P3 Midia

P3 Midia

Tendência agora é de redução nas chuvas em todo o CE

As chuvas que neste fim de semana banharam todas as regiões do Ceará, trouxeram alegria e renovaram esperanças para o sertanejo. Nesta semana, a tendência é de redução, com características de precipitações localizadas. Pelo menos essa é a previsão da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Das 7h de domingo às 7h de ontem, a Funceme registrou chuva em 62 municípios. As três maiores foram em Palhano (88mm), Missão Velha (82.2mm) e Aracati (82mm).

A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), extensa massa de nuvens, principal sistema meteorológico que provoca precipitações no período da estação chuvosa no sertão cearense, está um pouco mais afastada em relação ao posicionamento do fim de semana. "Ficou mais paralela, inclinou-se menos", observa o meteorologista da Funceme, Raul Fritz. "No fim de semana, estava perpendicular e influenciou intensas chuvas".

Nos próximos três dias, a ZCIT deve influenciar mais chuvas nos estados do Maranhão e Piauí. "Pode ser que se posicione mais próximo à costa cearense, favorecendo a região Norte, mas, por enquanto, não há essa tendência", diz Fritz. A Funceme previu, a ocorrência de chuvas no fim de semana no Ceará.

Para hoje, a Funceme prevê chuva no decorrer do dia, nebulosidade variável, com pancadas isoladas no Norte do Ceará. No Centro-Sul, nebulosidade variável com possibilidade de chuvas isoladas. Já na quarta-feira, tempo com nebulosidade variável e com possibilidade de chuvas isoladas em todas as regiões cearenses ao longo do dia.

A nebulosidade que está sobre o Ceará é associada à proximidade da ZCIT e à atuação de um Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN) na região Nordeste do Brasil. Este sistema, entretanto, beneficia mais o litoral leste da costa nordestina e costuma atuar com maior intensidade no período de pré-estação chuvosa.

O município de Icapuí registrou, neste domingo, as duas maiores chuvas do ano. Na localidade de Peixe Gordo, foram 223.6mm e, na cidade, 216mm, segundo dados da Funceme. As precipitações trouxeram transtornos para os moradores: parte do sistema de bombeamento de água do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) foi afetado, porque bombas queimaram com oscilação de energia elétrica, interrompendo parcialmente o abastecimento; houve deslizamento de areias em dunas e desmoronamento nas serras de Icapuí e Cajuais, com corte de estradas vicinais, além de pontos de alagamento.

Neste domingo e ontem, máquinas da Prefeitura de Icapuí realizaram trabalho de contenção de morros, encostas nas dunas para evitar desmoronamento de casas, além de retirada de areia para escoamento de água no centro urbano.

A Prefeitura de Icapuí informou que a chuva do fim de semana provocou erosões de grandes proporções, deslizamentos de terra e alagamentos em várias comunidades do Município, danificando vias públicas e a estrutura de algumas residências.

Diante desses problemas, o prefeito de Icapuí, Raimundo Lacerda Filho, decretou Situação de Emergência, e mobilizou toda a estrutura administrativa da Defesa Civil, da Secretaria de Obras e Urbanismo e do Sistema Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), para, juntamente com a iniciativa privada e sociedade civil, promover ações de minimização e recuperação das áreas atingidas.

Declarou, no entanto, que, pela magnitude dos danos causados pela chuva, há uma lentidão na reversão dos impactos, pois toda a estrutura em campo ainda é insuficiente para dar conta dos prejuízos. Além disso, há o receio, por parte da prefeitura, de que novas precipitações de igual proporção aconteçam no município, o que agravaria ainda mais a situação, sobretudo para as famílias residentes em áreas de risco.

Preocupação
Apesar de a chuva renovar a esperança entre os agricultores, o meteorologista da Funceme, Raul Fritz, reafirma que o quadro é preocupante para os próximos três meses, pois as condições meteorológicas não são favoráveis. "O efeito La Niña já desapareceu e as águas superficiais do Oceano Pacífico Equatorial já estão se aquecendo", disse. "No Oceano Atlântico ainda predominam áreas neutras e frias no Litoral Leste, não está com temperaturas favoráveis, mais aquecidas ao Sul da Linha do Equador".

Raul Friz fez questão de afirmar: "As pessoas ficam animadas com as chuvas do fim de semana, mas o cenário é de preocupação e não estamos com melhores condições para os meses de março e abril próximos". A Funceme deve divulgar na próxima segunda-feira, 20, o segundo prognóstico de chuvas para os meses de março, abril e maio. Os modelos meteorológicos estão sendo finalizados.

A Meteorologia trabalha com probabilidade, que é sinônimo de incerteza. Embora não haja previsão atual, as chuvas mais intensas podem retornar se houver formação de um sistema convectivo de grandes massas de nuvens. A ZCIT tende a se posicionar sobre águas mais aquecidas, daí a importância da temperatura das águas superficiais do Atlântico Sul Tropical.

HONÓRIO BARBOSA
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis