", disse Temer. O presidente fez a declaração em um dos salões do segundo andar do Palácio do Planalto. De terno preto e mexendo na gravata cinza, Temer entrou acompanhado de uma comitiva de políticos, que, durante o discurso, ficaram em pé em um dos lados do espaço.

Temer confirmou que se encontrou com Joesley Batista, da JBS, e que o empresário contou a ele que "auxiliava um ex-parlamentar".

"Não solicitei que isso acontecesse e somente tive conhecimento do fato nessa conversa", afirmou.

Segundo Temer, seu governo viveu nesta semana "seu melhor e seu pior momento", com a melhora de indicadores econômicos e de emprego, além do avanço de reformas no Congresso, em contraste com o que chamou de "revelação de conversa gravada clandestinamente". Para Temer, a notícia "trouxe de volta o fantasma de crise política".

"Nós não podemos jogar no lixo da história tanto trabalho feito pelo país", disse.

Temer disse ainda que não tem medo de "nenhuma delação" --as acusações contra ele partiram de um delator. O empresário teria gravado Temer dando o aval para o pagamento de propina milionária pelo silêncio de Cunha.

"Não preciso de cargo público nem de foro especial. Nada tenho a esconder. Sempre honrei meu nome. Na universidade, na ditadura, na vida profissional, nos meus escritos, nos meus trabalhos e nunca autorizei, por isso mesmo, que utilizassem meu nome indevidamente. Por isso, quero registrar enfaticamente a investigação pedida pelo Supremo Tribunal Federal será eleitório, onde surgirão todas as explicações. No Supremo demonstrarei não ter nenhum envolvimento com estes fatos", declarou o presidente.

Nesta quinta, o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou abertura de inquérito contra o presidente. A decisão de abrir uma investigação contra Temer foi tomada pelo ministro do STF Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo.

O pedido foi feito pela PGR (Procuradoria-Geral da República). A partir de agora, o presidente passa a ser formalmente investigado.

Temer entrou com requerimento no STF pedindo acesso à íntegra das gravações feitas pelos delatores da JBS. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, o presidente só gostaria de se pronunciar a respeito do assunto após conhecer o conteúdo da delação.

Repercussão no Congresso
O plenário da Câmara ficou praticamente vazio na tarde desta quinta. Os poucos deputados que estavam no local --às 16h35, eram dez-- fazem discursos contra o presidente Michel Temer e de defesa da realização de "eleições diretas já".

Parlamentares da oposição que esperavam uma renúncia de Temer criticaram o pronunciamento do mandatário, que por volta das 16h discursou no Palácio do Planalto e afirmou que não deixará o cargo, apesar das gravações apresentadas pelo empresário Joesley Batista à PGR (Procuradoria Geral da República) em delação premiada.

O deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) afirmou que o presidente "tentou enganar o povo brasileiro com uma versão que não vai convencer ninguém". Ele também reforçou a intenção da oposição de apresentar às 17h mais um pedido de impeachment contra o peemedebista, com ênfase na denúncia de obstrução de Justiça.

Já foram protocolados dois pedidos de impedimento de Temer na Câmara dos Deputados desde que o jornal O Globo revelou na quarta-feira que o presidente teria dado aval a Joesley Batista para continuar pagando uma mesada pelo silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba.

O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), que protocolou o primeiro pedido, na noite desta quarta, disse que vai insistir na cassação pelo Congresso e disse esperar que o TSE antecipe para a semana que vem a retomada do julgamento da chapa Dilma-Temer.

Entenda as acusações
De acordo com informações divulgadas pelo jornal "O Globo" nesta quarta-feira (17), Joesley Batista, um dos donos da JBS, encontrou Temer no dia 7 de março no Palácio do Planalto. O empresário teria registrado a conversa com um gravador escondido. Batista disse ter contado a Temer que estava pagando ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao lobista Lúcio Funaro para ficarem calados. O presidente, segundo o empresário, responde: "Tem que manter isso, viu?".

Em nota publicada ontem, Temer confirmou o encontro, mas disse que "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha" e negou ter participado ou autorizado "qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar".

No caso do Aécio, ele foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Batista. O empresário entregou um áudio à Procuradoria-Geral da República em que o tucano pede a quantia, sob o pretexto de pagar as despesas com sua defesa na Operação Lava Jato. 

Hoje, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin proibiu Aécio de exercer as funções de senador. A Procuradoria-Geral da República também pediu a prisão do tucano, mas Fachin, responsável pela Lava Jato na Corte, negou o pedido. A irmã de Aécio, Andrea Neves, foi presa.

José Eduardo Alckmin, um dos advogados do tucano, afirmou que o senador está "inconformado e surpreso" com as acusações de que teria pedido R$ 2 milhões a Batista. Ele confirmou o pedido, mas disse se tratar apenas um empréstimo pessoal e que houve uma "descontextualização" da fala de Aécio na gravação.

Fonte: UOL

Curta nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis