P3 Midia

P3 Midia

Barbalha (CE): Queimadas no lixão atormentam a população

Fumaça, forte odor e problemas de saúde. É essa a realidade de quem vive próximo ao lixão deste município, a 550 Km da capital cearense. A poluição provocada pelo lixão é alvo constante de queixas por parte dos moradores. A população conta que, diariamente, uma densa nuvem de fumaça, causa pela queima do lixo dispensado pelos catadores, invade a cidade.

O bairro Santo Antônio é o mais afetado. Um dos mais populosos de Barbalha e também o que fica mais próximo ao lixão, a apenas um quilômetro, os mais de dois mil habitantes são os mais prejudicados com as frequentes queimadas. O professor Andrevaldo Glaudsion Pereira Tavares afirma que a fumaça é rotineira e diz que o problema é tão antigo que "inclusive já foi tema de aula".

Ele adverte, ainda, para outro problema mais grave: a contaminação do manancial que passa próximo à área, onde atuam os quase 30 catadores. "Como não tem nenhuma regulamentação ou fiscalização, a área, que não é muito grande, está avançando para o riacho que deságua no Rio Salamanca", conta. O chorume, resultante da decomposição do lixo e altamente tóxico, é um poluente em potencial do lençol freático e das águas do rio, hoje bem rasas devido ao longo período de estiagem.

O Núcleo de Apoio Especializado do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) já constatou, inclusive, inúmeras irregularidades. De acordo com relatório, o lixão está localizado à beira de Rodovia CE-293 e não mantém uma distância mínima de 20 metros a partir da faixa de rodovia; o terreno destinado ao lixão não se situa a mais de 200 metros de vertentes, olhos d`água e outros recursos hídricos, tendo em vista a proximidade com o Rio Salamanca.

Ainda segundo as informações contidas no relatório, "a localização do lixão não respeita a distância mínima de 2.000 metros da cidade, estando acerca de 630 metros da primeira residência e, apesar da existência de portão de controle de acesso, tem sido mantido aberto indevidamente. Não há também recobrimento de resíduos com material inerte".

O MPCE concluiu que o município de Barbalha não segue as normas operacionais vigentes em relação às disposições finais de resíduos sólidos, comprometendo a qualidade do solo, da água e do ar, exigindo intervenção com o intuito de encerrar suas atividades.

Inalterado
Passados cinco anos da conclusão do relatório do MPCE, nada mudou no local. O problema, que já não é novidade para as autoridades, foi inclusive denunciado pelo Diário do Nordeste, em reportagem de 2010, que mostra a poluição somada à fumaça e a presença de material hospitalar na área, bem como pessoas descarregando caminhões sem nenhum material de proteção.

No local, numa estrada que leva aos principais pontos turísticos de Barbalha, são depositados diariamente mais de dez caminhões de lixo.

A reportagem do Diário do Nordeste tentou contato, por telefone, com a secretária de Meio Ambiente do Município, no entanto, as ligações não foram atendidas. No prédio onde funciona a pasta, ninguém estava autorizado a conceder entrevista.

ANDRÉ COSTA
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis