Banner P3 728x90

Banner P3 728x90

Santana do Cariri (CE): Romaria em reverência a Benigna atrai multidão

Uma multidão se reuniu na tarde de ontem, dia 24, neste município do cariri cearense, para celebrar o encerramento da 13ª edição da Romaria de Benigna. Segundo estimativa da Matriz de Nossa Senhora Santana, 20 mil devotos participaram da procissão que este ano trouxe o tema "Com Benigna, rumo ao centenário paroquial, celebremos as misericórdias do Senhor".

Conforme explica um dos organizadores do evento, Ypsilon Félix, o dia da abertura dos festejos, 15 de outubro, é alusivo ao nascimento de Benigna e o encerramento relembra a data de sua morte, que completa 75 anos. "Como providência divina, entre a data de seu nascimento e a data de sua morte há um intervalo de nove dias, justamente o tempo para celebração de novenas", pontuou.

Os fiéis saíram em caminhada do bairro Inhumas, onde se encontra o santuário erguido em louvor à menina Benigna Cardoso, morta de forma brutal aos 13 anos de idade, em direção à matriz do município, no Centro. Após a procissão, houve missa solene, com a despedida oficial do Bispo Diocesano Don Fernando. O sacerdote foi responsável pela abertura do processo de beatificação. A celebração teve ainda a presença do bispo Coadjutor Dom Gilberto Pastana.

Em sua despedida, Don Fernando demonstrou felicidade ao ressaltar que a "Romaria de Benigna é um ato de amor e devoção que veio do povo para a Igreja. Essa manifestação não foi imposta pelas autoridades eclesiásticas, mas como uma prova de reconhecimento e memória do martírio de Benigna, uma jovem que renunciou o pecado e acolheu a vontade de Deus".

Padre Paulo Lemos Pereira, responsável pela paróquia do município, lembrou que apesar da Romaria em louvor à jovem acontecer somente há 13 anos, "Benigna já é santa na consciência do povo de Santana, e louvada muito antes do início das romarias. São inúmeras as graças alcançadas por sua intercessão", acrescenta o sacerdote, razão pela qual, segundo ele, "a Romaria tem crescido ano após ano".

Diante do crescente número de fiéis, obras estruturantes têm sido realizadas no percurso entre o santuário e a matriz. A Avenida Monsenhor Mattiolli, agora denominada "Corredor da Fé", está sendo reformada desde o ano passado. Ypsilon analisa que, ao fim da obra, "não somente os romeiros serão beneficiados com uma estrada melhor, mas também os comerciantes, diante do aumento no fluxo de católicos". As obras estão com 50% de execução.

Concluída
A estrada em paralelepípedo com 7 metros de largura terá extensão de 2,5 km, ligando a sede do município ao bairro de Inhumas, local onde Benigna foi assassinada. A primeira parte da obra, já concluída, contempla 1,5 metros de calçadas, com valas e calçamentos. Já na segunda fase, a previsão é que sejam inseridas ciclovias, urbanização com iluminação e boxes para atendimentos aos fiéis.

Ypsilon detalha que o objetivo é criar, ao longo do percurso, estações da Via Sacra, como na Rua do Horto, em Juazeiro do Norte, em direção ao local onde está localizado o monumento de 27 metros erguido em homenagem ao Padre Cícero, que anualmente recebe 2,5 milhões de fiéis. A 200 metros do túmulo onde Benigna foi sepultada, dezenas de fiéis se espremem pacientemente em busca da água retirada da cacimba onde a jovem passou antes de ser assassinada. Ypsilon conta que os fiéis chegam ao poço, tiram a água, se molham, bebem e até levam para casa por acreditarem que ela é abençoada por Benigna, como é o caso da diarista Lucinete Oliveira da Silva Brito, de 36 anos.

Segundo ela, a gravidez do seu terceiro filho foi de risco e "havia grandes possibilidades de a filha nascer morta ou com alguma grave doença. Prometi que se minha filha nascesse com saúde, eu a chamaria de Benigna e todos os anos traria ela aqui no santuário". A agricultora Maria Aparecida, 59, também acredita na santidade de Benigna. "Meu filho tinha feridas na perna e não conseguia sarar. Então orei para Benigna pedindo que ela o curasse e ela atendeu, após ele beber e tomar banho com a água desta cacimba".

Beatificação
Em 2011, a diocese do Crato iniciou os trabalhos para pedir ao Vaticano a beatificação da jovem "mártir". A beatificação, conforme explica o sacerdote Lemos, é o primeiro passo para a canonização, processo pelo qual a Igreja reconhece oficialmente a fama e o testemunho de santidade de alguém que viveu e morreu heroicamente, marcado pelas virtudes cristãs. Com a abertura do processo, Benigna se tornou 'Serva de Deus' e os seus restos mortais foram transladados do cemitério da cidade para a Matriz de Nossa Senhora Sant'Ana, no Centro.

Ainda segundo o padre, o processo de beatificação está em andamento na cúpula da Igreja em Roma. Além da extensa documentação que a equipe diocesana já entregou na Sede da Igreja Católica, o Vaticano solicitou, este ano, depoimentos de pessoas que viveram nas décadas de 40 a 80, relatando graças alcançadas e sobre a consciência popular do martírio de Benigna.

Heroína perdeu a vida tragicamente
Benigna Cardoso da Silva nasceu em 15 de outubro de 1928, na localidade de Sítio Oitis, Distrito de Inhumas a 2 km da sede de Santana do Cariri. Em 1941, aos 13 anos perdeu a vida de forma trágica. Benigna foi morta a golpes de facão por um homem que a assediou e tendo ela se recusado a entregar-se foi brutalmente assassinada. Pelo ato a menina passou a ser considerada santa pela população local depois de sua morte, por considerarem o seu gesto de amor e coragem apesar da pouca idade, tornando-se "Heroína da Castidade".

ANDRÉ COSTA
COLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste

Curta nossa página no Facebook



Nenhum comentário:

Postar um comentário

ShareThis